G1 Mundo

Peru: por que país, com 6 presidentes em 4 anos, é tão difícil de governar

today9 de dezembro de 2022 9

Fundo
share close

Pedro Castillo foi o último a cair, mas divide com seus antecessores mais recentes o pouco tempo que durou no cargo.

Sua sucessora, a recém-empossada Dina Boluarte, torna-se a primeira mulher presidente da história do Peru, mas também a sexta chefe do Estado peruano desde 2018.

Além de Boluarte e Castillo, também governaram o país nos últimos 4 anos Pedro Pablo Kuczynski, Martín Vizcarra, Manuel Merino e Francisco Sagasti.



Dina Boluarte é a primeira mulher presidente do Peru — Foto: AFP

A precariedade é tanta que muitos peruanos se distanciaram da política e de suas turbulências permanentes.

O que torna o Peru tão ingovernável?

Tensão contínua com Congresso

Uma constante se repetiu nos últimos anos: a batalha entre o Congresso e o presidente termina com a derrota deste último, que acaba deixando o poder. Castillo foi o mais recente.

Numa aparente tentativa de impedir a votação da moção de vacância contra ele no Congresso, Castillo surpreendentemente anunciou a dissolução do Congresso e a criação de um governo de exceção.

Mas, poucas horas depois, ignorando o anúncio presidencial, os parlamentares se reuniram e decretaram a destituição do presidente, que ficou nas mãos da Polícia e do Ministério Público, acusado ​​de rebelião.

A situação decorre da Constituição Política do Peru, aprovada em 1993, que estabelece que a Presidência da República fica vaga por “incapacidade temporária ou permanente do presidente, declarada pelo Congresso”.

Isso abriu as portas para uma espécie de espada de Dâmocles que paira permanentemente sobre a cabeça do presidente e que pode cair sobre ele assim que os 87 votos exigidos forem reunidos no Congresso.

Foi o que aconteceu agora com Castillo, com Vizcarra em 2020 e quando Alberto Fujimori fugiu para o Japão em 2000, e o Congresso teve que declarar sua destituição.

Alberto Fujimori foi destituído em 2000 após fugir para o Japão — Foto: GETTY IMAGES

Essa peculiaridade constitucional explica por que os presidentes peruanos têm uma fragilidade tão grande no cargo.

Os sucessivos Congressos perceberam que o processo de vacância lhes dá a possibilidade de demitir o presidente e não hesitaram em usá-lo.

A ponto de haver especialistas que apontam que o sentido original foi distorcido.

Omar Cairo, professor de Direito Constitucional da Pontifícia Universidade Católica do Peru, aponta que o Peru é o único país do mundo que tem o instituto da vacância por incapacidade moral.

“Mas a incapacidade moral, que está nas Constituições peruanas desde 1839, aludia no século 19 à incapacidade mental do presidente”, disse à à BBC News Mundo, serviço em espanhol da BBC.

“Agora, sempre que os congressistas considerarem o presidente imoral, eles podem destituí-lo a seu critério apenas com a força dos votos, e esse termo ‘imoral’ é uma coisa muito efervescente hoje em dia.”

E a isso se soma a crescente fragmentação experimentada pelas forças políticas peruanas nos últimos anos.

Martín Vizcarra caiu em 2020 — Foto: GETTY IMAGES

Cairo explica que “o Parlamento não é formado por blocos parlamentares sólidos, mas por uma multidão de pequenos grupos que respondem mais a interesses particulares do que a programas ou ideologias, e isso torna muito difícil para os presidentes obter apoio no Congresso”.

Dessa forma, o sistema peruano se configura como uma raridade no mapa dos sistemas políticos latino-americanos, onde predominam os regimes presidencialistas.

“O Peru não é um regime parlamentarista como o britânico ou o espanhol, em que o primeiro-ministro ou o presidente do governo é eleito pelos deputados no Parlamento, mas o presidente é eleito diretamente pelos votos do povo nas eleições, enquanto a existência da vacância permitiu um mecanismo discricionário para depor o presidente que não existe em outros países da nossa região.”

O presidente peruano mantém alguns poderes que não o deixam totalmente à mercê do Congresso e também ajudam a explicar por que o Executivo e o Legislativo vivem em permanente tensão no Peru.

Segundo a Constituição, o presidente pode dissolver o Congresso se este negar duas vezes a confiança no Executivo.

A tentativa final de Castillo de permanecer no poder incluiu anunciar a dissolução do Congresso, entre outras medidas excepcionais consideradas inconstitucionais pela maioria dos analistas e pelo Ministério Público e que levaram à sua prisão.

Desta forma, ele imitou Alberto Fujimori, um ex-presidente duramente criticado por Castillo e muitos de seus seguidores que, em 1992, ordenou o fechamento do Congresso.

Castillo foi preso após tentar dissolver o Congresso — Foto: GETTY IMAGES

Em novembro passado, Castillo assegurou que o Congresso havia negado a ele confiança por sua posição contra uma lei de referendos no país.

Uma segunda recusa lhe teria permitido dissolver o Parlamento.

Mas o Congresso negou que mesmo aquela suposta primeira negação de confiança tivesse ocorrido e apelou para a Corte Constitucional, que concordou provisoriamente com ela.

Foi a última disputa entre o Congresso e Castillo antes da batalha final que terminou com ele fora da Presidência. E, mesmo com uma nova presidente, esta briga dificilmente terá sido a última.

O que pode acontecer entre Dina Boluarte e o Congresso

A nova presidente, Dina Boluarte, inaugurou seu mandato pedindo uma “trégua” no Congresso e a construção de “um governo de unidade nacional”.

Mas, embora hoje a maioria dos congressistas tenha votado para derrubar Castillo e torná-la a nova chefe de Estado, não está claro se ela terá o apoio necessário para formar um governo estável.

Boluarte não tem uma bancada que a apoie no Legislativo.

Para Cairo, sua Presidência corre o risco de ser marcada pela mesma incerteza de seus antecessores. “Com a vacância em termos tão vagos quanto atualmente, é provável que ele sofra o mesmo destino.”

Presidentes do Peru nos últimos 32 anos — Foto: g1




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

brittney-griner,-jogadora-de-basquete-dos-eua-que-estava-presa-na-russia,-ja-esta-no-aviao-em-direcao-ao-pais-dela

G1 Mundo

Brittney Griner, jogadora de basquete dos EUA que estava presa na Rússia, já está no avião em direção ao país dela

Brittney Griner ficou 10 meses presa. Ela chegou a ser condenada por tráfico de drogas (ela levou óleo de maconha para fumar em um vape; a atleta jogava parte do ano na Rússia). Antes da troca, ela estava cumprindo a pena em uma colônia penal russa. Brittney Griner, estrela do basquete americano, é solta na Rússia, em troca da libertação de traficanet de armas O avião dela foi para os […]

today9 de dezembro de 2022 25

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%