G1 Mundo

Por que Suécia alertou população para se preparar para guerra e causou pânico

today11 de janeiro de 2024 14

Fundo
share close

O ministro da Defesa Civil, Carl-Oskar Bohlin, disse numa conferência que “poderia haver guerra na Suécia“.

A sua mensagem foi então apoiada pelo chefe das Forças Armadas, general Micael Byden, que disse que todos os suecos deveriam se preparar mentalmente para essa possibilidade.

No entanto, políticos da oposição criticaram o tom das advertências.



A ex-primeira-ministra Magdalena Andersson disse à televisão sueca que embora a situação de segurança seja grave, “não é como se a guerra estivesse mesmo à porta”.

Já a organização de direitos das crianças Bris disse que houve um aumento significativo de ligações em sua linha de apoio de jovens preocupados após verem reportagens ou postagens no TikTok falando sobre o assunto.

“Foi tudo bem preparado, não foi algo que eles deixaram escapar”, disse a porta-voz do Bris, Maja Dahl, à BBC. “Eles deveriam fornecer informações destinadas às crianças quando divulgam esse tipo de informação para os adultos.”

Apesar da dureza das mensagens, as observações do ministro da Defesa e do chefe dos militares estão sendo vistas como um alerta.

General Micael Byden disse que suecos precisam se preparar mentalmente para eventual conflito — Foto: GETTY IMAGES via BBC

Depois de mais de dois séculos de paz, a Suécia está a poucos passos de aderir à aliança militar da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte, aliança militar ocidental).

O país aguarda apenas a aprovação de sua entrada nos parlamentos da Turquia e da Hungria.

O chefe das Forças Armadas disse que seus comentários não eram novidade.

Ele visitou a frente oriental da Ucrânia há um mês, e a Suécia faz parte de um grupo de países que treina pilotos ucranianos.

Estocolmo também estaria considerando enviar caças avançados Gripen para a Ucrânia.

“O meu objetivo com isso (alerta) não é preocupar as pessoas; é fazer com que mais pessoas pensem sobre a sua própria situação e as suas próprias responsabilidades”, disse o general Byden ao jornal sueco Aftonbladet.

A Finlândia já aderiu à Otan, e as autoridades russas sugeriram que o país será “o primeiro a sofrer” se as tensões com a Otan aumentarem.

O ministro da Defesa da Suécia afirmou que o seu objetivo não era fazer com que as pessoas perdessem o sono, mas que ganhassem consciência do que realmente está acontecendo.

Ele apelou às autoridades locais, estrategistas de emergência e indivíduos para que respondessem.

“Se há uma coisa que me mantém acordado à noite é a sensação de que as coisas estão andando muito devagar”, disse Bohlin na conferência Sociedade e Defesa no último domingo (7).

Foto de arquivo mostra o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, em pronunciamento ao lado de representantes de Finlândia e Suécia — Foto: Yves Herman/REUTERS

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky apelou à Suécia durante a conferência para trabalhar com o seu país e outros para fabricar armas e “ficarmos mais fortes juntos”.

O primeiro-ministro Ulf Kristersson acrescentou que em 2024, a Suécia cumpriria a meta da Otan de gastar 2% do seu PIB em defesa militar, duplicando os seus gastos em relação a 2020.

Mas, para o especialista em defesa Oscar Jonsson, o tom das advertências das autoridades suecas são uma espécie de “tempestade em um copo d’água”.

Segundo ele, 90% do que foi dito tem origem na frustração de que muito pouco está sendo feito para construir a defesa civil e militar do país.

“O tempo é limitado e o objetivo era servir de alerta para agências, indivíduos e departamentos”, diz ele à BBC.

“As Forças Armadas suecas são incrivelmente competentes, mas a escala não chega nem perto. A última lei de defesa diz que deveríamos criar 3,5 brigadas, enquanto a Ucrânia tinha 28 quando a guerra começou“, acrescenta.

O alerta do general Byden sobre uma possível guerra segue outro feito há um mês pelo chefe do Gabinete de Segurança Nacional da Polônia, Jacek Siewiera.

Segundo Siewiera, “para evitar a guerra com a Rússia, os países no flanco oriental da Otan deveriam adotar um horizonte temporal de três anos para se prepararem para o confronto”.

Ele classificou como “muito otimista” um relatório do Conselho Alemão de Relações Exteriores, que indicava que a Alemanha e a Otan deveriam preparar suas Forças Armadas para serem capazes de se defender de um ataque russo em seis anos.

Jonsson, que é ligado à Universidade Sueca de Defesa, disse que seriam necessários vários fatores para uma guerra envolvendo a Suécia se concretizar.

Entre eles, a guerra da Rússia na Ucrânia chegar ao fim, Moscou ter tempo para reconstruir e rearmar a sua força de combate e a Europa perder o apoio militar dos Estados Unidos.

Tudo isso “é uma possibilidade, mas pouco provável”, acrescentou.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

corte-internacional-de-justica-inicia-processo-que-acusa-israel-de-atos-genocidas-em-gaza

G1 Mundo

Corte Internacional de Justiça inicia processo que acusa Israel de atos genocidas em Gaza

O processo foi aberto pelo governo da África do Sul em dezembro. Na primeira audiência, que aconteceu nesta quinta em Haia, na Holanda, onde o tribunal é sediado, representantes do governo sul-africano acusaram Israel de "submeter os palestinos a atos genocidas". No caso apresentado ao Tribunal de Haia, a África do Sul pede uma suspensão emergencial da campanha militar de Israel no território palestino. "A África do Sul alega que […]

today11 de janeiro de 2024 3

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%