G1 Mundo

‘Passaram-se duas semanas e ainda cheira a morte’, diz correspondente ao visitar casa em que avó e neta foram queimadas vivas em Israel

today19 de outubro de 2023 4

Fundo
share close

Um correspondente em Israel mostrou a destruição em um Kibutz de Israel, Nir Oz, que foi atacado pelo Hamas no primeiro dia da guerra, 7 de outubro. O jornalista português Henrique Cymermann, que tem mais de 20 anos de carreira em coberturas internacionais e vive em Israel desde a adolescência, mostrou a área destruída pelos terroristas.

Cymermann revelou que já conhecia a região anteriormente, por tê-la visitado meses atrás, e disse se tratar de um local onde viviam muitos brasileiros, argentinos, chilenos e latinos em geral. Ele revelou que no dia do ataque do Hamas, a vida transcorria normalmente com os moradores nas ruas até que todos foram surpreendidos pelo grupo terrorista armado, e correram para tentar se proteger.

“No dia 7 de outubro, o maior massacre que eu já vi na minha carreira, que tem mais de 25 anos, aconteceu uma tragédia”, contou.



“Aqui realmente não teve tempo. Eles correram para os seus refúgios e fecharam as suas portas. E na casa de uma senhora, Carmela, ela havia ficado com a sua neta, que é autista, a aguardar uma babá. Ela ficou com a menina e correu para o refúgio. Mas ela começou a ouvir vozes. O Hamas começou a invadir as casas”, relatou.

Cymermann segue com o relato sobre a casa destruída que mostrou.

“Eles perceberam que não podiam entrar, arrombaram a porta, e quando viram que não conseguiriam entrar no lugar onde estavam Carmela, eles jogaram uma granada. E quando viram que a granada começava a incendiar a casa, eles começaram a atear fogo. E Carmela e sua neta morreram queimadas vivas”, contou o jornalista.

Henrique revelou que a presença da imprensa é muito grande em Israel, e que a região da casa que exibiu ainda tinha corpos espalhados até o dia anterior. E depois que eles foram removidos, a presença da imprensa foi liberada.

“Devo dizer que cheira a morte aqui, é terrível. Estamos aqui há duas semanas, e ainda cheira a morte neste local”, relatou.

Henrique Cymermann, jornalista português que mora em Israel, mostra destruição em Kibutz — Foto: Reprodução/GloboNews




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

‘a-guerra-sera-longa’,-diz-netanyahu-ao-lado-do-primeiro-ministro-britanico;-mortes-passam-de-5-mil

G1 Mundo

‘A guerra será longa’, diz Netanyahu ao lado do primeiro-ministro britânico; mortes passam de 5 mil

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, afirmou nesta quinta-feira (19) que a guerra que seu país trava contra o grupo terrorista Hamas será longa. O número de mortos no conflito já passa de 5 mil: são 3.785 do lado palestino e 1.402 vítimas em Israel. "Esta é a guerra moderna contra os bárbaros, os piores do planeta. Será uma guerra longa", disse Netanyahu, durante pronunciamento ao lado do premiê britânico, […]

today19 de outubro de 2023 5

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%