G1 Mundo

O que aconteceu com o bebê ‘milagroso’ que sobreviveu ao terremoto da Síria?

today5 de agosto de 2023 5

Fundo
share close

O vídeo do resgate milagroso da bebê após o forte tremor em fevereiro chamou a atenção do mundo inteiro. Desde então, ela teve uma recuperação digna de nota.

Hoje, Afraa tem seis meses e é um típico bebê feliz e saudável.

Os tios da menina a estão criando junto com sete filhos na cidade síria de Jindayris, não muito longe da fronteira com a Turquia.



“Ela ainda é muito jovem, mas me lembra o pai e a irmã Nawara, especialmente o sorriso. Eles também faleceram no terremoto”, diz o tio, Khalil al-Sawadi, embalando a menina sorridente nos braços.

“Eles costumavam passar um tempo na nossa casa. Ela não nos incomoda de jeito nenhum.”

Afraa com o tio, Khalil — Foto: BBC

Em 6 de fevereiro, logo após o devastador terremoto atingir Jindayris, a mãe de Afraa entrou em trabalho de parto e deu à luz sob os escombros de sua casa. Ela morreu antes que os socorristas as encontrassem.

A bebê Afraa foi o único membro da família imediata a sobreviver — o pai, Abu Rudaina, e os quatro irmãos da menina também perderam a vida.

“Vimos que a casa de Abu Rudaina havia desabado”, diz Khalil. “Minha esposa começou a gritar: ‘Meu irmão, meu irmão’.”

Khalil se lembra vividamente do momento em que retirou Afraa debaixo dos escombros: “O telhado havia caído sobre eles. Alguém me ligou e disse que encontraram o corpo de uma mulher. Assim que cheguei, comecei a cavar, então ouvi uma voz. Era a bebê Afraa, que ainda estava ligada à mãe. Estávamos determinados a salvá-la, sabíamos que ela seria a única lembrança que restava da família.”

Um vídeo dramático do resgate foi compartilhado e viralizou nas redes sociais. O bebê foi levado ao hospital e inicialmente recebeu o nome de Aya, que significa milagre em árabe.

Afraa foi tratada no hospital depois que socorristas a salvaram dos escombros — Foto: AFP/Via BBC

O médico responsável pelo caso disse que ela tinha inchaços e hematomas e mal respirava. Seis meses depois, essas lesões não são mais visíveis.

“Imediatamente após o terremoto ela teve alguns problemas no peito por causa da poeira dos escombros, mas agora a saúde dela está ótima”, diz Khalil.

“Eu a levei ao médico para ver como ela estava e agora a saúde está 100%.”

Mas os últimos seis meses foram difíceis. Quando Afraa estava no hospital, milhares de pessoas ao redor do mundo se ofereceram para adotá-la, então Khalil e a esposa Hala tiveram que provar que realmente eram parentes próximos antes de poderem cuidar dela. “Senti que eles não queriam deixar Afraa conosco”, diz ele.

Hala teve que fazer um teste de DNA. “No começo era apenas um exame de sangue, então cerca de uma semana depois eles nos ligaram novamente. Eles tiraram outra amostra de sangue e cabelo de minha esposa. Demorou quase 10 dias antes de termos uma resposta.”

Houve tanto interesse na história de Afraa que Khalil e a família temiam que, enquanto esperavam pelos resultados do DNA, alguém pudesse tentar sequestrá-la.

Eles passaram o máximo de tempo possível no hospital e tomaram precauções extras. “Tanto a polícia civil quanto a militar nos ajudaram a protegê-la”, diz. “Eram muitos. Eles ficavam no quarto ao lado de Afraa e cuidavam dela dia e noite.”

Quando os resultados do DNA chegaram, eles confirmaram que Hala era de fato parente — a irmã do pai de Afraa — e a menina teve alta do hospital.

Afraa agora mora com a tia, o tio e sete primos — Foto: BBC

Uma das primeiras coisas que Khalil e Hala fizeram foi dar a ela um novo nome — eles a chamaram de Afraa, em homenagem à mãe.

“Ela é uma das minhas filhas agora”, diz Khalil. “Não posso passar muito tempo longe dela.”

“Quando ela crescer, vou contar o que aconteceu e mostrar as fotos de sua mãe, pai e seus irmãos. Nós os enterramos no dia seguinte em um vilarejo próximo chamado Hajj Iskandar, onde a Defesa Civil cavou valas comuns.”

Hala engravidou ao mesmo tempo que a mãe de Afraa e, três dias após o nascimento de Afraa, Hala também deu à luz uma menina. Eles a chamavam de Ataa em homenagem a outra tia que morreu no terremoto.

Mas a casa deles em Jindayris foi tão danificada que eles não puderam mais morar lá. “Havia grandes rachaduras e não era seguro”, diz Khalil.

“Perdi minha casa e meu carro, foi como voltar à estaca zero. Não tenho dinheiro nem para mandar meus filhos para a escola.”

Eles viveram dois meses numa tenda num acampamento onde a vida era “extremamente difícil, fazia muito calor e tínhamos dois bebês para cuidar”.

Khalil encontrou um novo lar para sua família, mas está preocupado porque não pode ficar muito tempo em casa — Foto: BBC

A família finalmente conseguiu encontrar uma casa para alugar onde moram agora, mas temem não poder ficar por muito tempo. “É muito caro e não sei se conseguiremos mantê-la por muito mais tempo, porque o dono precisa dela de volta”, diz Khalil.

Algumas pessoas se ofereceram para ajudá-los a se mudar para os Emirados Árabes Unidos ou o Reino Unido, mas Khalil recusou.

“Honestamente, eu ainda estava preocupado [se fosse para o exterior] que eles pudessem tirar Afraa de nós.”

Ele lembra que “há pessoas vivendo em condições piores em Jindayris”.

Imagens de drone mostram a extensão da devastação em Jindayris — Foto: BBC

Sua cidade natal foi uma das mais atingidas pelo terremoto e milhares de outras famílias se encontraram em uma situação semelhante.

Ao todo, mais de 50 mil pessoas morreram na Síria e na Turquia — pelo menos 4,5 mil no noroeste da Síria, onde cerca de 50 mil famílias também foram deslocadas, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU).

A entrega de ajuda humanitária aos 4 milhões de pessoas que vivem nesta área controlada pelos rebeldes da Síria é extremamente difícil, pois a maioria dos moradores já foi deslocada pela guerra que




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

russia-envia-jato-para-interceptar-drone-de-reconhecimento-dos-eua

G1 Mundo

Rússia envia jato para interceptar drone de reconhecimento dos EUA

A tripulação russa identificou o equipamento como um drone de reconhecimento MQ-9A Reaper da Força Aérea dos EUA, que se afastou da fronteira quando o jato russo se aproximo. Um caça russo Sukhoi Su-30 voa durante a parada militar do Dia da Independência da Venezuela no Forte Tiuna em Caracas, Venezuela, na quarta-feira, 5 de julho de 2006. — Foto: AP Photo/Gregorio Marrero O Ministério de Defesa da Rússia afirmou […]

today5 de agosto de 2023 4

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%