G1 Mundo

Pilotos de avião com 379 pessoas que se chocou com outro no Japão não notaram incêndio, segundo investigações

today4 de janeiro de 2024 13

Fundo
share close

A colisão aconteceu na terça-feira (2) no aeroporto de Haneda, na capital japonesa, e provocou uma explosão instantânea em ambas as aeronaves e uma bola de fogo na pista onde houve o choque.

Cinco dos seis ocupantes da aeronave da Guarda Costeira morreram, mas todos os 379 ocupantes do voo da Japan Airlines sobreviveram.

No entanto, segundo a TV pública NHK, os pilotos da Japan Airlines não estavam cientes do incêndio antes de serem informados pela tripulação. O chefe dos comissários de bordo relatou o fogo à cabine de comando e pediu permissão para abrir as saídas de emergência, informou a emissora.



Também nesta quinta, as investigações apontaram um novo indício que pode ajudar a esclarecer por que houve a colisão.

Segundo um boletim de reguladores dos Estados Unidos sobre o aeroporto de Haneda feito antes da colisão de terça-feira, uma faixa inteira de semáforos da pista onde houve o choque estava fora de serviço, e havia um aviso aos pilotos sobre a falha.

Isso poderia explicar por que a aeronave da Guarda Costeira estava parada na pista mesmo antes de receber permissão para decolar. Segundo a Guarda Costeira, o piloto da aeronave – o único sobrevivente entre os seis tripulantes e internado em estado grave – relatou ter recebido permissão para taxiar na pista.

Na quarta-feira (3), o órgão que conduz as investigações confirmou, através da transcrição do diálogo com a torre de comando, que o avião da Japan Airlines recebeu autorização para pousar na mesma pista, como havia alega a companhia no dia da colisão.

O diálogo também sugere, segundo disseram os investigadores à imprensa, que o avião da Guarda Costeira foi instruído a ficar próximo à pista.

Avião da Japan Airlines pega fogo em aeroporto de Tóquio no dia 2 de janeiro de 2024 — Foto: GloboNews/Reprodução

Logo após o pouso, a aeronave começou a se encher de fumaça, com bebês chorando e passageiros implorando para que abrissem as portas. A evacuação começou em dois tobogãs na frente da aeronave.

A JAL indicou que havia apenas uma saída adicional, na parte traseira esquerda, que estava a salvo do fogo, mas a comunicação interna não estava funcionando, então os pilotos não podiam autorizar seu uso.

Os comissários consideraram urgente desembarcar os passageiros pela porta traseira, então a abriram sem permissão, conforme treinados.

Demorou 18 minutos para que todos os passageiros deixassem a aeronave, sendo o piloto o último a sair.

Logo depois, o avião foi engolido pelo fogo, e dezenas de caminhões de bombeiros tentaram apagar as chamas, o que levou oito horas.

“Honestamente, pensei que não sobreviveria. Eu escrevi para minha família e amigos dizendo que meu avião estava em chamas”, contou uma passageira à NHK.

“Os passageiros pareceram seguir as instruções ao pé da letra”, comentou Terence Fan, um especialista na indústria aérea, à AFP.

Aeronave da Japan Airlines pega fogo em aeroporto de Tóquio no dia 2 de janeiro de 2024 — Foto: Issei Kato/Kato

Investigadores do Japão, França, Reino Unido e Canadá analisavam nesta quinta-feira o acidente, com os destroços carbonizados de ambas as aeronaves em uma das pistas do Aeroporto de Haneda.

Transcrições das comunicações dos controladores de tráfego aéreo divulgadas pela imprensa revelaram que a torre de controle havia aprovado o pouso do voo da JAL.

No entanto, a aeronave da Guarda Costeira teria sido instruída a se dirigir a outra parte da pista, mas não o fez.

VÍDEOS: mais assistidos do g1




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

juiza-e-atacada-apos-negar-liberdade-condicional-a-reu-nos-eua

G1 Mundo

Juíza é atacada após negar liberdade condicional a réu nos EUA

Agente do tribunal também ficou ferido no ataque. Acusado havia se declarado culpado anteriormente. Juíza é atacada após declarar sentença em tribunal dos EUA A juíza Mary Kay Holthus foi atacada após negar o pedido de liberdade condicional de um réu em um tribunal de Nevada, nos Estados Unidos. O episódio aconteceu na quarta-feira (3) durante uma audiência de sentença e um oficial também ficou ferido. Em uma gravação, é […]

today4 de janeiro de 2024 23

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%