G1 Mundo

Quem é Nikki Haley, que desafia Trump na disputa pela candidatura à presidência dos EUA

today21 de janeiro de 2024 6

Fundo
share close

Haley, de 51 anos, começou a corrida com poucas chances, mas aos poucos conquistou a simpatia de parte dos republicanos, o que lhe permitiu subir nas pesquisas e arrecadar fundos.

Com posições mais moderadas, especialmente em temas sociais como aborto, ela acena ao eleitorado republicano que não tolera o radicalismo de Trump e aos independentes.

Dois dias antes, em clima de tudo ou nada, ela afirmou que não considera a possibilidade de formar chapa como candidata a vice de Trump, criticando o concorrente e, de quebra, o presidente Joe Biden.



“Não se vence o caos democrata com o caos republicano. (…) Já votei duas vezes em Trump. Mas, seja justo ou não, o caos o acompanha. Não podemos ter um país em desordem, um mundo em chamas e passar por mais quatro anos de caos. Não sobreviveremos a isso”, disse a seus seguidores em evento de campanha na quarta-feira (17).

Haley ficou em terceiro lugar nas prévias de Iowa, a primeira etapa da corrida republicana, atrás de Trump e DeSantis, e agora aposta alto na votação em New Hampshire, na próxima terça-feira (23).

Saiba mais sobre a candidata republicana:

Haley ganhou reputação no Partido Republicano como uma conservadora sólida que tem a capacidade de abordar questões de gênero e raça de uma forma mais palatável do que muitos dos seus pares. Ao mesmo tempo, ela tem sido alvo de críticas pelas suas posições ambíguas sobre algumas questões políticas importantes.

Ela é filha de dois imigrantes da Índia que administravam uma loja de roupas na zona rural da Carolina do Sul, e já falou ocasionalmente sobre a discriminação que sua família enfrentou.

Haley se formou em contabilidade na Clemson University em 1994 e ajudou a expandir o negócio de roupas de seus pais. Ela assumiu cargos de liderança em diversas organizações empresariais antes de conquistar uma cadeira na legislatura da Carolina do Sul em 2004. Ela é casada e tem dois filhos.

Governadora da Carolina do Sul

Eleita governadora da Carolina do Sul em 2010, Haley se tornou a primeira mulher a ocupar esse cargo no estado e a segunda pessoa de ascendência indiana eleita governadora nos Estados Unidos.

Ela recebeu atenção nacional em 2015, quando assinou um projeto de lei removendo a bandeira confederada do Capitólio do estado da Carolina do Sul, após o assassinato de nove fiéis negros pelo supremacista branco Dylann Roof. Mas mais tarde ela recebeu críticas de algumas autoridades eleitas por descrever a bandeira como um símbolo de herança para alguns sulistas.

Haley também nomeou Tim Scott, então representante na Câmara dos EUA pela Carolina do Sul, para o Senado dos EUA em 2012. Scott era um rival na indicação presidencial, mas desistiu da corrida primária no início de novembro, depois de lutar para ganhar força nas pesquisas de opinião.

Haley apoiou vários rivais de Trump na disputa pela indicação presidencial republicana de 2016; o caminho dos dois se cruzou apenas ocasionalmente durante aquelas primárias.

Mas ela então serviu como sua embaixadora nas Nações Unidas. Durante esse período, os EUA retiraram-se do acordo nuclear com o Irã, um acordo que era impopular entre os republicanos.

Embora tenha conseguido uma breve subida nas pesquisas de opinião, depois definhou com dígitos médios e baixos na maioria dos levantamentos a nível nacional e estadual, até que o primeiro debate lhe deu um impulso considerável a partir do final de agosto.

No final de novembro, ela recebeu um grande impulso quando a rede política conservadora liderada pelo bilionário Charles Koch declarou apoio à sua candidatura.

Haley tentou distinguir-se como a candidata mais preparada em política externa. Embora quase todos tenham defendido uma posição dura em relação à China, o apoio descarado de Haley à Ucrânia representa um contraste com Trump e DeSantis, que dizem que o conflito não é fundamental para a segurança nacional dos EUA.

No final do ano, ela foi repreendida pelos democratas e por alguns dos seus rivais quando, em resposta a uma pergunta, recusou-se a dizer que a escravatura era uma das principais causas da Guerra Civil dos EUA, uma omissão que procurou corrigir um dia depois, após as críticas.

Donald Trump e Nikki Haley conversam durante reunião da ONU em 2018. Ela foi embaixadora dos EUA nas Nações Unidas por indicação do ex-presidente, agora seu adversário nas primárias — Foto: Evan Vucci/AP/Arquivo

Desde que deixou o governo Trump em 2018, Haley teve um relacionamento de altos e baixos com o ex-presidente.

Ela criticou Trump depois que seus apoiadores atacaram o Capitólio dos EUA em 6 de janeiro de 2021, em uma tentativa de reverter sua derrota nas eleições de 2020 para o democrata Joe Biden, mas depois disse que Trump tem um papel importante a desempenhar no Partido Republicano.

Mais tarde, Haley criticou Trump após a sua acusação em junho por tratamento incorreto de informações confidenciais de segurança nacional, dizendo que se as informações apresentadas na acusação forem verdadeiras, são “incrivelmente perigosas para a nossa segurança nacional”.

Durante a campanha, ela raramente discute o temperamento ou o caráter de Trump, embora o acuse frequentemente de ser muito brando com os adversários dos EUA, incluindo a China, a Coreia do Norte e a Rússia.

As primárias de New Hampshire estão abertas a eleitores sem filiação a nenhum dos partidos, o que pode beneficiar candidatos considerados menos radicais, como é o caso de Nikki Haley.

Na terça-feira (16), neste estado do nordeste do país, ela repetiu que estava “muito perto de Donald Trump” nas pesquisas. Uma recente pesquisa da CNN a coloca a alguns pontos dele.

Em Iowa, “terminamos com um bom resultado. Era isso que queríamos”, disse, referindo-se aos 19% que conquistou neste estado do centro-oeste, onde Trump foi o vencedor com impressionantes 51%.

O governador republicano de Maryland, Larry Hogan, um de seus apoiadores, prevê uma “verdadeira batalha” em New Hampshire para evitar uma vitória de Trump.

“Se ela tiver um bom resultado, se ficar em primeiro ou segundo lugar por pouco em New Hampshire, isso lhe dará o impulso, o entusiasmo e a atenção que a levarão às primárias em seu estado natal da Carolina do Sul, onde talvez possa mudar a dinâmica”, declarou Hogan.

Nos próximos dias, o desafio de Nikki Haley será convencer os eleitores moderados ou indecisos, como Alen Hancock, um septuagenário que diz estar “interessado nos três republicanos que saíram vitoriosos” e planeja enfrentar o frio para ouvir a candidata em Rochester.

Este consultor em gestão financeira quer tirar Joe Biden do poder, a quem chama de “idiota”, mas tem dúvidas sobre Donald Trump, a quem considera “rude” embora “acredite muito no que faz”.

“Eu gostaria que tivéssemos alguém sólido e mais jovem, que realmente se preocupasse com o país”, acrescenta.

Nikki Haley também precisa tranquilizar seus doadores. Segundo a imprensa dos Estados Unidos, se não vencer em New Hampshire ou pelo menos se posicionar bem, eles vão virar as costas para ela.

“A montanha que ela tem que escalar é enorme”, declarou à CNBC o empresário Andy Sabin, que arrecada dinheiro para a pré-candidata.

Haley se tornou o alvo preferido de Trump, como mostram suas últimas postagens na sua rede Truth Social. Em uma montagem fotográfica, ela aparece vestida como Hillary Clinton, a democrata que Trump derrotou em 2016 e despreza.

Ele também destaca a origem estrangeira desta filha de migrantes indianos chamando-a pelo seu nome de nascença, “Nimrada”. E escreve errado, porque na verdade ela se chamava Nimarata Nikki Randhawa antes de adotar o sobrenome do marido.

Na terça-feira à noite, ele a atacou novamente. “Nikki Haley conta especialmente com democratas e liberais para se infiltrar em suas primárias republicanas”, disse Trump para uma multidão em New Hampshire. “Se ela vencer, Biden vence”, afirmou.

A corrida pela indicação republicana será formalmente encerrada em julho, durante a convenção do partido conservador.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

mais-de-60-sao-presos-no-equador-apos-tentativa-de-tomada-de-hospital

G1 Mundo

Mais de 60 são presos no Equador após tentativa de tomada de hospital

Os supostos criminosos entraram "com o objetivo de proteger um membro da sua organização, que foi admitido com ferimentos nas primeiras horas da manhã", afirmou a polícia na rede social X. Mais de 60 presos no Equador após tentativa de tomada de hospital — Foto: Reprodução A polícia do Equador prendeu, neste domingo (21), 68 supostos membros de uma facção criminosa que pretendia tomar o controle de um hospital na […]

today21 de janeiro de 2024 8

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%