G1 Mundo

Por que EUA voltaram a impor sanções a governo de Maduro na Venezuela?

today31 de janeiro de 2024 7

Fundo
share close

As primeiras medidas afetam o setor de mineração. De acordo com um comunicado do Gabinete de Controle de Ativos Estrangeiros dos EUA, qualquer empresa americana que negocie com a estatal venezuelana Minerven tem até 13 de fevereiro para “encerrar transações” com a companhia.

A decisão foi tomada após vários avisos de Washington a Caracas de que o relaxamento das sanções iniciado no ano passado, após os chamados Acordos de Barbados entre o governo e a oposição venezuelana, poderia ser revertido.

María Corina Machado, eleita por ampla maioria em outubro como candidata de unidade da oposição, havia sido desqualificada em junho pela Controladoria-Geral da Venezuela (CGR) para concorrer a cargos eletivos por um período de 15 anos.



Além de manter o veto a Machado, a Suprema Corte venezuelana confirmou na última sexta-feira (26/1) a desqualificação de seu possível substituto na oposição, o duas vezes candidato presidencial Henrique Capriles.

O veto a Machado e Capriles e o retorno das sanções representam um retrocesso para uma possível normalização das relações entre os EUA, a Venezuela e a oposição venezuelana.

Além de garantias eleitorais, Washington exigia que Caracas retirasse a inelegibilidade de membros da oposição, relaxasse proibições e libertasse presos políticos e americanos “detidos injustamente”.

Em troca, a Casa Branca relaxou algumas das duras sanções que pesam sobre a economia venezuelana, como os limites à venda de petróleo e gás no exterior.

Em dezembro de 2023, os EUA libertaram o empresário colombiano Alex Saab, um importante aliado de Maduro, em troca de vários venezuelanos e americanos detidos no país sul-americano.

Mas estes passos rumo a uma possível normalização parecem ter sido freados com os últimos acontecimentos.

Horas antes da reimposição das sanções nesta segunda-feira, John Kirby, porta-voz da Segurança Interna da Casa Branca, disse que as medidas impostas pelos EUA dependerão de Maduro e seu governo.

“Eles têm decisões a tomar antes de avaliarmos quais decisões tomaremos”, disse Kirby.

Deterioração do clima político

Na segunda-feira, o chefe da delegação do governo venezuelano nas negociações com a oposição, Jorge Rodríguez, alertou que a Venezuela responderá severamente se os EUA retomarem ou aplicarem novas sanções contra o país.

“Se houver alguma ação agressiva, nossa resposta será severa, recíproca e enérgica”, disse Rodríguez em entrevista coletiva.

No mesmo dia, Machado reiterou a intenção de disputar as próximas eleições presidenciais apesar do veto confirmado pelo Supremo.

“Quer Maduro queira ou não, ele vai me enfrentar e nós vamos derrotá-lo nas eleições presidenciais”, disse a ex-deputada liberal a jornalistas, descartando a possibilidade de alguém a substituir como candidata da oposicionista Plataforma Unitária Democrática (PUD).

María Corina Machado não desistiu de desafiar o chavismo apesar de sua desqualificação. — Foto: GETTY IMAGES via BBC

O clima político deteriorou-se rapidamente na Venezuela nas últimas semanas.

O governo denunciou uma suposta conspiração para assassinar Maduro e acusou jornalistas e ativistas de fazerem parte dela.

Pouco antes, três líderes regionais da campanha de Machado foram presos e ligados a uma suposta conspiração contra o governo, segundo denúncia do procurador-geral, Tarek William Saab, que anteriormente foi deputado constituinte e governador eleito pelo chavismo.

Em meio a essas alegações de conspirações que levaram à detenção de civis e soldados, Maduro disse na quinta-feira que os acordos que seu governo assinou com a oposição em outubro de 2023 em Barbados estão “mortalmente feridos”.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

apos-caso-de-funcionarios-da-agencia-da-onu-ligados-ao-ataque-de-7-de-outubro,-agora-israel-diz-que-unrwa-deixa-que-hamas-use-suas-instalacoes

G1 Mundo

Após caso de funcionários da agência da ONU ligados ao ataque de 7 de outubro, agora Israel diz que UNRWA deixa que Hamas use suas instalações

O porta-voz do governo israelense afirma que a UNRWA é uma fachada para o Hamas. A entidade está investigando se 12 de seus 13 mil funcionários estiveram envolvidos com os ataques do dia 7 de outubro. Países anunciam paralisação de repasse a agência da ONU que cuida de refugiados palestinos após denúncias Israel acusou nesta terça-feira (30) a Agência da ONU para os Refugiados Palestinos (UNRWA, na sigla em inglês) […]

today31 de janeiro de 2024 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%