G1 Mundo

Polêmica reforma judicial de Netanyahu supera primeira etapa no Parlamento de Israel

today14 de março de 2023 12

Fundo
share close

O texto foi aprovado na Kneset (Parlamento) por 61 votos a favor e 52 contrários. O projeto ainda precisa ser aprovado em segunda e terceira votações para virar lei.

Se for adotado, o projeto permitirá aos parlamentares anular decisões do Supremo Tribunal com uma maioria simples de 61 dos 120 integrantes da Câmara.

A medida também dificultará que o principal tribunal do país anule leis que considere contrárias às Leis Básicas, o equivalente a uma Constituição em Israel, ao exigir o apoio de 12 dos 15 juízes.



Antes de aprovar o texto, os deputados também adotaram em primeira votação uma lei que limita as possibilidades de processo de destituição contra o primeiro-ministro.

O governo de Netanyahu alega que as reformas são necessárias para limitar a interferência judicial, mas milhares de manifestantes protestaram nas ruas porque acreditam que o projeto ameaça a democracia liberal de Israel, ao enfraquecer o sistema de freios e contrapesos.

O país registra dez semanas de protestos. Ativistas organizaram uma manifestação nesta terça-feira diante das sedes dos ministérios em Jerusalém, o que impediu a entrada por alguns minutos dos funcionários.

“Parem a corrida para uma ditadura messiânica e comecem a trabalhar pela democracia”, gritaram os manifestantes antes da detenção de 10 pessoas pela polícia.

O governo de Netanyahu, em coalizão com partidos ultraortodoxos e de extrema-direita, apresentou o projeto de reforma judicial em janeiro.

Os críticos afirmam que o pacote limita o poder da Justiça diante dos políticos e protege Netanyahu, que enfrenta várias acusações de corrupção. Netanyahu e seu ministro da Justiça argumentam que as mudanças são necessárias para restabelecer o equilíbrio de poder entre os políticos eleitos e os juízes não eleitos do poderoso Supremo Tribunal.

As reformas também dariam à coalizão de governo mais poderes para designar juízes.

O presidente de Israel, Isaac Herzog, que tem um papel em grande parte protocolar, tentou atuar como mediador em um diálogo sobre o projeto, que divide profundamente a política e a sociedade do país.

Herzog advertiu na segunda-feira que a “crise constitucional e social” prejudica o país e pode ter “consequências diplomáticas, econômicas, sociais e de segurança”.

O líder da oposição, Yair Lapid, um ex-primeiro-ministro centrista, se nega a participar em um diálogo até que a coalizão governista suspenda seus esforços para transformar a reforma em lei.

Um grupo de acadêmicos pretende apresentar ao Parlamento uma versão de consenso das reformas para “evitar o caos constitucional”.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

homem-que-passou-mais-tempo-no-corredor-da-morte-no-mundo-ganha-direito-a-novo-julgamento

G1 Mundo

Homem que passou mais tempo no corredor da morte no mundo ganha direito a novo julgamento

Iwao Hakamada, agora com 87 anos, é o condenado à morte mais antigo do mundo, de acordo com a Anistia Internacional. Ele foi sentenciado em 1968 por assassinar seu chefe, a esposa dele e seus dois filhos em 1966. O ex-boxeador profissional confessou o crime após 20 dias de interrogatório durante o qual disse ter sido espancado. Posteriormente, ele recuou na confissão. Grupos de direitos humanos criticam o sistema judicial […]

today14 de março de 2023 12

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%