G1 Mundo

Peixe é filmado a uma profundidade recorde de 8,3 mil metros no Japão

today1 de abril de 2023 24

Fundo
share close

A espécie – um tipo de peixe da família Liparidae e do gênero Pseudoliparis – foi filmada nadando a 8.336 metros de profundidade.

O animal foi registrado por uma câmera acoplada a uma estrutura metálica operada à distância e lançada na fossa oceânica de Izu-Ogasawara, ao sul do Japão.

O peixe filmado estava na profundidade máxima em que um peixe pode sobreviver ou muito próximo dela, segundo Alan Jamieson, professor da Universidade da Austrália Ocidental e principal pesquisador do estudo que registrou o bicho.



A observação anterior mais profunda de peixes foi feita a 8.178 metros, ao sul do Pacífico, na Fossa das Marianas. Esta descoberta no Japão, portanto, bate o recorde de profundidade em 158 m.

“Se esse novo recorde for quebrado, será apenas por pouquíssima diferença, potencialmente por apenas alguns metros”, disse Jamieson à BBC News.

Pesquisador das regiões mais profundas do oceano, Jamieson fez uma previsão há 10 anos de que peixes provavelmente seriam encontrados em profundidades de 8.200 m a 8.400 m. Uma década de pesquisas em todo o mundo confirmou essa previsão.

Peixe filmado a maior profundidade pode ser visto no canto esquerdo inferior da imagem — Foto: Minderoo-UWA Deep Sea Research Centre via BBC

O espécime jovem de Pseudoliparis foi filmado por um sistema de câmera acoplado a uma estrutura metálica e lançado pela lateral do navio DSSV Pressure Drop. Uma isca foi adicionada à estrutura para atrair a vida marinha.

Embora o peixe não tenha sido capturado para identificar exatamente qual era sua espécie, vários peixes foram capturados a uma profundidade um pouco menor na Fossa do Japão, a 8.022m.

Os peixes capturados também eram da família Liparidae, da espécie Pseudoliparis belyaevi, e estabeleceram o recorde para ‘peixe pescado em local mais profundo do oceano’.

Os peixes Liparidae são incríveis. Existem mais de 300 espécies, muitas das quais vivem em águas rasas e podem ser encontradas em estuários de rios.

Mas as espécies dessa família também se adaptaram às águas frias do Ártico e da Antártica e às condições de extrema pressão que existem nas fossas mais profundas do mundo.

A 8 km de profundidade, eles estão sob uma pressão de mais de 80 megapascais – 800 vezes a pressão na superfície do oceano.

Seus corpos gelatinosos os permitem sobreviver. Uma vantagem adicional é não ter uma bexiga natatória, um órgão cheio de gás encontrado em muitos peixes e usado para controlar a flutuabilidade – que sofreria com a alta pressão.

A forma como se alimentam também favorece a vida nas profundezas. Eles comem por sucção e consomem minúsculos crustáceos, muitos dos quais existem nas fossas do oceano.

O professor Jamieson diz que a descoberta de um peixe a uma profundidade maior do que o encontrado na Fossa das Marianas provavelmente se deve às águas ligeiramente mais quentes da fossa de Izu-Ogasawara.

“Nós previmos que o peixe em local mais profundo estaria lá e previmos que seria um Liparidae”, disse ele. “Fico frustrado quando as pessoas dizem que não sabemos nada sobre o fundo do mar. Nós sabemos. As coisas estão mudando muito rápido.”

Outros peixes foram filmados a uma profundidade um pouco menor — Foto: Minderoo-UWA Deep Sea Research Centre via BBC

Jamieson é o fundador do centro de pesquisa Minderoo-UWA Deep Sea. Nessa expedição, que também explorou a fossa de Ryukyu, ele trabalhou com uma equipe da Universidade de Ciência e Tecnologia Marítima da Universidade de Tokyo.

O navio DSSV Pressure Drop e seu submarino tripulável chamado Limiting Factor haviam sido usados pelo aventureiro americano Victor Vescovo em 2018 e 2019 para visitar as partes mais profundas dos cinco principais oceanos da Terra. O texano se tornou a primeira pessoa na história a completar esse “circuito”, e Jamieson atuou como principal cientista na empreitada.

O navio e o submarino foram vendidos no ano passado para a organização de pesquisa marinha Inkfish e agora foram enviados para uma reforma em San Diego.

Eles também foram renomeados – o navio agora é Dagon e o submarino é Bakunawa – e voltarão ao mar novamente em junho, com Jamieson novamente atuando como cientista-chefe.

Jamieson, que nasceu na Escócia, é creditado por descobrir não apenas os peixes em locais mais profundos dos oceanos, mas também os polvos, águas-vivas e lulas das profundezas.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

tornados-nos-estados-unidos-deixam-22-mortos;-video-mostra-motorista-no-meio-da-tempestade

G1 Mundo

Tornados nos Estados Unidos deixam 22 mortos; vídeo mostra motorista no meio da tempestade

"A maioria dos danos foi em casas e áreas residenciais", disse David Leckner, prefeito de Adamsville, no Tennessee, acrescentando que, embora pareça que todas as mortes foram contabilizadas, as equipes estavam indo de porta em porta para ter certeza. Sete estados no sul e meio-oeste do país foram atingidos pelas tempestades na sexta-feira (31). Mais de 530 mil casas e empresas na área afetada não tinham energia até o meio-dia […]

today1 de abril de 2023 11

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%