G1 Mundo

Regime iraniano luta para sobreviver com execuções de manifestantes

today19 de dezembro de 2022 13

Fundo
share close

Os protestos de iranianos contra o regime que controla o país há mais de quatro décadas entram no quarto mês sem indícios de arrefecimento. A ditadura dos aiatolás mostra a sua força com a condenação de 27 dissidentes à morte em julgamentos sumários, segundo os cálculos da Anistia Internacional, e a prisão de celebridades.

As execuções são por enforcamento e aos olhos do público, como a de Majidreza Rahnavard, de 23 anos, cujo corpo foi içado na semana passada por um guindaste de construção. Ele foi condenado por “inimizade contra Deus”, sob a alegação de que teria esfaqueado dois agentes da força paramilitar. Quando a família foi informada sobre a morte, o corpo do jovem já havia sido enterrado.

Além de Rahnavard, outro manifestante – Moshen Shekari – foi executado por porte de arma, num julgamento também considerado fraudulento pela Anistia Internacional. A organização Direitos Humanos do Irã, com sede em Oslo, estima que o número de condenados ultrapasse os 39.



Pelo menos 18 mil estão presos e aguardam julgamento, reativando o trauma nacional das execuções em massa ocorridas em 1988, por ordem do aiatolá Ruhollah Khomeini, que liderou a Revolução Islâmica.

Naquele verão, de acordo com entidades de direitos humanos, cerca de 3 mil detidos foram assassinados pelo esquadrão da morte integrado pelo atual presidente iraniano, Ebrahim Raisi. Ativistas acreditam ser improvável repetir hoje o massacre naquela intensidade, dada a repercussão mundial que os protestos contra a morte da jovem Mahsa Amini, sob custódia da polícia, ganharam.

Atriz Taraneh Alidoosti no filme ‘O apartamento’ — Foto: Divulgação

Ela atuou em “O Apartamento”, que ganhou o Oscar de melhor filme estrangeiro em 2017, e esteve em maio no Festival de Cannes para divulgar a produção “Leila’s Brothers”.

Aos 38 anos, a atriz, que se expôs sem véu, foi presa por “espalhar falsidades sobre os protestos”, segundo a mídia estatal. Ela publicou um post contra a execução de Moshe Shekari, no último dia 9. “Cada organização internacional que assiste a este derramamento de sangue e não age representa uma vergonha para a Humanidade”, escreveu.

Da mesma forma que Alidoosti, outras celebridades vêm corajosamente enfrentando a repressão do regime teocrático e reverberam as vozes dos manifestantes. A alpinista Elnaz Rekabi competiu no exterior sem o véu e teve a casa da família demolida.

Imagem do jogador iraniano Amir Nasr-Azadani — Foto: AFP

Ídolo do Iranjavan, o jogador de futebol Amir Nasr Azadani foi condenado à morte por participar dos protestos. Parentes do rapper Toomaj Saleh, de 32 anos, temem que ele tenha destino semelhante após ter sido preso violentamente por incentivar os protestos.

Como observou o professor Abbas Milani, diretor do programa de estudos iranianos da Universidade de Stanford, a execução de condenados é barbárie de Estado e, quando realizada em público, é relíquia da barbárie medieval. É dessa forma que o regime iraniano vem lutando para sobreviver.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

copa-do-mundo-2022:-os-legados-positivos-e-negativos-deixados-pelo-mundial-no-catar

G1 Mundo

Copa do Mundo 2022: os legados positivos e negativos deixados pelo Mundial no Catar

Foi um Mundial marcado também por debates e polêmicas fora dos gramados. A começar pela escolha do país sede, o Catar, devido ao seu histórico duvidoso de respeito aos direitos humanos. Também por conta do calendário, já que o torneio foi disputado em dezembro, quando acontecem as principais ligas e torneios de clubes do mundo. A ideia era evitar o verão do hemisfério norte e seu intenso calor que eleva […]

today19 de dezembro de 2022 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%