G1 Mundo

Prêmio Nobel da Paz vai para Narges Mohammadi, voz da revolução feminina no Irã

today6 de outubro de 2023 12

Fundo
share close

Mohammadi , a 19ª mulher a receber um prêmio que já foi dado 92 vezes a homens, vem liderando a luta histórica das mulheres no Irã contra a opressão do atual regime. Ela está presa e, no total, já foi condenada a 31 anos de prisão e 154 chibatadas.

A premiação também chega na semana em que outra iraniana entrou em coma após ser abordada no metrô pela chamada polícia da moralidade, um braço do governo iraniano que fiscaliza as duras restrições impostas a mulheres no país (leia mais abaixo).

Embora tenha se tornando uma das lideranças do atual movimento, a atuação de Narges Mohammadi, uma mãe de gêmeos e engenheira de 51 anos, é ainda mais antiga.



Há duas décadas, a ativista é uma das principais defensoras dos direitos das mulheres e da abolição da pena de morte no Irã, um dos países que mais utiliza esse método de punição no mundo. Ela já foi presa seis vezes, a primeira delas há 22 anos.

Desde janeiro de 2022, cumpre pena de 10 anos e 9 meses de prisão por espalhar propaganda contra o governo no presídio de Evin, em Teerã, conhecido por abrigar críticos do regime.

“Narges é uma defensora dos direitos humanos e uma pessoa que luta pela liberdade. Nós queremos apoiar sua luta corajosa e reconhecer milhares de pessoas que se manifestaram contra o regime teocrático de repressão e discriminação que tem como alvo as mulheres no Irã”, declarou a presidente do Comitê do Nobel, Berit Reiss-Andersen, que fez o anúncio do prêmio.

Em farsi, Reiss-Andersen repetiu o lema dos protestos no Irã durante a premiação: “Mulheres. Vida. Liberdade”.

Após a premiação, e através de seus advogados, ela declarou ao jornal “The New York Times” que “o apoio global e o reconhecimento de minha luta pelos direitos humanos me faz mais responsável, mas bem resolvida, mais apaixonada e mais esperançosa”.

“A vitória está próxima”, disse.

Os dois filhos de Mohammadi e seu marido também se manifestaram e disseram que é o reconhecimento à luta da mãe.

Já o governo iraniano criticou a decisão o comitê do Nobel. Através, da agência de notícias estatal Fars, Teerã acusou o Ocidente de “escolher premiar uma prisioneira por suas ações contra a segurança nacional do Irã”.

E se tornou um dos principais nomes da revolução que começou com a morte de Mahsa Amini.

Amini era uma jovem de 22 anos que em setembro de 2022 viajava de férias com a família pelo Irã quando foi abordada pela chamada polícia da moralidade – que fiscaliza o cumprimento das normas de vestimentas impostas a mulheres iranianas.

A jovem foi presa por “uso incorreto” do véu, segundo a polícia iraniana, segundo quem ela usava o acessório mostrando um pouco do cabelo. Dois dias depois, ainda sob custódia policial, foi internada em estado grave, com lesões na cabeça. O caso começou a chamar a atenção no país, e a jovem morreu no hospital.

Instantaneamente, a morte de Mahsa Amini desencadeou um dos maiores movimentos contra o regime do Irã, comandando pelo líder supremo do país, Ali Khamenei, acusado de oprimir mulheres – o país tem presidente, mas, pelas leis iranianas, é o líder supremo quem dá a palavra final.

Quem é Narges Mohammadi, ganhadora do Nobel da Paz de 2023

Quem é Narges Mohammadi, ganhadora do Nobel da Paz de 2023

Desde então, mais de 500 pessoas morreram em protestos contra a repressão, segundo estimativas de organizações locais, e outras cerca de 400 foram condenadas à pena de morte.

Mas, no dia a dia, milhares de mulheres enfrentam as duras regras impostas pelo governo do Irã – desde 1983, a legislação, em uma interpretação da lei islâmica da Sharia, estabelece que iranianas e estrangeiras no país devem usar véu cobrindo o cabelo e usar roupas largas em público.

Mulheres caminham em rua de Teerã sem o véu, obrigatório no país, em 9 de setembro de 2023. — Foto: Vahid Salemi/ AP

Muitas delas têm sido vistas sem o véu caminhando pelas ruas de Teerã e pelo transporte público, além de viajarem sozinhas, também em desafio às normas do governo que restringem mulheres desacompanhadas.

Mesmo estando atualmente presa e sem poder receber visita, Mohammadi conseguiu publicar um artigo recentemente no jornal “The New York Times” no qual diz que “quando mais nos prendermos, mais forte estaremos“.

Ganhadora do prêmio Nobel — Foto: Reprodução/Twitter

O Prêmio Nobel da Paz, no valor de 11 milhões de coroas suecas (cerca de R$ 5,1 milhões), será entregue em Oslo no dia 10 de dezembro, aniversário da morte do industrial sueco Alfred Nobel, que fundou os prémios no seu testamento de 1895.

Os organizadores pediram às autoridades iranianas que soltem Narges Mohammadi a tempo de receber pessoalmente o prêmio.

Antes do anúncio, o nome de Narges Mohammadi era um dos mais cotados nas principais casas de apostas do prêmio, assim como o do presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, e do opositor russo Alexei Navalny, também atualmente preso.

Uma torcedora do Irã é fotografada dentro do estádio antes da partida enquanto protestava — Foto: Dylan Martinez/REUTERS

Desde o início da onda de protestos no Irã, as manifestações não ficaram limitadas ao país.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

passageira-tenta-entrar-nos-eua-com-fezes-de-girafa-e-e-barrada-na-alfandega:-‘queria-fazer-um-colar’

G1 Mundo

Passageira tenta entrar nos EUA com fezes de girafa e é barrada na alfândega: ‘Queria fazer um colar’

Uma mulher chegando do Quênia tentou entrar nos Estados Unidos com uma caixa contendo fezes de girafa, mas foi barrada pelo Serviço de Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA (CBP) no Aeroporto Internacional de Minneapolis, disseram as autoridades locais na quinta-feira (5). A passageira declarou as fezes quando chegou ao território norte-americano e disse que havia obtido os excrementos no Quênia. Segundo um comunicado divulgado pelo CBP, a mulher […]

today6 de outubro de 2023 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%