G1 Mundo

Os ucranianos que falsificaram registros médicos para salvar órfãos da deportação russa

today16 de dezembro de 2022 52

Fundo
share close

Os russos eram suspeitos de sequestrar crianças órfãs e enviá-las para a Rússia, então a equipe do hospital regional infantil na cidade de Kherson começou a fabricar registros médicos de órfãos para fazer parecer que eles estavam doentes demais para se mudar.

“Escrevemos deliberadamente informações falsas de que as crianças estavam doentes e não podiam ser transportadas”, disse a Dra. Olga Pilyarska, chefe dos cuidados intensivos.

“Estávamos com medo de que (os russos) descobrissem, (mas) decidimos que salvaríamos as crianças a qualquer custo”, afirmou a médica.



Durante a guerra, os russos foram acusados ​​de deportar crianças ucranianas para a Rússia ou para territórios controlados por eles para criá-los como se fossem seus. Pelo menos 1.000 crianças foram sequestradas de escolas e orfanatos na região de Kherson durante os oito meses de ocupação da área pela Rússia, dizem as autoridades locais. O paradeiro deles ainda é desconhecido.

Mas os moradores dizem que ainda mais teriam desaparecido se não fosse pelos esforços de alguns membros da comunidade que arriscaram suas vidas para esconder o máximo de crianças possível.

No hospital em Kherson, a equipe inventou doenças para 11 bebês abandonados sob seus cuidados, para que não precisassem entregá-los ao orfanato onde sabiam que receberiam documentos russos e possivelmente seriam levados embora. Um bebê teve “sangramento pulmonar”, outro “convulsões incontroláveis” e outro precisou de “ventilação artificial”, disse Pilyarska sobre os registros falsos.

Nos arredores de Kherson, no vilarejo de Stepanivka, Volodymyr Sahaidak, diretor de um centro de reabilitação social e psicológica, também falsificou documentos para esconder 52 crianças órfãs e vulneráveis. O homem de 61 anos deixou algumas das crianças com sete de seus funcionários, outras foram levadas para parentes distantes e algumas das mais velhas permaneceram com ele, disse ele.

“Parecia que se eu não escondesse meus filhos, eles simplesmente seriam tirados de mim”, afirmou Sahaidak.

Mas movê-los não foi fácil. Depois que a Rússia ocupou Kherson e grande parte da região em março, eles começaram a separar os órfãos em postos de controle, forçando Sahaidak a ser criativo sobre como transportá-los. Em um caso, ele falsificou registros dizendo que um grupo de crianças havia recebido tratamento no hospital e estava sendo levado por sua tia para se reunir com sua mãe que estava grávida de nove meses e esperando por eles do outro lado do rio.

Embora Sahaidak tenha conseguido afastar os russos, nem todas as crianças tiveram a mesma sorte. No orfanato em Kherson – para onde o hospital teria enviado os 11 bebês – cerca de 50 crianças foram evacuadas em outubro e supostamente levadas para a Crimeia, que a Rússia anexou ilegalmente em 2014, disseram um guarda de segurança da instituição e vizinhos à Associated Press.

“Um ônibus chegou com a inscrição Z (um símbolo pintado em veículos russos) e eles foram levados”, disse Anastasiia Kovalenko, que mora nas proximidades.

Crianças órfãs dormem em berços na maternidade do hospital regional infantil em Kherson, sul da Ucrânia, novembro de 2022 — Foto: AP Photo/Bernat Armangue

No início da invasão, um grupo de ajuda local tentou esconder as crianças em uma igreja, mas os russos as encontraram vários meses depois, as devolveram ao orfanato e depois as evacuaram, disseram moradores.

No início deste ano, a Associated Press informou que a Rússia está tentando dar milhares de crianças ucranianas a famílias russas para adoção. A AP descobriu que as autoridades deportaram crianças ucranianas para a Rússia ou territórios controlados pelo país sem consentimento, mentiram para elas, dizendo que não eram desejadas por seus pais, as usaram para propaganda e deram a elas famílias e cidadanias russas.

O Instituto para o Estudo da Guerra, um think tank com sede em Washington, diz que as autoridades russas estão conduzindo uma campanha deliberada de despovoamento em partes ocupadas da Ucrânia e deportando crianças sob o pretexto de esquemas de reabilitação médica e programas de adoção.

As autoridades russas disseram repetidamente que a mudança de crianças para seu território visa protegê-las das hostilidades. O Ministério das Relações Exteriores da Rússia rejeitou as alegações de que o país esteja apreendendo e deportando as crianças, observando que as autoridades estão procurando parentes de crianças órfãs deixadas na Ucrânia para encontrar oportunidades de mandá-las para casa quando possível.

A ombudsman dos direitos das crianças russas, Maria Lvova-Belova, supervisionou pessoalmente a transferência de centenas de órfãos de regiões da Ucrânia controladas pela Rússia para adoção por famílias russas. Ela alegou que algumas das crianças tiveram a oportunidade de retornar à terra natal, mas se recusaram. Sua declaração não pôde ser verificada de forma independente.

O conselheiro regional de proteção à criança da Unicef na Europa e Ásia Central, Aaron Greenberg, disse que, até que o destino dos pais de uma criança ou outros parentes próximos possa ser verificado, cada criança separada é considerada como tendo parentes próximos vivos, e uma avaliação deve ser conduzida pelas autoridades nos países onde as crianças estão.

A segurança local e nacional e a aplicação da lei estão procurando as crianças que foram transferidas, mas ainda não sabem o que aconteceu com elas, disse Galina Lugova, chefe da administração militar de Kherson.

“Não sabemos o destino dessas crianças, não sabemos onde estão as crianças de orfanatos ou de nossas instituições educacionais, e isso é um problema”, disse Lugova.

Por enquanto, grande parte do fardo recai sobre os locais para encontrá-los e trazê-los para casa.

Em julho, os russos trouxeram 15 crianças das linhas de frente na região vizinha de Mykolaiv para o centro de reabilitação de Sahaidak e depois para a Rússia. Com a ajuda de estrangeiros e voluntários, Sahaidak afirma que conseguiu rastreá-los e levá-los para a Geórgia. Ele não deu mais detalhes sobre a operação por temer prejudicá-la, mas disse que as crianças devem retornar à Ucrânia nas próximas semanas.

Para alguns, a ameaça de a Rússia deportar crianças trouxe resultados inesperados. Em outubro, quando havia sinais de que os russos estavam recuando, Tetiana Pavelko, enfermeira do hospital infantil, temeu que eles levassem os bebês com eles. Incapaz de ter filhos, a mulher de 43 anos correu para a enfermaria e adotou uma menina de 10 meses.

Enxugando as lágrimas de alegria de suas bochechas, Pavelko disse que batizou o bebê de Kira em homenagem a uma mártir cristã. “Ela ajudou as pessoas, curou e realizou muitos milagres”, contou.

Funcionários do hospital regional infantil em Kherson, sul da Ucrânia, novembro de 2022 — Foto: AP Photo/Bernat Armangue




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

deslizamento-de-terra-deixa-12-mortos,-8-feridos-e-22-desaparecidos-na-malasia

G1 Mundo

Deslizamento de terra deixa 12 mortos, 8 feridos e 22 desaparecidos na Malásia

Doze pessoas morreram, oito ficaram feridas e dezenas são consideradas desaparecidas depois que um deslizamento de terra atingiu um acampamento na Malásia no início desta sexta-feira (16), horário local. Equipes de busca e resgate vasculhavam o local em busca de sobreviventes. Vinte e duas pessoas estão desaparecidas. De acordo com as autoridades, 92 pessoas foram atingidas pelo deslizamento de terra enquanto dormiam e mais de 50 foram resgatadas e estão […]

today16 de dezembro de 2022 58

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%