G1 Mundo

O que pode ter causado a morte de milhões de peixes em cidade da Austrália

today18 de março de 2023 13

Fundo
share close

Os primeiros relatos sobre a morte de peixes em grande escala aconteceram na manhã de sexta-feira (17/3) em Menindee, no Estado de Nova Gales do Sul.

A autoridade fluvial culpou uma onda de calor que afeta o rio Darling-Baaka.

Moradores locais dizem que esta é a maior mortandade de peixes a atingir a cidade, que experimentou evento semelhante apenas três anos atrás.



Em um post no Facebook, o Departamento de Indústrias Primárias de Nova Gales do Sul disse que a onda de calor colocou “mais estresse em um sistema que experimentou condições extremas de inundações em larga escala”.

As ondas de calor tornaram-se mais frequentes, intensas e duradouras por causa das mudanças climáticas induzidas pelo homem. O mundo já aqueceu cerca de 1,1 °C desde o início da era industrial, e as temperaturas continuarão subindo, a menos que os governos de todo o mundo façam cortes drásticos nas emissões de poluentes.

Graeme McCrabb, morador de Menindee, descreveu mortes de peixes como “surreais” — Foto: BBC

Em entrevista à BBC, Graeme McCrabb, morador de Menindee, descreveu as mortes como “surreais”.

“Provavelmente será um pouco mais difícil hoje”, disse ele, alertando que os moradores estavam prevendo que ainda mais peixes morreriam à medida que os animais já em decomposição sugassem mais oxigênio da água.

Cerca de 500 pessoas vivem na cidade no extremo oeste de Nova Gales do Sul. O rio Darling-Baaka faz parte da Bacia Murray Darling, o maior sistema fluvial da Austrália.

Segundo as autoridades locais, as mortes de peixes foram “angustiantes para a comunidade local”, um sentimento compartilhado por McCrabb.

“Você pode imaginar deixar um peixe em sua cozinha para apodrecer com todas as portas fechadas e sem ar condicionado, e nós temos milhões deles.”

Esperava-se que a temperatura em Menindee chegasse a 41 °C neste sábado.

Ele acrescentou que os moradores da cidade regional dependem da bacia para abastecimento de água, “usamos a água do rio para lavar e tomar banho. As pessoas não vão poder usar essa água para essas necessidades básicas novamente”, lamentou.

“Com o tempo essas pessoas não vão poder ter acesso àquela água para uso doméstico, o que é uma vergonha”.

A mortandade de peixes lança uma luz sobre os problemas enfrentados pela Bacia Murray Darling. A seca e a atividade humana impactaram a saúde do ecossistema local.

O órgão responsável pela Bacia de Murray Darling disse que a agricultura, as indústrias e as comunidades usaram a água do sistema fluvial, o que resultou em menos água fluindo pelo rio.

Também informou que a bacia é propensa a eventos climáticos extremos e tem um clima altamente variável, deixando-a vulnerável a incêndios e secas.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

putin-visita-crimeia-em-aniversario-de-anexacao-da-peninsula

G1 Mundo

Putin visita Crimeia em aniversário de anexação da península

Rússia tomou a Crimeia em 2014, oito anos antes de lançar sua invasão em grande escala da Ucrânia. O presidente russo, Vladimir Putin, participa de uma reunião em Moscou, Rússia, em 15 de março de 2023 — Foto: Pavel Bednyakov/Sputnik via Reuters O presidente russo Vladimir Putin chegou à Crimeia neste sábado (18) em uma visita não anunciada, para marcar o nono aniversário da anexação russa da península da Ucrânia, […]

today18 de março de 2023 14

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%