G1 Mundo

Por que alto nível de mercúrio nos atuns persiste há décadas e intriga cientistas

today25 de fevereiro de 2024 7

Fundo
share close

Esse elemento tóxico é liberado pela mineração e queima do carvão — e vai parar nos oceanos, onde se acumula nos peixes.

Seus níveis caíram drasticamente na atmosfera – mas permaneceram estáveis no atum desde 1971.

De acordo com especialistas, o mercúrio mais antigo se esconde nas profundezas do oceano e chega às águas onde os atuns nadam.



O mercúrio que entra nos ecossistemas marinhos é convertido em metilmercúrio, a forma mais perigosa da substância química.

Ela se acumula no atum quando o mesmo consome presas contaminadas.

E os seres humanos acabam expostos ao elemento tóxico quando comem o peixe, um dos mais consumidos em todo o mundo.

O mercúrio representa uma ameaça especialmente para bebês em gestação e crianças pequenas, mas também tem sido associado a doenças cardiovasculares em adultos.

As preocupações em relação à exposição ao mercúrio fizeram com que governos de todo o mundo tentassem reduzir as atividades que liberam a substância química na atmosfera.

As principais fontes incluem:

  • Mineração de carvão e ouro;
  • Queima de carvão;
  • Indústria;
  • Processamento de resíduos.

Até mesmo a cremação de corpos humanos com obturações de amálgama contribui para o total que está no ar.

As restrições a muitas destas atividades fizeram com que os níveis de emissões na atmosfera caíssem cerca de 90% desde 1990.

E para ver se essas ações haviam tido impacto nos níveis de mercúrio no atum, os pesquisadores analisaram dados de quase 3 mil amostras de músculo de atum, de peixes capturados nos oceanos Pacífico, Atlântico e Índico, incluindo gaiado/bonito, patudo e albacora, que juntos representam 94% das pescas globais de atum.

O novo estudo contrasta com outras pesquisas que mostram níveis de mercúrio em declínio em algumas espécies de atum.

“Temos muito mais dados, mais anos de amostragem e também uma variedade mais ampla de tamanhos de peixes”, explica a principal autora do estudo, Anaïs Médieu, do Instituto Nacional Francês de Pesquisa para o Desenvolvimento Sustentável.

“Isso é muito importante porque o mercúrio se bioacumula durante a [vida] do animal. Por isso, ter uma ampla variedade de tamanhos de peixes é muito importante.”

Os níveis de mercúrio no atum permaneceram constantes entre 1971 e 2022, informaram os cientistas, exceto por um aumento no noroeste do Pacífico, no final da década de 1990, ligado às crescentes emissões de mercúrio na Ásia, provocadas pelo aumento do consumo de carvão para energia.

De acordo com os pesquisadores, os níveis constantes podem ser causados por emissões de muitas décadas ou séculos atrás.

“Há um legado enorme de mercúrio que está nas profundezas do oceano”, explica Médieu.

“Isso se mistura com a superfície do oceano, onde os atuns nadam quando se alimentam. É por isso que temos um fornecimento contínuo deste mercúrio histórico que foi emitido décadas ou séculos atrás.”

Pesquisadores descobriram que as concentrações de mercúrio no atum não diminuíram conforme esperado. — Foto: Getty Images

Coautora do estudo, Anne Lorrain, também do Instituto Nacional Francês de Pesquisa para o Desenvolvimento Sustentável, afirma que os esforços devem ser redobrados – mas devemos ter paciência.

“Nosso estudo sugere que vamos precisar de reduções massivas nas emissões de mercúrio para ver uma queda nos níveis de mercúrio no atum”, diz ela à BBC News.

“Mesmo com uma redução massiva nas emissões de mercúrio, nossos resultados mostram que vamos ter de ser pacientes até vermos uma mudança nos níveis de mercúrio do atum”, ela acrescenta.

“No geral, é semelhante às emissões de CO2 [dióxido de carbono] — se pararmos de emitir drasticamente, o CO2 na atmosfera vai se estabilizar lentamente e, finalmente, vai começar a diminuir”, explica.

O estudo foi publicado na revista acadêmica Environmental Science & Technology Letters.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

presidente-do-mexico-nao-gosta-de-reportagem,-revela-no-de-telefone-de-jornalista-na-tv-e-depois-
justifica:-‘estava-me-caluniando’

G1 Mundo

Presidente do México não gosta de reportagem, revela nº de telefone de jornalista na TV e depois justifica: ‘Estava me caluniando’

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, se justificou nesta sexta-feira (23) por ter vazado o número de telefone de uma jornalista do "The New York Times", que publicou uma reportagem sobre supostos vínculos de pessoas próximas a ele com narcotraficantes. López Obrador leu o número, na quinta-feira (23), durante sua habitual coletiva de imprensa, no momento em que lia um questionário enviado a ele pelo jornal com perguntas. […]

today25 de fevereiro de 2024 1

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%