G1 Mundo

Ponte de Baltimore: o que contribuiu para desabamento

today28 de março de 2024 6

Fundo
share close

Uma grande extensão da ponte de 2,4 km de comprimento desabou imediatamente, e oito operários que trabalhavam no local no momento da colisão caíram na água. Dois foram resgatados no mesmo dia, os corpos de outros dois recuperados na quarta-feira — e as buscas continuam pelos outros quatro, todos dados como mortos.

O incidente fechou um importante porto dos EUA, levantando receios de que pode haver repercussões nas cadeias de abastecimento globais.

Investigadores estão apurando a causa do acidente. O gravador de dados do navio foi recuperado e pode ajudar a esclarecer o que deu errado.



Mas especialistas dizem que uma série de fatores — desde o possível uso de combustível de má qualidade que levou a uma queda de energia ou até mesmo a ponte ter sido projetada para navios muito menores — podem ter contribuído para o desabamento.

Navio começou a desviar dois minutos antes de impacto

Navio começou a desviar dois minutos antes de impacto

Um vídeo do incidente mostra o Dali perdendo potência momentos antes da colisão. Uma queda de energia pode ter feito com que a tripulação do navio perdesse o controle da sua direção, tornando-os incapazes de controlar sua trajetória.

Os investigadores estão apurando se o possível uso de combustível contaminado pode ter desempenhado um papel na falta de energia do navio. Combustível impuro pode gerar problemas nos motores e na geração de energia de uma embarcação.

“A embarcação ficou inoperante, sem energia para direção e sem eletrônicos”, um oficial disse à rede americana Fox News.

“Um dos motores engasgou e depois parou. O cheiro de combustível queimado estava por toda parte na sala de máquinas, e estava escuro como breu.”

Assim que ficou sem energia, o navio seguiu descontroladamente em direção à ponte. Os esforços da tripulação para mitigar o impacto, incluindo a direção brusca para o porto e o lançamento da âncora, acabaram se revelando inúteis.

“Este é um navio realmente grande. E o momento linear e a energia associados a esse navio se movendo mesmo a apenas alguns quilômetros por hora, são tremendos”, afirma Sanjay Raja Arwade, professor de engenharia civil na Universidade de Massachusetts Amherst, nos EUA.

Em entrevista coletiva na terça-feira, o secretário de Transportes, Pete Buttigieg, disse que a Key Bridge, como é conhecida a ponte, “simplesmente não foi feita para suportar um impacto direto num pilar de suporte crítico de um navio que pesa cerca de 90,7 milhões de quilos”.

Uma ponte do século passado, e um navio deste século

A ponte Francis Scott Key ficou pronta em 1977. Na época, os navios para os quais ela teria sido projetada para dar passagem eram muito menores do que os gigantes de hoje, incluindo o Dali, de 95 mil toneladas brutas.

“Os navios que cruzavam o porto de Baltimore naquela época nem sequer se comparam”, afirma Norma Jean Mattei, ex-presidente da Sociedade Americana de Engenheiros Civis.

“A vida útil do projeto é tão longa — às vezes, mais de 100 anos — que as demandas da estrutura podem mudar de maneiras difíceis de prever no momento da concepção do projeto e da construção”, explica Arwade.

Segundo ele, os engenheiros civis muitas vezes pensam em tornar as estruturas que projetam redundantes, o que significa que uma parte pode falhar sem que toda a estrutura desabe. Mas projetar redundância em pilares que sustentam uma ponte de longa extensão seria “extremamente difícil ou impossível”.

Ele acrescenta que outros recursos de segurança, que poderiam ter ajudado, teriam um custo, além de uma eficácia limitada.

Especialistas disseram que aparentemente foram instaladas barreiras de proteção perto da ponte, mas não impediram que o navio a derrubasse.

Parece também que a ponte não tinha “para-choque” — uma camada adicional de proteção ao redor dos pilares — que poderia ter absorvido parte do impacto.

Mattei explica que mitigar o risco consiste em analisar probabilidades na hora de decidir onde gastar o dinheiro. Em última análise, as autoridades podem ter considerado que a probabilidade de um enorme navio atingir um dos pilares de sustentação da ponte era demasiado baixa para justificar reforçá-los.

“Temos dólares limitados para investir”, observa ela.

David Knight, do Instituto de Engenheiros Civis, acredita que após este desabamento, proprietários de pontes em todo o mundo vão avaliar como garantir que uma catástrofe semelhante não aconteça novamente.

“Lições vão ser aprendidas, e vão nos ajudar a projetar e construir pontes ainda mais seguras”, diz ele.

navio atinge ponte em Baltimore, EUA — Foto: Arte g1 (Gabs, Bárbara Miranda e Guilherme Gomes)

Como era a ponte e o navio em Baltimore/EUA — Foto: Arte g1 (Gabs, Bárbara Miranda e Guilherme Gomes)

Como era a ponte e o navio em Baltimore/EUA — Foto: Arte g1 (Gabs, Bárbara Miranda e Guilherme Gomes)




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

alem-do-brasil,-outros-11-paises-manifestam-preocupacao-com-eleicoes-na-venezuela

G1 Mundo

Além do Brasil, outros 11 países manifestam preocupação com eleições na Venezuela

Vizinha da Venezuela, a Colômbia disse que medidas tomadas pelo governo Maduro podem afetar a "confiança" da comunidade internacional nas eleições. Além disso, os Estados Unidos disseram ver uma "escalada perturbadora" no país sul-americano (leia aqui os posicionamentos). Após o fim do prazo para inscrição de candidaturas, a coalizão Plataforma Unitária Democrática, que reúne dez partidos de oposição, afirmou não ter conseguido registrar a candidatura de Corina Yoris. Corina Yoris […]

today28 de março de 2024 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%