G1 Mundo

ONU afirma que ainda é possível erradicar Aids até 2030; uma pessoa morre por minuto da doença

today13 de julho de 2023 6

share close

O plano apresentado em um novo relatório do Unaids (Programa das Nações Unidas para HIV/Aids) mostra que é possível erradicar a Aids “ainda nesta década”, segundo a diretora-executiva do programa, Winnie Byanyima.

A organização destacou a necessidade de combater as desigualdades, apoiar as comunidades e as organizações da sociedade civil, além de garantir um financiamento adequado e sustentável.

Byanyima destacou o progresso no combate ao HIV em países do leste e do sul da África, onde os contágios registraram queda de 57% desde 2010.



A meta de acabar com a epidemia até 2030 é parte dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis adotados em 2015 pela ONU. O programa Unaids articula iniciativas ao redor mundo para chegar a esse objetivo. 

Na última década, o número de pessoas com acesso ao tratamento com antirretrovirais foi multiplicado por três, passando de 7,7 milhões em 2010 para 29,8 milhões em 2022. Os novos contágios caíram 59% desde 1995.

No ano passado, 82% das mulheres grávidas ou em período de amamentação que convivem com o HIV tiveram acesso ao tratamento com antirretrovirais, contra 46% em 2010.

Apesar dessa melhora, em 2022, uma pessoa morreu a cada minuto vítima da Aids e quase 9,2 milhões permaneciam sem tratamento, incluindo 660.000 crianças soropositivas.

O Unaids lamentou que muitos países ainda tenham leis que criminalizem certos comportamentos e populações consideradas de risco. 

A maioria dos países (145) criminaliza o uso ou posse de drogas e 67 nações penalizam as relações sexuais entre pessoas do mesmo sexo. Além disso, 143 países têm leis que punem a exposição ao HIV, a falha na divulgação ou a transmissão do vírus.

“Se os governantes ignoram, isolam ou criminalizam as pessoas com o vírus ou que estão expostas ao risco de contágio, os progressos no combate a Aids são prejudicados e mais pessoas serão infectadas pelo vírus”, afirmou o Unaids.

O financiamento segue um desafio. Os recursos, que tinham aumentado no início da década de 2010, voltaram a cair no ano passado ao nível registrado em 2013.

Em 2022, US$ 20,8 bilhões de dólares (quase R$ 100 bilhões) foram destinados aos programas de luta contra HIV nos países de baixa e média renda, 2,6% a menos que em 2021 e muito abaixo dos US$ 29,3 bilhões de dólares (R$ 140 bilhões) considerados necessários até 2025.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

G1 Mundo

John Kerry, encarregado por temas de meio ambiente nos EUA, diz que país não vai pagar indenizações climáticas ‘sob nenhuma circunstância’

EUA e outros países desenvolvidos não querem assumir a responsabilidade por emissões históricas ou indenização para países prejudicados por desastres. John Kerry, assessor especial para o clima dos EUA, chega a Brasília Os Estados Unidos não pagarão indenizações aos países em desenvolvimento atingidos por desastres provocados pelo clima, disse John Kerry, enviado especial norte-americano para Mudanças Climáticas, em audiência no Congresso norte-americano nesta quinta-feira (13). Kerry, um ex-secretário de Estado dos EUA, foi questionado durante uma audiência diante de um subcomitê […]

today13 de julho de 2023 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%