G1 Mundo

Reunião de Lula e Macron deve abordar acordo com Mercosul, Rússia e outras divergências

today28 de março de 2024 7

Fundo
share close

Os chefes de Estado de Brasil e França se encontrarão no Palácio do Planalto, em Brasília, no terceiro dia de viagem pelo país do presidente francês, após Macron passar por Pará, Rio de Janeiro e São Paulo.

Lula e Macron discutem preservação ambiental e se se reúnem com lideranças indígenas em Belém



Lula e Macron discutem preservação ambiental e se se reúnem com lideranças indígenas em Belém

As dificuldades para concluir acordo entre o Mercosul e a União Europeia – negociado há mais de 20 anos, e travado por falta de consenso com países como a França – deverão ser uma das principais pautas no encontro entre os dois presidentes.

Interlocutores do governo francês ressaltam que Macron deverá explicar, pessoalmente, qual a posição da França – as razões e as motivações pelas quais não concorda com o texto atual. “Haverá explicações, mas nada de negociação”, dizem esses interlocutores.

A declaração de Macron foi feita após um encontro bilateral com Lula, em Dubai, durante a COP 28, a Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas.

Macron diz ser contra acordo entre Mercosul e União Europeia

Macron diz ser contra acordo entre Mercosul e União Europeia

O acordo é negociado desde 1999, envolve 31 países e prevê isenção ou redução na cobrança de impostos de importação de bens e serviços produzidos nos dois blocos.

Combate às fake news e guerras no mundo

O governo francês acredita que o Brasil, assim como a França, tem a capacidade de dialogar com outros países importantes no cenário internacional.

Esse é um dos motivos pelo qual Macron também deverá conversar com Lula sobre o conflito entre Rússia e Ucrânia, que já dura dois anos, e os ataques na Faixa de Gaza.

A diplomacia francesa entende que o Brasil pode ser um intermediário importante no diálogo “entre países do Norte e do Sul”. E que o país pode, inclusive, chamar a atenção da Rússia para que Vladimir Putin cesse as agressões contra o território ucraniano.

Um representante do governo francês ressalta que Emmanuel Macron poderá, por exemplo, dar explicações sobre como foram adotadas regulamentações para responsabilizar plataformas digitais na Europa.

Em dois anos, serão três visitas ao Brasil

Ensaio de Lula e Macron no Pará viralizou nas redes sociais — Foto: Ricardo Stuckert/PR

Na pequena bolsa de palha entregue ao presidente francês havia três camisas: uma tradicional camisa do Marajó, produzida no estado do Pará, e duas dos principais times de futebol paraense – Remo e Paysandu.

Presidente da França, Emmanuel Macron, e governador do Pará, Helder Barbalho — Foto: Instagram/Reprodução

Nas redes sociais, os dois presidentes fizeram questão de fazer postagens conjuntas – quando a publicação aparece simultaneamente nos dois perfis, reforçando a estratégia de parceria entre eles.

Os presidentes do Brasil, Lula, e da França, Macron, durante lançamento de submarino no Rio de Janeiro — Foto: Reprodução/Canal Gov

Ainda na quarta, Emmanuel Macron foi a São Paulo para um encontro com investidores brasileiros. Na quinta (28), ele encerra a viagem passando por Brasília.

O presidente francês deve voltar ao Brasil em novembro para as reuniões da Cúpula do G20, no Rio de Janeiro, e para a Conferência do Clima da ONU (COP30), que será sediada em Belém em 2025.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

javier-milei-chama-presidente-colombiano-de-assassino-terrorista;-colombia-expulsa-diplomatas-argentinos

G1 Mundo

Javier Milei chama presidente colombiano de assassino terrorista; Colômbia expulsa diplomatas argentinos

Javier Milei, o presidente da Argentina, afirmou em uma entrevista à rede CNN que Gustavo Petro, da Colômbia, foi um "assassino terrorista". O governo colombiano respondeu expulsando os diplomatas argentinos da embaixada de Bogotá nesta quarta-feira (27). Só um trecho da entrevista de Milei foi transmitido. Ao falar sobre o presidente colombiano, ele disse que "não se pode esperar muito de alguém que era um assassino terrorista". Milei também fez […]

today28 de março de 2024 11

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%