G1 Mundo

Polícia e manifestantes entram em confronto no primeiro protesto contra Milei em Buenos Aires

today20 de dezembro de 2023 14

Fundo
share close

O conflito durou pouco e um policial ficou ferido.

A ação policial aconteceu dias após a administração de Milei anunciar um protocolo antipiquetes e ameaçar cortar os benefícios sociais de manifestantes que bloqueiem vias e pontes durante protestos (leia mais abaixo).

Polícia e manifestantes entram em confronto no primeiro protesto contra Milei em Buenos Aires — Foto: Reuters



A mobilização também homenageou o 22º aniversário de um protesto em 2001 contra o governo do então presidente Fernando de la Rua que deixou dezenas de mortos devido à repressão policial.

Quando os protestos começaram, por volta das 16h, Milei estava na sede da polícia nacional para monitorar a primeira operação antipiquetes. Os oficiais buscavam garantir a circulação do trânsito enquanto os manifestantes se direcionavam para a Praça de Maio, ponto importante da capital argentina.

Reação das autoridades argentinas

À noite, Patricia Bullrich, ministra da Segurança, estimou que o número manifestantes no protesto de quarta foi menor que o habitual para os padrões portenhos.

“É evidente que a maioria das pessoas decidiu não comparecer hoje à marcha prevista ou ao fechamento de ruas, porque a média que temos tido em geral neste tipo de piquete é uma média entre 20.000 e 50.000 pessoas”, afirmou ela em comunicado à nação.

O número de manifestantes que compareceram ao ato ainda não foi divulgado pelas autoridades.

Ainda segundo a ministra, um número recorde de pessoas ligou para a linha 134, ativada pelo governo de Milei para que beneficiários de planos sociais possam denunciar caso sejam coagidos a participar de protesto sob ameaça de cancelamento do benefício.

“Tivemos mais de 10 mil ligações (…) para o 134 para denunciar pressões e extorsões. Muitos deles deixaram os nomes das pessoas que os extorquem, isso terá uma resposta muito clara da nossa parte e esperamos que a Justiça atue”, afirmou Bullrich.

Horas antes do início do protesto, o policiamento foi reforçado em diversos pontos de Buenos Aires e nas entradas da capital, como em estações ferroviárias, por onde chegaram manifestantes de cidades próximas. Com autorização do Ministério da Segurança, os oficiais revistaram passageiros a bordo de transportes coletivos.

“Hoje tivemos uma operação digna de uma guerra e de um estado de sítio na Argentina contra o que é uma manifestação pacífica”, afirmou Eduardo Belliboni, representante do Polo Obrero (PO), um dos principais organizadores da marcha, à AP. “Desde a manhã [o governo] está aterrorizando a população que, no entanto, está chegando em massa.”

O líder do Polo Obrero disse que os manifestantes não queriam qualquer tipo de confronto com as autoridades, mas explicou que os participantes do protesto iriam se mobilizar pelas ruas. “É onde as pessoas se movimentam em todas as partes do mundo. Onde vamos colocar 50 mil pessoas?”, disse.

As medidas para tentar conter o protestos

No dia 14 de dezembro, a ministra de Segurança, Patricia Bullrich, anunciou um novo protocolo antipiquetes em que determina que as forças federais e o serviço penitenciário federal intervirão diante de piquetes e bloqueios, sejam parciais ou totais, de acordo com os códigos processuais vigentes.

“Se houver crime em flagrante, eles poderão intervir. Os crimes serão apurados de acordo com o artigo 194 do Código Penal e as forças federais poderão intervir em flagrante”, explicou.

O protocolo também determina que, no caso de bloqueio de vias durante protestos:

  • As autoridades atuarão até todas as ruas e pontes bloqueadas serem liberadas. Para isso, a mínima força necessária será utilizada.
  • Os responsáveis pelos bloqueios serão identificados, assim como cúmplices e instigadores, e suas informações serão enviadas para as autoridades competentes. Veículos utilizados em piquetes também serão assinalados.
  • As organizações sociais responsáveis pelos protestos deverão arcar com os custos das operações de segurança.
  • Um juiz competente será notificado se as ações resultarem em danos ambientais.
  • A participação de crianças e adolescentes resultará na notificação das autoridades e serão impostas sanções aos acompanhantes dos menores de idade.
  • Manifestantes estrangeiros com residência provisória serão identificados e suas informações serão enviadas para a Direção Nacional de Imigração da Argentina.
  • As organizações que participarem frequentemente na criação de piquetes serão colocadas em uma lista do governo.

“Os únicos que não vão receber benefícios sociais são os que forem à marcha e fecharem a rua. O presidente já disse ‘quem corta, não recebe'”, afirmou a ministra.

Cortar programas sociais de quem bloqueia as ruas durante manifestações foi promessa de campanha de Milei, que repetiu o slogan “el que corta no cobra” (“quem corta, não recebe”). O bordão contraria o lema “viva la libertad, carajo” (“viva a liberdade, caralho”), também usado pelo político.

Os anúncios foram repreendidos por políticos, sindicatos e organizações humanitárias, que denunciaram as medidas perante a ONU e a Comissão Interamericana de Direitos Humanos. Segundo eles, o governo da Argentina procura criminalizar o direito de protestar que é reconhecido na Constituição do país e em tratados internacionais de direitos humanos.

Manifestações na Argentina

A polícia de choque remove manifestantes da rua durante a primeira manifestação contra o novo governo de Javier Milei em Buenos Aires, em 20 de dezembro de 2023. — Foto: Luis ROBAYO / AFP

As manifestações públicas são atitudes comuns entre a população argentina, principalmente nos últimos anos. Muitas vezes concentradas no centro de Buenos Aires, as revoltas populares servem como uma forma de indicativo ao governo sobre o reflexo dos seus planos na sociedade.

Segundo um levantamento da consultoria Diagnosis Poítico divulgado pelo jornal “Clarín”, só em novembro de 2023 ocorreram 568 piquetes em todo o país. O recorde foi registrado em agosto deste ano: 882 interdições.

Um dos principais grupos revoltosos é o Polo Obrero — formado por trabalhadores, desempregados e pessoas de baixa renda — que, inclusive, organiza uma manifestação em todo o país para o dia 20 de dezembro.

No entanto, uma pesquisa do Observatório de Psicologia Social Aplicada da Universidade de Buenos Aires aponta que 65% dos argentinos são favoráveis a proibir os piquetes. Foram ouvidas mais de 4.200 pessoas, entre 11 e 12 de dezembro.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

governo-milei-fala-em-‘controles-preventivos’,-entra-em-onibus-e-revista-passageiros-para-tentar-sufocar-protestos-desta-quarta-em-buenos-aires

G1 Mundo

Governo Milei fala em ‘controles preventivos’, entra em ônibus e revista passageiros para tentar sufocar protestos desta quarta em Buenos Aires

O protesto está previsto para começar às 16h (horário de Brasília). Os oficiais cercaram a Casa Rosada, sede da presidência da Argentina, e se distribuíram nos pontos de maior movimentação da capital, como estações ferroviárias e praças públicas. A ordem do Ministério da Segurança permite que policiais parem transportes coletivos, entrem e revistem os passageiros — o que vem sendo feito. A medida é vista como uma forma de sufocamento […]

today20 de dezembro de 2023 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%