G1 Santos

PM matou 14 pessoas no estado de SP após Tarcísio dizer ‘tô nem aí’ para denúncias de irregularidades em operação no litoral

today15 de março de 2024 3

Fundo
share close

É o que aponta levantamento feito pela GloboNews com base em dados do Grupo de Atuação Especial da Segurança Pública e Controle Externo da Atividade Policial (Gaesp), do Ministério Público do Estado de São Paulo.

“E aí o pessoal pode ir na ONU, pode ir na Liga da Justiça, no raio que o parta, que eu não tô nem aí”. (Veja no vídeo abaixo)

Em entrevista à GloboNews, o ouvidor das policias, Claudio Silva, afirma que tem recebido uma série de denúncias e reclamações de moradores da região e que já existem testemunhas protegidas. Ele espera que o MP faça a melhor apuração possível.



'O que a gente tem vivenciado na Baixada Santista é algo que jamais ocorreu naquele território', diz ouvidor da Polícia de SP

‘O que a gente tem vivenciado na Baixada Santista é algo que jamais ocorreu naquele território’, diz ouvidor da Polícia de SP

“A gente tem documento que determina que pessoas cegas foram colocadas em cenas de crime como pessoas que teriam atacado a corporação policial. Pessoas que usavam muletas, precisavam do amparo de muletas para se movimentar, também foram colocadas em cena de crime como se tivessem trocado tiros com a polícia.”

“O que a gente tem vivenciado na Baixada Santista é algo que jamais ocorreu naquele território”.

As 14 mortes registradas entre os dias 9 e 13 superam as 11 mortes cometidas por PMs ao longo dos oito primeiros dias deste mês, incluindo a data da declaração de Tarcísio (8 de março).

A manifestação do governador em apoio à Operação Verão completa uma semana nesta sexta-feira (15).

Governador Tarcísio de Freitas sobre denúncias da Operação Verão: 'Tô nem aí'

Governador Tarcísio de Freitas sobre denúncias da Operação Verão: ‘Tô nem aí’

A Secretaria Estadual da Segurança Pública disse, em nota, que “as forças de segurança do estado de São Paulo são instituições legalistas que atuam no estrito cumprimento do seu dever constitucional”

A PM matou 25 pessoas entre os dias 1° e 13 de março no estado de São Paulo, segundo dados do Gaesp.

Todas as mortes foram cometidas por policiais em serviço. Esse número representa um aumento de 67% em relação às mortes cometidas por PMs no mesmo período de 2023, primeiro ano do governo Tarcísio, quando houve 15 mortes.

Os dados também apontam uma letalidade em alta no estado, fenômeno puxado pela Operação Verão, que do dia 3 até esta sexta (15), contabiliza 47 mortes na Baixada Santista.

Todas essas 45 mortes da Operação Verão foram registradas após o assassinato do soldado da Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota), morto com um tiro no rosto desferido por um criminoso durante patrulhamento numa favela em Santos.

Depois do assassinato do PM da Rota, o governo do estado anunciou uma nova fase da Operação Verão, iniciada em dezembro de 2p23, com reforço do policiamento na Baixada Santista.

O que diz o governo de SP

A GloboNews questionou as Secretarias de Comunicação e da Segurança Pública, da gestão Tarcísio de Freitas, para comentarem os dados descritos ao longo desta reportagem.

Em resposta, a Secretaria da Segurança Pública enviou a seguinte nota:

“As forças de segurança do Estado de São Paulo são instituições legalistas que atuam no estrito cumprimento do seu dever constitucional. As mortes em confronto são consequência direta da reação dos criminosos diante da ação da polícia no combate à criminalidade, que somente na Baixada Santista resultou na prisão de importantes líderes de facções criminosas, por meio da Operação Verão. Todos os casos de MDIP são rigorosamente investigados pelas polícias Civil e Militar, com acompanhamento da respectiva corregedoria, Ministério Público e Poder Judiciário”

Nas últimas semanas, a ONG Conectas e a Comissão Arns denunciaram o que chamam de “operações letais e escalada da violência policial na Baixada Santista, em São Paulo, promovida pelo governador”. A denúncia foi feita durante a 55ª Sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra (Suíça).

“O governador Tarcísio de Freitas promove atualmente uma das operações mais letais da história do estado: a Operação Escudo”, afirmou Camila Asano, da Conectas, na denúncia (leia mais abaixo).

Na mesma coletiva em que minimizou as denúncias, Tarcísio afirmou que estado irá investigar os casos.

Tem uma questão de denúncia, vamos investigar. Agora, nós precisamos de fato saber o que realmente aconteceu. Não há nenhum interesse da nossa parte em confrontar ninguém. Nós tínhamos lá na baixada uma série de barricadas que foram removidas. Locais em que o poder público não entrava. Hoje a gente retirou todas as barricadas. A gente está restabelecendo a ordem. Não existe progresso sem ordem.”

Documentos e testemunhas indicam fraude da PM em mortes na Baixada Santista

Documentos e testemunhas indicam fraude da PM em mortes na Baixada Santista

As suspeitas de irregularidades são investigadas pelo Ministério Público de SP. Os promotores vão colher os prontuários médicos e identificar os socorristas para saber como esses transportes ocorreram.

Quando o corpo é retirado do local do crime, o trabalho da perícia fica prejudicado, e é difícil constatar, por exemplo, se houve um homicídio ou uma Morte Decorrente de Intervenção Policial (MDIP) — quando alguém é baleado em confronto com a polícia, segundo especialistas em segurança pública ouvidos pelo g1.

De acordo com promotores e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, a retirada dos corpos, se for confirmada, pode ser enquadrada como crime de fraude processual. A pena prevista na lei é de três meses a dois anos de detenção, e multa.

Para a reportagem, o g1 teve acesso, com exclusividade, a dez boletins de ocorrência que se referem a 17 das 39 mortes ocorridas durante a operação da PM.

Nos dez registros, a polícia alega que os mortos eram criminosos e que foram baleados por estarem armados. No caso de 12 pessoas mortas, há a informação de que elas foram socorridas e levadas com vida ao pronto-socorro, onde teriam morrido.

Com pequenas variações, a informação presente nos boletins obtidos pelo g1 é a seguinte: “Os policiais foram recebidos a tiros e houve confronto. Um suspeito foi atingido e levado ao Pronto-Socorro, mas não resistiu”.

Relatos de funcionários do sistema de saúde de Santos, no entanto, diferem do que está escrito nos boletins.

O porta-voz da PM de São Paulo, Émerson Massera, afirmou, em entrevista ao g1 e à TV Globo, que as denúncias e os diálogos com os socorristas serão analisados.

“As notícias que foram relatadas, que foram trazidas, vão ser analisadas, os diálogos com socorristas. Para que a gente consiga identificar as causas e identificar os motivos e se houver necessidade de adotar providências pelos fatos que já ocorreram serão adotados”, disse.

“A perícia num local de crime é fundamental para a resposta, até no sentido de responsabilizar quem cometeu aquele crime. Uma violação de local de crime acaba atrapalhando toda a cadeia de provas. Isso é péssimo para a Polícia Militar, para o sistema de Justiça. Isso é péssimo para manter o local de crime preservar o local de crime de modo que a perícia consiga fazer o seu trabalho é fundamental para o ciclo de polícia e para o ciclo também de percepção criminal. Então, nossa preocupação é grande, é um problema que nós refutamos da máxima gravidade e temos o máximo interesse também em fazer com que o local continue sendo preservado, até que a perícia faça todo o seu trabalho”, completou.

Mortos pela PM são levados para hospitais sem vida, dizem funcionários do Samu de Santos

Mortos pela PM são levados para hospitais sem vida, dizem funcionários do Samu de Santos

Pedido à ONU para encerrar operação

De acordo com o documento enviado à ONU, há “indícios da não preservação das cenas dos crimes, bem como a repetição da versão policial em todas as ocorrências com morte: que os suspeitos portavam drogas, atiraram e que teriam sido socorridos ainda com vida. Nesse contexto, a ausência de corpos nas cenas de crimes impossibilitaria que a perícia coletasse provas técnicas”.

A Operação Verão acontece todos os anos nas cidades litorâneas paulistas para prevenir a criminalidade durante os meses em que as praias da região ficam lotadas de turistas. Desta vez, começou em 18 de dezembro.

Até março, a polícia prendeu 825 pessoas e apreendeu 580 quilos de drogas, números semelhantes aos que ocorreram em 2023, 2022 e 2021. Diferentemente dos anos anteriores da operação, em que ninguém morreu, desta vez, 39 pessoas foram mortas.

Não há previsão de a Operação Verão acabar.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

pms-acusados-por-executar-bandido-desarmado-sao-liberados-para-voltar-ao-trabalho

G1 Santos

PMs acusados por executar bandido desarmado são liberados para voltar ao trabalho

A morte que resultou na prisão dos três PMs aconteceu em 15 de junho de 2022. Na ocasião, quatro policiais estavam em serviço e atenderam a uma ocorrência sobre três homens que haviam invadido e roubado uma casa em Bertioga (SP). Os suspeitos fugiram e, durante a perseguição, que prosseguiu até Guarujá (SP), um deles morreu e outro foi baleado. A decisão da 3ª Vara Criminal de Guarujá foi tomada […]

today15 de março de 2024

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%