G1 Mundo

Putin corteja líderes africanos em cúpula na Rússia com promessas de expansão do comércio e estreitamento de laços

today29 de julho de 2023 4

share close

O evento marca um esforço renovado do Kremlin em fortalecer os laços com um continente de 1,3 bilhão de pessoas que é cada vez mais assertivo no cenário global, informou a Associated Press.

As 54 nações da África formam o maior bloco eleitoral nas Nações Unidas e estão mais divididas do que qualquer outra região nas resoluções da Assembleia Geral que criticam as ações da Rússia na Ucrânia.

Suprimento de grãos aos africanos



Em seu discurso, Putin reafirmou sua promessa de que a Rússia manterá o fornecimento estável de grãos e outros produtos agrícolas para o continente após a retirada de um acordo que permite embarques de grãos da Ucrânia. A retirada de Moscou da Iniciativa de Grãos do Mar Negro alimentou as preocupações de uma crise alimentar global.

“A Rússia sempre será um fornecedor internacional responsável de produtos agrícolas e continuará a apoiar os países e regiões necessitados, oferecendo grãos gratuitos e outros suprimentos”, disse o líder russo.

Na abertura do evento, o mandatário garantiu que Burkina Faso, Zimbábue, Mali, Somália, Eritreia e República Centro-Africana receberão cada um de 25.000 a 50.000 toneladas de grãos russos nos próximos três a quatro meses.

Putin prometeu, nesta quinta (27), aos líderes africanos, mandar milhares de toneladas de grãos para eles — Foto: Reprodução/ Jornal Nacional

Em comparação, o Programa Mundial de Alimentos da ONU embarcou 725.000 toneladas de grãos para vários países, incluindo a Somália, sob o acordo do Mar Negro.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, respondeu à promessa de Putin de remessas de grãos sem custo, observando que tais doações de grãos não podem compensar o impacto de Moscou cortando as exportações de grãos da Ucrânia, que junto com a Rússia é um dos principais fornecedores do mundo.

Guterres disse que a ONU está em contato com Turquia, Ucrânia, Rússia e outros países para tentar restabelecer o acordo de um ano, segundo o qual a Ucrânia exportou mais de 32 milhões de toneladas de grãos.

A retomada dos embarques dos portos ucranianos do Mar Negro permitiu que os preços globais dos alimentos caíssem significativamente em relação aos níveis atingidos depois que Putin enviou tropas ao país vizinho.

O acordo negociado há um ano pela ONU e a Turquia reabriu os portos ucranianos do Mar Negro bloqueados por combates e forneceu garantias de que os navios que entrassem neles não seriam atacados. A Rússia se recusou a renovar o acordo na semana passada, reclamando que suas próprias exportações estavam sendo prejudicadas.

Putin aproveitou a cúpula para repetir suas acusações contra o Ocidente de obstruir a exportação de grãos e fertilizantes russos, incluindo a proposta de fornecimento gratuito de fertilizantes para a África.

No segundo e último dia do evento, Putin disse que Moscou analisará de perto uma proposta de paz para a Ucrânia que os líderes africanos procuram seguir. “Esta é uma questão aguda e não estamos fugindo de sua consideração”, disse o líder russo, enfatizando que seu governo estava tratando a iniciativa africana com respeito e “olhando para ela com atenção”.

Além disso, o mandatário encorajou os líderes africanos a conversarem com a Ucrânia, que se recusou a iniciar negociações até que as tropas russas se retirassem. “Acredito que é necessário também conversar com o outro lado, embora sejamos gratos aos nossos amigos africanos por sua atenção à questão”, disse Putin na cúpula de São Petersburgo.

O presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, disse que os líderes africanos estão ansiosos para se envolver ainda mais com Putin na sexta-feira sobre sua proposta de paz.

“Esperamos que o engajamento construtivo e a negociação possam trazer um fim ao conflito em andamento”, disse Ramaphosa, que lidera o país mais desenvolvido da África subsaariana, acrescentando na África do Sul, “nossa própria história nos ensinou que isso é de fato possível”.

Sem mencionar especificamente os combates na Ucrânia, o presidente de Uganda, Yoweri Museveni, denunciou aqueles que fomentam conflitos militares ideológicos como “desperdiçadores de tempo e oportunidades”, acrescentando que “a história humana seguirá em frente, gostem ou não”.

“As únicas guerras justificadas são as guerras justas, como as guerras anticoloniais”, disse Museveni. “Guerras de hegemonia irão fracassar e desperdiçar tempo e oportunidade. O diálogo é o caminho correto.”

Na parte pública de uma reunião noturna na sexta-feira sobre a proposta de paz, Putin repetiu aos líderes africanos suas explicações sobre as origens do conflito e as ações da Rússia nele, sem dar nenhuma reação específica às suas sugestões. Os líderes africanos disseram esperar ouvir as reações detalhadas de Putin em uma parte fechada subsequente da reunião.

Apenas 17 chefes de estado estiveram na cúpula, em comparação com 43 na primeira cúpula Rússia-África em 2019, uma queda acentuada no comparecimento que o Kremlin atribuiu ao que descreveu como pressão ocidental “ultrajante” para desencorajar os países africanos de comparecer.

Putin saudou o papel da África na emergente “ordem mundial multipolar”, observando que “a era da hegemonia de um ou vários países está retrocedendo no passado, embora não sem resistência por parte daqueles que se acostumaram com sua própria singularidade e monopólio em assuntos globais.”

“A Rússia e a África estão unidas por um desejo inato de defender a verdadeira soberania e o direito ao seu próprio caminho de desenvolvimento nas esferas política, econômica, social, cultural e outras”, disse ele.

Ele disse que a Rússia planeja expandir os laços comerciais e econômicos com a África e continuar os esforços para aliviar o fardo da dívida cancelando outros US$ 90 milhões de suas dívidas.

Putin observou que Moscou também está pronta para fortalecer os laços de defesa com os países africanos, ajudando a treinar seus militares e expandindo o fornecimento de equipamentos militares, alguns deles sem custo.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

G1 Mundo

O vilarejo de uma só rua onde vivem 6 mil pessoas

De perto, no entanto, é possível identificar as casas dos 6 mil habitantes que vivem neste pitoresco vilarejo localizado na província de Malopolska (Pequena Polônia), no sul do país da Europa Central. Esta "pérola polaca" é Suloszowa, "uma cidade cujos habitantes vivem numa única rua", como dizem as fotos publicadas nas redes sociais que foram compartilhadas por milhares de usuários. Suloszowa tem 6 mil habitantes — Foto: Getty Images via BBC Suloszowa fica no Parque Nacional Ojcowski, famoso por suas […]

today29 de julho de 2023 5

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%