G1 Mundo

Por que imagens de satélite de obras na fronteira de Gaza com o Egito geram alerta internacional

today22 de fevereiro de 2024 5

Fundo
share close

Fontes egípcias não identificadas disseram que o trabalho está sendo feito para estabelecer uma “zona tampão” isolada, contendo uma área murada na província do Sinai do Norte, no Egito, no caso de Israel prosseguir com sua planejada ofensiva terrestre na cidade mais ao sul de Gaza, Rafah.

Segundo um relatório publicado por um grupo de direitos humanos, muros de 7 metros de altura estão sendo construídos na área.

O Egito negou publicamente ter feito tais preparativos, mas imagens de satélite mostram muros em construção.



O ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant, afirmou que o país “não tem intenção de evacuar civis palestinos para o Egito”.

Desde o início da guerra em Gaza, após o ataque do Hamas a Israel, em 7 de outubro, o Egito tem dito consistentemente que não abriria a sua fronteira aos refugiados.

O país tomou esta posição em parte porque não quer parecer cúmplice no deslocamento em grande escala de palestinos, mas também por preocupações econômicas e de segurança.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, parece determinado a lançar uma grande ofensiva em Rafah – onde cerca de 1,4 milhões de pessoas estão abrigadas – apesar de um coro de advertências internacionais.

Israel afirma que as forças do Hamas estão na cidade e devem ser “eliminadas”.

Também acredita que reféns feitos em Israel – dos quais 130 ainda estão desaparecidos – estão ali detidos.

Antes do planejado ataque a Rafah, Israel está ordenando aos civis que se desloquem para terreno aberto a norte da cidade.

Netanyahu falou vagamente de “áreas que abrimos a norte de Rafah”, mas há indícios de que o planejamento ainda está em uma fase inicial.

Israel já havia instruído os palestinos a seguirem para Rafah enquanto os combates aconteciam no norte de Gaza, no início de sua ofensiva.

“Lutaremos até a vitória completa e isso inclui uma ação poderosa também em Rafah, depois de permitirmos que a população civil deixe as zonas de batalha”, disse Netanyahu na quinta-feira.

As últimas imagens de satélite, divulgadas pela Maxar Technologies, podem sugerir que o Egito decidiu tomar medidas de precaução como resultado da ofensiva iminente.

Em uma imagem, datada de 15 de fevereiro, grandes áreas de terra perto da passagem de Rafah para Gaza parecem ter sido abertas para virar canteiro de obras.

A obra parece ter sido concluída nos últimos dias, como se pode verificar ao comparar a paisagem atual com uma imagem anterior, da mesma zona, de cinco dias atrás.

Construções e demolições proximas às fronteiras de Gaza — Foto: BBC/MAXAR

O governador da província egípcia do Sinai do Norte, Mohammed Shousha, disse à rede de notícias saudita Al Arabiya Al Hadath TV na quinta-feira que o objetivo da atividade na área era “realizar um inventário das casas” destruídas durante a campanha passada do Egito contra os ataques de um grupo islâmico local.

Shousha acrescentou que a posição do Egito é “não permitir o deslocamento forçado de residentes de Gaza para o Egito”.

Mas as imagens de satélite de 15 de fevereiro também mostram veículos de construção espalhados ao longo da estrada junto à zona fronteiriça desobstruída, alguns deles parecem estar erguendo um grande muro.

Na foto abaixo, um veículo pode ser visto próximo a painéis de parede que parecem estar colocados no chão, prontos para serem adicionados à parede.

Imagem de satélite — Foto: MAXAR

Além das imagens de satélite, fotos e vídeos da área capturados e publicados por membros da Fundação Sinai para os Direitos Humanos também parecem mostrar trabalhos de construção em andamento.

O grupo disse em uma reportagem no início desta semana que essas imagens – que não foram verificadas pela BBC – mostram uma área com paredes de sete metros de altura sendo construído na área.

O relatório cita ainda uma fonte com conhecimento do assunto que afirma que a construção tem o objetivo de “receber refugiados de Gaza em caso de êxodo em massa de residentes da Faixa”.

O Wall Street Journal confirmou o relatório com autoridades e analistas de segurança egípcios, afirmando que a área em construção tem 20,7 km² e pode acomodar mais de 100 mil pessoas.

Imagem de satélite — Foto: MAXAR

O ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant, disse a repórteres estrangeiros que o “Estado de Israel não tem intenção de evacuar civis palestinos para o Egito.”

“Respeitamos e valorizamos o nosso acordo de paz com o Egito, que é uma pedra angular da estabilidade na região, bem como um parceiro importante”, afirmou Gallant.

Israel sabe que não pode dar-se ao luxo de ser visto expulsando os palestinos das suas terras, mas isso não significa que impedirá as pessoas de fugirem dos ataques.

Israel não ficaria no caminho se o Egito estivesse disposto a acolher cerca de 100 mil refugiados (como sugerem algumas estimativas sobre a capacidade do local que está sendo construído).

Os responsáveis da ONU para a região estão profundamente apreensivos, temendo que uma evacuação em massa possa ser iminente. “Parece que está indo nessa direção”, disse um funcionário à BBC sob condição de anonimato.

O alto comissário da ONU para os refugiados, Filippo Grandi, disse à agência de notícias Reuters que o deslocamento forçado de refugiados de Rafah para o Egito seria “um desastre para os palestinos, um desastre para o Egito e um desastre para o futuro da paz”.

A expulsão para o Egipto – que é a sensação que será gerada por qualquer evacuação através da fronteira – toca nos receios mais profundos dos palestinos.

Cerca de 80% da população da Faixa de Gaza descende de refugiados que fugiram ou foram expulsos das suas casas durante a Guerra da Independência de Israel.

Deixar Gaza, o último fragmento da sua terra Natal, seria para muitos uma repetição daquilo que os palestinos chamam de “Naqba”, ou ‘ a catástrofe’ de 1948.

Mesmo que um campo de refugiados do outro lado da fronteira seja descrito como um abrigo temporário, a sensação de choque que acompanharia a saída de Gaza será provavelmente profunda.

E embora Israel possa querer retratar isto como uma medida voluntária – uma resposta a um convite egípcio – os palestinos teriam dificuldade em ver isto como algo diferente do que mais uma expulsão forçada, depois de mais de quatro meses de ataque de Israel à Faixa de Gaza.

O Ministério da Saúde do território palestino controlado pelo Hamas informa que pelo menos 28.775 pessoas, a maioria mulheres e crianças, foram mortas como resultado da ofensiva de Israel em Gaza.

Israel começou a ofensiva militar à região depois de homens armados liderados pelo Hamas terem matado cerca de 1.200 pessoas e feito 253 reféns num ataque surpresa ao seu território, em 7 de outubro de 2023.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

hospital-veterinario-sera-construido-em-santos-por-r$-4-milhoes

G1 Santos

Hospital veterinário será construído em Santos por R$ 4 milhões

Prédio com dois pavimentos será erguido na Zona Noroeste. Primeiro hospital veterinário de Santos começará a ser construído. — Foto: Prefeitura de Santos Santos anunciou a construção do primeiro hospital municipal veterinário. A previsão é que as obras comecem em até 60 dias no bairro do Bom Retiro, na Zona Noroeste. No local, serão realizadas consultas, tratamentos e procedimentos cirúrgicos Os investimentos na ordem de R$ 4.041.852,09 são oriundos do […]

today21 de fevereiro de 2024 12

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%