G1 Mundo

O que descoberta de taverna de 5 mil anos revelou

today11 de fevereiro de 2023 12

Fundo
share close

O espaço público foi encontrado na antiga cidade de Lagash, no atual Iraque.

“Consistia de uma grande área comum que provavelmente era o lugar onde a comida era consumida”, diz Sara Pizzimenti, da Universidade de Pisa, na Itália, à BBC.

Ela é uma das pesquisadoras que vem estudando a cidade antiga há cinco anos como parte do Projeto Arqueológico de Lagash.



Lagash foi uma das maiores e mais antigas cidades do sul da Mesopotâmia e um dos primeiros centros urbanos do mundo.

Fazia parte da civilização suméria, formada por uma série de cidades-estado às margens dos rios Tigre e Eufrates, que durou do final do Período Neolítico até o início da Idade do Bronze.

Bancos, um forno e uma geladeira de 5 mil anos

Um dispositivo de resfriamento foi encontrado no local — Foto: LAGASH ARCHAEOLOGICAL PROJECT/via BBC

Por meio de novas técnicas, como imagens de drones e análises de magnetometria — método que permite aos arqueólogos “ver” o solo sem escavar —, a equipe conseguiu cavar com mais precisão.

Ao chegarem à taverna, eles descobriram bancos, uma espécie de geladeira de barro, um forno e restos de recipientes para armazenar alimentos, muitos dos quais ainda continham comida.

“Graças ao tipo de cerâmica encontrada no local e à arte glíptica (de talhar ou gravar em pedras preciosas), não há dúvida de que a taverna tenha quase 5 mil anos”, diz Holly Pittman, diretora do projeto, à BBC.

Mas como um dispositivo de resfriamento funcionava sem eletricidade?

Um refrigerador de pote de barro depende da evaporação — e consiste de dois potes de tamanhos diferentes (um dentro do outro).

O pote externo, forrado com areia molhada, continha um pote interno, que era esmaltado para evitar a entrada de líquido — e a comida era colocada nele. A evaporação do líquido externo extraía o calor do pote interno. Qualquer coisa podia ser resfriada nesses potes.

Localizada às margens do Rio Tigre, ao norte de onde ele encontra o Eufrates, Lagash foi um movimentado centro comercial durante o início do Período Dinástico, que durou de 3.200 a 2.900 a.C., quando foram fundadas algumas das primeiras cidades do mundo.

“Estamos tentando entender como esta cidade se desenvolveu do sítio arqueológico menor que caracterizava a área em períodos anteriores para uma rede muito maior e muito mais integrada”, diz o arqueólogo Reed Goodman, da Universidade da Pensilvânia, nos EUA, à BBC.

Sobras de comida de 5 mil anos

Os arqueólogos desenterraram 100 tigelas contendo restos de comida — Foto: LAGASH ARCHAEOLOGICAL PROJECT/via BBC

Próximo ao forno e à geladeira de barro, os arqueólogos encontraram outro cômodo com tigelas de comida, frascos e potes.

“Encontramos mais de 100 tigelas com restos de comida, o que nos faz acreditar que este era um lugar em que as pessoas da época passavam e pegavam algo para comer ou beber”, diz Pizzimenti.

O local não poderia ser uma cozinha doméstica, segundo ela, “pela quantidade enorme de comida que era preparada”.

Os vestígios de comida revelam que a taverna servia peixe aos clientes que a visitavam há 5 mil anos.

“Dentro de cada um desses recipientes encontramos uma quantidade enorme de espinhas de peixes, muito bem preservadas”, conta Pittman.

O que intriga os arqueólogos é por que a comida não foi consumida.

“Todas as coisas que encontramos foram simplesmente deixadas lá, então algo provavelmente aconteceu, mas não sabemos o quê — e isso é algo que queremos descobrir”, afirma Pizzimenti.

Falta uma peça do quebra-cabeça

Vista panorâmica do sítio arqueológico — Foto: LAGASH ARCHAEOLOGICAL PROJECT/via BBC

Eles também querem descobrir quem eram os visitantes da taverna e qual era seu status social.

Escavações anteriores no sítio arqueológico revelaram que a cidade de Lagash abrigava três complexos de templos, onde as classes altas viviam.

Mas os arqueólogos acham que a taverna não estava localizada em uma área nobre da cidade.

“A vizinhança onde a taverna foi encontrada não parece ser uma área nobre. Parece que era um lugar frequentado por pessoas comuns”, diz Pizzimenti.

Eles acreditam que a taverna era um lugar em que as pessoas que trabalhavam fora de casa podiam fazer suas refeições diárias.

“O que precisamos descobrir é se essas pessoas trabalhavam na produção de cerâmica”, afirma Pittman.

A equipe está ansiosa para descobrir mais sobre a vida das pessoas comuns em Lagash.

“Esperamos fornecer um bom contraponto a esse tipo de narrativa que há muito tempo defende esses lugares como espaços apenas para ricos e pobres, com muito pouca diversidade no meio”, diz Goodman.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

guaruja-abre-400-vagas-para-cursos-gratuitos-de-qualificacao-profissional

G1 Santos

Guarujá abre 400 vagas para cursos gratuitos de qualificação profissional

A Prefeitura de Guarujá, no litoral de São Paulo, anunciou neste sábado (11) que o Fundo Social de Solidariedade (FSS) da cidade vai abrir inscrições para 400 vagas em cursos gratuitos de qualificação profissional, voltados à geração de emprego e renda. Segundo o município, as oportunidades são para os cursos de conserto e reforma de roupas, costura criativa, panificação, crochê, artesanato em feltro, amigurumi [técnica japonesa para criar bonecos de […]

today11 de fevereiro de 2023 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%