G1 Mundo

‘Papa de Hitler’ ou ‘salvador dos judeus’?: quem foi Pio XII e por que seu papel na 2º Guerra segue polêmico

today25 de setembro de 2023 12

Fundo
share close

Essa frase atribuída ao líder indiano Mahatma Gandhi (1869-1948) ilustra perfeitamente a polêmica que durante décadas envolveu a figura de Eugenio María Giuseppe Giovanni Pacelli (1876-1958), que entre 1939 e 1958 ocupou o trono de São Pedro, no Vaticano, sob o nome de Pio XII, especialmente pelas suas ações durante a 2ª Guerra Mundial.

Na carta, o religioso relatava o que estava acontecendo em três campos de concentração (Belzec, Auschwitz e Dachau), para onde eram enviados judeus e opositores.

A descoberta da epístola confirma que altos funcionários do Vaticano, possivelmente incluindo o próprio papa, tinham há muito conhecimento do extermínio dos judeus nos territórios ocupados pelas forças de Adolf Hitler (1889-1945) e, apesar disso, não o denunciaram publicamente.



Esse silêncio é a razão pela qual muitos historiadores e setores da comunidade judaica consideram o falecido pontífice, que desde 2009 é um aspirante a santo, um cúmplice do Holocausto.

Mas o silêncio papal foi decorrente da indiferença de Pio XII ou foi parte de uma estratégia para evitar males maiores?

Em 2020, o papa Francisco ordenou a abertura de todos os arquivos relativos ao pontificado de Pio 12 para esclarecer dúvidas sobre ele — Foto: GETTY IMAGES via BBC

Durante os 19 anos de seu pontificado, Pio XII publicou 40 encíclicas e, embora oito tenham sido publicadas durante a guerra, nenhuma delas menciona a perseguição e o extermínio de judeus e outras minorias.

Uma das poucas menções públicas do papa ao genocídio perpetrado pelas forças de Hitler ocorreu na véspera de Natal de 1942, mesmo ano em que seu secretário recebeu a carta recém-encontrada.

“Este voto (a favor de um mundo mais justo) que a humanidade deve às centenas de milhares de pessoas que, sem culpa própria, às vezes apenas por razões de nacionalidade ou raça, se encontram destinadas à morte ou a uma aniquilação progressiva”, declarou Pio XII em um discurso no rádio, sem especificar qual grupo que estava sendo aniquilado.

Por quê? Não lhe interessava o destino dos judeus?

“Pio XII escolheu a política do silêncio para salvar vidas”, defende Dom Vicente Cárcel Ortí, autor do livro ‘Pio 12 (1939-1958): O papa defensor e salvador dos judeus’, à BBC News Mundo, o serviço de notícias em espanhol da BBC.

O historiador e pesquisador espanhol argumenta que o pontífice optou por não confrontar publicamente os nazistas para atingir dois objetivos:

  • Por um lado, não desencadear a raiva de Hitler e assim evitar que a perseguição contra judeus e católicos se intensificasse;
  • Por outro, lançar ao mesmo tempo uma operação humanitária nas sombras.

“O papa ordenou a abertura das igrejas, escolas, conventos e universidades de Roma para esconder os judeus romanos (…) ele permaneceu em silêncio, porque estava muito bem informado do que estava acontecendo na Europa ocupada, como confirma este documento que acabou de vir a público”, acrescenta Cárcel Ortí.

Pio 12 foi um anticomunista ferrenho e, por isso, não hesitou em saudar com “alegria” o triunfo de Francisco Franco na Guerra Civil espanhola — Foto: GETTY IMAGES via BBC

Segundo o especialista, o pontífice enviou núncios (embaixadores), bispos, padres e freiras para resgatar secretamente milhares de perseguidos. Alguns autores afirmam que até 900 mil pessoas conseguiram escapar dos campos de concentração graças a essa operação.

“Estas coisas foram feitas porque o papa deu ordens específicas para fazer todo o possível para salvar os judeus”, afirma Cárcel Ortí.

Andrés Martínez Esteban, professor de História da Igreja da Universidade de San Damaso, na Espanha, concorda.

Ele lembra que “nos arquivos do Vaticano há evidências que comprovam que quando Roma foi invadida (em 1943) pelo Exército nazista, foi pedido à comunidade judaica que entregasse uma certa quantidade de ouro, e o papa deu ordem às paróquias romanas para darem todo o ouro que tivessem e assim ajudarem os judeus a fazer o pagamento.”

No entanto, o pesquisador britânico John Cornwell rejeita essa tese e garante que há poucas evidências para sustentá-la.

“Não há dúvida de que muitos católicos — padres, freiras e fiéis — em toda a Europa ocupada salvaram muitos judeus, mas acho escandaloso que o Vaticano afirme que isso aconteceu graças às instruções do papa”, diz à BBC News Mundo o autor do polêmico livro ‘O Papa de Hitler’. “Há muito poucas evidências que indiquem que o papa tenha pedido aos seus subordinados que fizessem qualquer coisa para salvar os judeus da perseguição”, acrescenta.

Em 2009, o então Papa Bento 16 iniciou o processo de beatificação do polêmico Pio 12, decisão que foi criticada pela comunidade judaica — Foto: GETTY IMAGES via BBC

Vaticano vai abrir os arquivos do pontificado do Papa Pio XII

Vaticano vai abrir os arquivos do pontificado do Papa Pio XII

Tanto Cárcel Ortí como Martínez Esteban argumentam que o silêncio papal, em certa medida, ocorreu a pedido dos bispos alemães, holandeses ou poloneses, em meio às consequências que qualquer pronunciamento de uma autoridade eclesiástica acarretava.

“Quando os bispos holandeses publicaram uma carta em 1942 condenando a perseguição nazista aos judeus na Holanda invadida, o Exército alemão assaltou as igrejas e conventos, e Edith Stein foi detida lá”, recorda Martínez Esteban.

Stein, hoje mais conhecida como Santa Teresa Benedita da Cruz, era uma freira de origem judaica, que se converteu ao catolicismo e morreu no campo de concentração de Auschwitz, na Polônia.

Martínez Esteban afirma que Pio XII não poderia falar publicamente sobre o Holocausto porque havia graves ameaças contra a Igreja Católica em todo o mundo, mas particularmente nos territórios invadidos.

“Não esqueçamos que Roma foi invadida pelos nazistas”, diz ele.

Por sua vez, Cárcel Ortí defende haver documentos que comprovam que Hitler planejou invadir o Vaticano e prender Pio XII, e depois levá-lo prisioneiro para a Alemanha, tal como Napoleão Bonaparte fez com Pio VI dois séculos antes.

Cornwell, por sua vez, não só acredita que a atitude de Pio 12 durante a guerra foi questionável, mas mesmo antes do conflito.

“Suas ações antes da guerra foram muito favoráveis aos interesses nazistas”, diz ele.

“Ele negociou diretamente a Reichskonkordat (Concorda com o Reich), através da qual a Igreja Católica conseguiu continuar a desenvolver as suas atividades na Alemanha, especialmente mantendo as suas escolas abertas, mas em troca prometeu não interferir nos assuntos políticos”, lembra.

“Essa negociação implicou que os religiosos fossem proibidos de fazer qualquer crítica ao Estado alemão e graças a isso os jornais católicos, que eram muitos, também desapareceram”, explica.

Pio XII vinha de uma família romana, aristocrata, muito religiosa e com laços profundos com o papado: seu avô paterno ocupou um alto cargo na Secretaria de Finanças do Vaticano durante o pontificado de Pio IX e um de seus primos foi assessor de Leão XIII.

Segundo os seus defensores, Pio 12 não condenou publicamente o nazismo nem a perseguição aos judeus porque não queria agravá-la — Foto: GETTY IMAGES via BBC

Em 1899, ele foi ordenado sacerdote e embora nunca tenha realizado trabalho pastoral (numa paróquia), conseguiu ascender rapidamente.

Até a sua eleição como pontífice em 1939, o então cardeal Pacelli serviu como Secretário de Estado do Vaticano (cargo equivalente ao Ministro das Relações Exteriores no Brasil) e assumiu diretamente as negociações do acordo entre a Igreja e o novo governo nazista.

Isso porque na década anterior foi núncio naquele país.

Precisamente a sua experiência na Alemanha com os nazistas foi, segundo alguns autores, a razão pela qual os seus colegas cardeais o escolheram para chefiar a Santa Sé.

Eles acreditavam que suas habilidades diplomáticas serviriam para apaziguar a sede de guerra de Hitler.

O caso da freira de origem judaica Edith Stein é citado por especialistas como uma das consequências das críticas dos hierarcas católicos aos nazistas — Foto: GETTY IMAGES via BBC

Uma campanha fabricada pela KGB

No final da 2ª Guerra Mundial, a imagem do pontífice parecia imaculada e, após a sua morte em 1958, líderes judeus como Golda Meir, que na época era chanceler de Israel e viria se tornar premiê daquele país de 1969 a 1974, exaltavam a sua figura.

“Durante os dez anos de terror nazista, quando o nosso povo passou pelos horrores do martírio, o papa levantou a voz para condenar os perseguidores e solidarizar-se com as suas vítimas”, escreveu Meir.

Por outro lado, o rabino-chefe de Roma durante a guerra, Israel Anton Zoller, não só se converteu ao catolicismo em 1945, como foi batizado com o nome de Eugene em homenagem ao papa.

No entanto, isso mudou na década de 1960, quando o falecido escritor alemão Rolf Hochhuth publicou a sua obra ‘O Vigário’, na qual questionava o silêncio papal durante a guerra.

“Este escritor foi financiado pelos serviços secretos da antiga União Soviética (URSS), que lançaram uma campanha difamatória contra a Igreja Católica nos anos mais duros da Guerra Fria”, opina Cárcel Ortí.

Mas qual era a motivação de atacar um papa já morto?

Para o historiador, “Pio XII era anticomunista ferrenho e contra ele foi implementada (logo depois de sua morte) uma grande campanha para desacreditá-lo — chegaram a acusá-lo de ser colaborador dos nazistas, quando ele era exatamente o oposto”, diz o especialista.

Atribui-se a Pio XII a autoria da encíclica Mit brennender Sorge (“Com ardente preocupação”), publicada em 1937 por seu antecessor no cargo e na qual as políticas do regime nazista eram duramente condenadas.

Os especialistas acreditam que as dúvidas sobre as ações de Pio XII foram semeadas por uma campanha orquestrada pela KGB — Foto: GETTY IMAGES via BBC

Contudo, em abril de 1939, num discurso radiofônico, o pontífice mostrou o seu lado mais conservador ao declarar a sua “imensa alegria” pela vitória do general Francisco Franco (1892-1975) na Guerra Civil Espanhola contra os seus rivais republicanos e comunistas.

Para o bispo de Roma, o triunfo dos militares garantiu que a Espanha continuaria a ser um “bastião inexpugnável da fé” contra os “prosélitos do ateísmo materialista”.

Algunos autores afirman que el Papa se arrepentió toda su vida de no haber hecho más por los judíos. — Foto: GETTY IMAGES via BBC

Os especialistas ouvidos pela BBC News Mundo concordam que a decisão do papa Francisco de abrir todos os arquivos do papado de Pio XII não ajudará a resolver a controvérsia.

“Não vão esclarecer nem obscurecer nada, mas vão dizer o que já sabíamos e quem tem uma ideia pré-concebida dele não vai mudar de opinião”, diz Cárcel Ortí.

Para Martínez Esteban, no entanto, não há interesse real em investigar as ações de Pio XII.

Cornwell, por sua vez, tem uma visão diferente.

“Não há quase nada nos arquivos que indique o estado mental do papa ou o que ele pensava pessoalmente. Não existem cartas ou diários privados, portanto o que muitos pesquisadores estão fazendo é adivinhar ou presumir quais eram as intenções de Pio XII.

Quando um papa morre, é praxe queimar as suas cartas e diários privados.

E, embora em 2009 o polêmico pontífice tenha sido declarado “Venerável”, o seu processo de beatificação está paralisado, mas não só pela polêmica que o rodeia, mas porque até agora não foi identificado nenhum milagre que lhe possa ser atribuído, segundo autoridades eclesiásticas.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

quem-foi-messina-denaro,-chefe-da-mafia-italiana-‘cosa-nostra’

G1 Mundo

Quem foi Messina Denaro, chefe da máfia italiana ‘Cosa Nostra’

Apelidado pela imprensa italiana de "o último poderoso chefão", Denaro é apontado pela Promotoria da Itália como um dos três principais chefes do Cosa Nostra, a maior organização criminosa da Europa e uma das maiores do mundo, servindo de inspiração para a história do filme "O Poderoso Chefão". Segundo as investigações, Denaro, de 61 anos, costumava torturar prisioneiros da máfia e se vangloriava de "encher um cemitério inteiro". Em um […]

today25 de setembro de 2023 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%