G1 Mundo

Palestinos buscavam abrigo dos bombardeios israelenses em hospitais de Gaza antes do ataque

today18 de outubro de 2023 9

Fundo
share close

O conflito, em seu 11º dia, já tem 4.400 mortos — 3.000 palestinos e 1.400 israelenses, a grande maioria civis.

Amira, de 44 anos, instalou-se com os filhos no pátio do hospital Nasser, em Khan Yunis, no sul do pequeno enclave palestino, para onde um milhão de habitantes foram deslocados desde que o Exército de Israel ordenou-lhes que abandonassem o norte.

“Faz uma semana que não tomamos banho, a morte seria mais misericordiosa”, disse, enquanto preparava sanduíches com o pouco pão que conseguiu recuperar.



Explosão em hospital em Gaza causa centenas de mortes — Foto: Arquivo Pessoal

“Se a água e o combustível não voltarem imediatamente a Gaza, seus habitantes estão em perigo iminente de morte, ou de epidemias”, afirma o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

Até agora, a única abertura para o mundo da Faixa de Gaza que não está nas mãos de Israel – a passagem de Rafah para o Egito – permanece fechada.

A região foi bombardeada pela quarta vez na noite de segunda-feira (16). Israelenses, egípcios e americanos não conseguem chegar a acordo sobre um mecanismo para levar ajuda, tirar estrangeiros de Gaza e dar as garantias de segurança exigidas pelos egípcios e israelenses.

Embora Israel alegue ter restabelecido, parcialmente, o abastecimento de água, aporta apenas menos de 4% do consumo anterior à guerra.

Imagens do hospital Al-Shifa, em Gaza, para onde foram levadas vítimas do ataque a outro hospital. — Foto: Anadolu via Reuters Connect

Busca por abrigo e socorro

No último dia 10, três depois do começo da guerra entre Hamas e Israel, os hospitais da Faixa de Gaza já estavam sobrecarregados. Na época, as estimativas eram de 765 palestinos mortos e outros 4 mil feridos.

Os bombardeios de Israel danificaram o hospital Beit Hanoun, no norte, e o serviço de medicina neonatal do hospital Al-Shifa.

O Ministério da Saúde da Faixa de Gaza alertou que a falta de material médico deve levar a uma catástrofe no território palestino, habitado por 2,3 milhões de pessoas. Oito hospitais “não são suficientes para responder às necessidades dos cidadãos”, ressaltou.

Muitas famílias que ficaram desabrigadas encontraram refúgio nos corredores do hospital Al-Shifa e em seus jardins. Após serem atendidas, não têm para onde ir.

“Minha casa foi totalmente destruída, assim como todas aqui”, diz Abu Ashour Sukayk, de 39 anos. “Foi uma noite sombria para mim, para a minha mulher e para as minhas crianças”.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

a-caminho-de-israel,-biden-enfrenta-lista-de-desafios-para-tentar-conter-avanco-do-conflito-no-oriente-medio

G1 Mundo

A caminho de Israel, Biden enfrenta lista de desafios para tentar conter avanço do conflito no Oriente Médio

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, está a caminho de Israel, onde irá se reunir com o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu nesta quarta-feira (18). A viagem de Biden tem uma série de desafios embalados por uma escalada nas tensões no Oriente Médio, que enfrenta o 12º dia de um conflito com mais de 4 mil mortos. O presidente dos Estados Unidos também visitaria a Jordânia após a passagem por Israel, […]

today18 de outubro de 2023 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%