G1 Mundo

Parlamento grego deve votar a legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo nesta quinta; igreja se mostra contrária à proposta

today15 de fevereiro de 2024 3

Fundo
share close

O parlamento grego votará nesta quinta-feira (15) para legalizar o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo. Essa é a primeira vez, segundo a agência de notícias norte-americana AFP, que um país cristão-ortodoxo votará o tema.

Uma pesquisa de opinião realizada com os moradores aponta que a maioria apoia a reforma proposta. O projeto de lei elaborado pelo governo de centro-direita do primeiro-ministro Kyriakos Mitsotakis é apoiado por quatro partidos de esquerda, incluindo o principal partido da oposição, Syriza.

Ou seja, na prática, isso pode garantir uma maioria confortável para a aprovação, quando a votação começar. Espera-se que vários parlamentares de esquerda se abstenham ou votem contra a reforma – mas não o suficiente para anular o projeto. Três pequenos partidos de extrema-direita e o Partido Comunista de inspiração soviética rejeitaram a proposta.



Na abertura do debate de dois dias, na quarta-feira (14), o Ministro de Estado Akis Skertsos argumentou que a maioria dos gregos já aceita a ideia de casamentos entre pessoas do mesmo sexo.

“Não estamos decidindo sobre mudanças nesta câmara”, disse ele. “Já aconteceu… A sociedade muda e se desenvolve sem exigir a permissão do parlamento.”

O projeto visa autorizar também que os parceiros tenham filhos. Mas impede os casais homossexuais de serem pais através de mulheres que oferecem barriga de aluguel.

A parlamentar representante do partido Nova Democracia, Maria Syrengela, disse que a reforma iria corrigir uma injustiça de longa data para os casais do mesmo sexo e os seus filhos.

As pesquisas mostram que, embora a maioria dos gregos concorde com casamentos entre pessoas do mesmo sexo, eles também rejeitam estender a paternidade por meio de barrigas de aluguel a casais do sexo masculino.

A principal oposição ao novo projeto de lei vem da Igreja tradicionalista da Grécia. Os religiosos afirmam que a proposta pode ferir os valores das famílias tradicionais.

O chefe da Igreja Ortodoxa da Grécia, Arcebispo Ieronymos, sugeriu na quarta-feira que a votação fosse realizada por chamada nominal. Isso permitiria que fosse visto como cada parlamentar votou.

Apoiadores da Igreja e organizações conservadoras organizaram pequenos protestos contra a lei proposta, e membros de grupos de extrema-direita convocaram uma manifestação em frente ao parlamento ainda na quinta-feira.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

conselho-de-seguranca-da-onu-deve-ter-‘pacifistas’,-e-nao-‘atores-que-fomentam-a-guerra’,-diz-lula

G1 Mundo

Conselho de Segurança da ONU deve ter ‘pacifistas’, e não ‘atores que fomentam a guerra’, diz Lula

"É preciso que tenha uma nova geopolítica na ONU. É preciso acabar com o direito de veto dos países. E é preciso que os membros do Conselho de Segurança sejam atores pacifistas, e não atores que fomentam a guerra", declarou Lula. As últimas guerras que nós tivemos, a invasão ao Iraque não passou pelo Conselho de Segurança da ONU, a invasão à Líbia não passou pelo Conselho de Segurança da […]

today15 de fevereiro de 2024 4

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%