G1 Mundo

Preta Rara diz ter sofrido preconceito ao tentar entrar em balada de Portugal

today11 de julho de 2023 5

Fundo
share close

Preta e a deputada a ex-deputada de São Paulo Érica Malunguinho, também negra, estavam a trabalho na Europa e decidiram conhecer a balada, famosa por tocar músicas africanas e ter público majoritariamente negro.

Preta conta que ao chegar ao local foram barradas por um segurança branco que disse que elas não estavam vestidas de forma adequada. A influenciadora usava body e shorts, e Malunguinho, camiseta e saia.

Além de tentarem barrá-las, a influenciadora afirma que o segurança disse que as mulheres brasileiras a “fáceis”.



“Ele disse: vocês brasileiras são tudo fáceis e acham que podem entrar em qualquer lugar”.

Preta alega que ela e Érica foram alvo de racismo porque mulheres brancas com roupas semelhantes conseguiram entrar.

Preta Rara diz sofrer xenofobia e racismo em Portugal

Preta Rara diz sofrer xenofobia e racismo em Portugal

Após ter sido barrada, ela divulgou um vídeo em suas redes sociais em que relata o caso. “Gente, não entrem aqui. Fomos proibidas de entrar […], mas as pessoas brancas entraram aqui”.

“Aqui, em Portugal, é horrível para pessoas pretas. O corpo preto e gordo incomoda”, diz Preta ao g1.

O g1 também tentou falar com Erica, mas não teve retorno até a publicação desta matéria.

Apesar de se apresentar como um casa com enfoque em apresentações de música de raiz negra, a página da The Dock’s Club no Google – com nota de 2,8 – tem várias avaliações com relatos de racismo.

“Pior balada de Portugal! São extremamente preconceituosos, cobram a entrada de acordo com a cor, gênero e aparência da pessoa”, disse uma outra pessoa na avaliação.

Há comentários ainda que dizem que os seguranças cobram 1,5 mil euros (R$ 8 mil) de quem eles não gostariam que entrasse – o valor também foi cobrado de Preta e Erica.

No vídeo publicado por Preta, outros influenciadores, como o ex-CEO da Central Única das Favelas (CUFA), Preto Zezé, comentaram que conhecem pessoas que tiveram tratamentos semelhantes no local. “Minhas irmãs foram mal-tratadas aí”, escreveu Preto Zezé, ex-presidente da Central Única das Favelas (CUFA).

O que diz o estabelecimento

Procurado pelo g1, o dono da balada, o angolano Sing Correia disse que tem uma política dura contra discriminação e que já demitiu “vários funcionários” por situações parecidas. diz que o público do lugar é totalmente africano e nega os crimes.

“Nunca tivemos atitudes discriminatórias. Não tivemos nenhum tipo de ação transfóbica e coisas do gênero. Xenofobia muito menos”, afirma.

Correia disse que não há provas sobre a conduta relatada por Preta Rara, e que entrou em contato com ela para apurar o caso.

Preta confirmou que foi procurada, e que aguarda a orientação do advogado para decidir se apresenta uma queixa.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

por-telefone,-lula-convida-primeiro-ministro-da-noruega-para-participar-da-cupula-da-amazonia

G1 Mundo

Por telefone, Lula convida primeiro-ministro da Noruega para participar da Cúpula da Amazônia

Evento idealizado pelo presidente brasileiro será realizado em agosto. Noruega é a principal doadora do Fundo Amazônia. A ligação entre os dois durou cerca de 45 minutos. Em comunicado, o Planalto informou que Lula agradeceu a contribuição do país europeu para o fundo. Interlocutores da política internacional do presidente Lula destacaram que, logo no início da ligação, o primeiro-ministro disse a Lula que o mundo vive "tempos muito difíceis", mas […]

today11 de julho de 2023 17

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%