G1 Mundo

Reforma previdenciária cobra preço alto a Macron

today18 de março de 2023 7

Fundo
share close

Existe um lugar-comum nas interpretações sobre a canetada de Emmanuel Macron para impor a reforma da previdência na França sem aprovação da Assembleia Nacional: o presidente francês se enfraqueceu e está isolado, quando ainda restam mais de quatro anos de mandato. Insistiu num projeto que é rechaçado por 70% dos franceses ao constatar que também estava em desvantagem na Assembleia Nacional.

Macron e sua premiê, Élizabeth Borne, esperavam a adesão de pelo menos 35 deputados do partido Republicanos. Mas constataram que o apoio viria de 28, insuficientes para alcançar a maioria dos votos. Entre perder e perder, o presidente assumiu o risco de enfiar a reforma goela abaixo dos franceses, sob o argumento de preferir o mau humor público a um possível rebaixamento das agências classificadoras.

O que vem a seguir, além da demonstração da raiva popular que se viu nas ruas logo depois que o artigo 49.3 foi acionado? O governo conta com o cansaço de greves, após mais de dois meses de protestos, para acalmar os ânimos de quem terá a aposentadoria postergada de 62 para 64 anos.



Novos protestos contra reforma da previdência na França

Novos protestos contra reforma da previdência na França

Mais uma vez, o presidente renovou a sua fama de arrogante. Não conseguiu convencer a opinião pública de que os franceses ainda estão em vantagem em relação aos demais europeus, que se aposentam bem mais tarde. Seus sólidos argumentos de que 15% do PIB do país são consumidos com pensões e que a reforma seria o primeiro passo para frear o déficit caíram no vazio.

A oposição se articula para tentar uma moção de censura ao governo, que, para derrubá-lo, deve ser apoiada pela maioria dos deputados da Assembleia Nacional. Ainda que Macron não tenha conseguido os votos necessários para aprovar a sua reforma previdenciária, dificilmente sairia perdedor numa eventual moção de desconfiança ao governo.

Ou seja, restam poucas dúvidas de que a reforma vingará. Porém, ao invocar o artigo da Constituição que pode ser utilizado quando um governo não tem a maioria no Parlamento, Macron optou pelo modelo autoritário e se distanciou dos franceses. Utilizou-se de um instrumento legal, mas contestado, sobretudo na aprovação sumária, sem a votação pela Assembleia, de um tema que é caro para a população.

Imagens como as revoltas estudantis de 1968 e as do movimento dos Coletes Amarelos são automaticamente relembradas para justificar a força da resistência popular. O momento de crise é outro. E os extremos – de direita e esquerda – estão no encalço do presidente centrista e impopular.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

deputados-franceses-apresentam-mocao-de-censura-contra-governo-por-‘canetada’

G1 Mundo

Deputados franceses apresentam moção de censura contra governo por ‘canetada’

Presidente Emmanuel Macron recorreu na quinta (16) a artigo da Constituição para aprovar reforma polêmica da Previdência sem passar por votação no Parlamento. Manifestantes protestam na França após governo aprovar mudança na previdência sem voto Deputados franceses apresentaram nesta sexta-feira (17) uma moção de censura contra o governo francês pela "canetada" para a aprovação da impopular reforma da Previdência. A moção de censura - um recurso do Parlamento através do […]

today18 de março de 2023 14

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%