G1 Santos

Operação policial no litoral de SP é ‘resposta de terror’, diz membro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública

today4 de agosto de 2023 4

Fundo
share close

“Vai entrar num ciclo vicioso. Morre um policial, a polícia revida com operação dessa forma, que também mata mais pessoas, gera medo e pavor na comunidade e expõe os policiais a mais risco. Acabam vitimando um novo policial e esse ciclo nunca termina”, relatou Carolina.

Ela se disse a favor da operação em resposta à morte do policial, pois considera o assassinato de um agente em serviço uma violência contra o Estado: “inadmissível”.

No entanto, acredita que as ações deveriam ser mais bem organizadas pelas autoridades, porque o governo estadual tem condições de arquitetar uma operação “mais cirúrgica”.



“Me parece que a polícia de São Paulo, que se diz uma polícia tão profissional, uma das mais profissionais do Brasil, teria muito mais condição de fazer uma operação mais planejada. É claro que você pode optar por uma ostensividade como tem sido essa feita, mas está gerando muito mais mortes”.

A Operação Escudo mobilizou 600 agentes de equipes especializadas das polícias Militar e Civil, inclusive de um efetivo de outros locais do Estado. Para Carolina, isso pode ocasionar problemas, com riscos aos próprios policiais e aos moradores das comunidades alvos das ações, pois são profissionais que não conhecem o território.

Se você se sente em risco, você tende a usar mais a força, mais brutalidade […]. O que já gera muito mais tensão, medo e pavor nos moradores”, ressaltou a advogada, que já atuou como consultora em temas de segurança pública e prevenção da violência em diversos órgãos.

De acordo com ela, houve violação dos direitos humanos na morte do policial, mas a resposta das autoridades também está violando os direitos humanos, além de ter pouca eficiência. “Se aposta numa lógica de gerar medo, de mostrar quem é mais forte”, ressaltou.

A socióloga enfatizou que os agentes devem prender os criminosos, não matar. “Não cabe à polícia executar, decidir e julgar uma pessoa. Ela precisa ser presa […] Me parece muito grave o que está acontecendo”, finalizou.

Moradores de Guarujá (SP) pedem para Polícia parar de matar pessoas durante operação

Moradores de Guarujá (SP) pedem para Polícia parar de matar pessoas durante operação

Procurada pelo g1, a SSP-SP informou que 16 suspeitos morreram após entraram em confronto com as forças de segurança. “Todos os casos são investigados pela Divisão Especializada de Investigações Criminais (DEIC) de Santos e pela Polícia Militar por meio de Inquérito Policial Militar (IPM)”, esclareceu.

Ainda segundo a pasta, as imagens das câmeras corporais dos agentes serão anexadas aos inquéritos e “estão disponíveis para consulta irrestrita pelo Ministério Público, Poder Judiciário e a Corregedoria da PM”.

O Instituto Sou da Paz busca contribuir para a efetivação de políticas públicas de segurança e prevenção da violência, pautadas por valores de democracia, justiça social e direitos humanos.

PM da Rota morto era da capital de SP e estava em serviço quando foi atingido por criminosos — Foto: Arquivo Pessoal

O soldado Patrick Bastos Reis foi baleado enquanto fazia um patrulhamento na comunidade da Vila Júlia, em Guarujá, na quinta-feira (27). A morte foi confirmada no mesmo dia. Além dele, um outro policial foi baleado na mão esquerda, encaminhado para o Hospital Santo Amaro e liberado.

Após o caso, a Polícia Militar iniciou a Operação Escudo, com o objetivo de capturar os criminosos responsáveis pela ação contra os agentes.

'Sniper' que matou policial do ROTA pede para Tarcísio 'parar de matar inocentes'

‘Sniper’ que matou policial do ROTA pede para Tarcísio ‘parar de matar inocentes’

Em vídeo gravado antes de ser preso, o suspeito afirma, em relato direcionado ao governador de SP e ao secretário de Segurança Pública, que estão “matando uma ‘pá’ de gente inocente”. Ele diz não ter nada a ver com o caso, mas que vai se entregar. Erickson diz ainda que estão “querendo pegar” sua família (veja o vídeo acima).

O secretário de Segurança Pública de São Paulo, Guilherme Derrite, afirmou nesta segunda-feira (31) que o vídeo gravado pelo suspeito foi “uma estratégia do crime organizado”.

“A verdade é que esse vídeo que ele fez, orientado pelos seus defensores, inclusive tem áudio do advogado o orientando a fazer esse vídeo, se os senhores ainda não possuem, ao longo das investigações vão tomar conhecimento disso, é uma estratégia do crime organizado, inclusive de cooptar moradores, de cooptar pessoas das comunidades que também são vítimas do tráfico organizado apresentando versões”, afirmou.

Governador Tarcísio de Freitas (de cinza, ao centro), durante coletiva sobre operações na Baixada Santista e Centro de SP — Foto: TV Globo

VÍDEOS: g1 em 1 Minuto Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

jovem-faz-musica-debochando-da-morte-de-pm-da-rota-e-e-preso:-‘sem-medo-de-morrer’;-video

G1 Santos

Jovem faz música debochando da morte de PM da Rota e é preso: ‘sem medo de morrer’; VÍDEO

Nas imagens, obtidas pelo g1 nesta sexta-feira (4), Adelso canta uma música relatando o episódio em que o PM e outro agente foram baleados na comunidade Vila Julia. Na letra, o jovem afirmou que os criminosos estavam "cheios de ódio" e também zombou dos policiais atingidos. Se é apologia, eu vou mandarVou mandar, mando aíEu troco tiro com a BaepE é sem medo de morrerAqui é o [nome da fação]Eu […]

today4 de agosto de 2023 10

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%