G1 Mundo

Rússia cumpre ameaça e suspende o acordo que permitia a exportação de grãos ucranianos a países pobres

today17 de julho de 2023 9

Fundo
share close

A Rússia enfim concretizou a ameaça de suspender o acordo que permitiu à Ucrânia, arrasada pela guerra, exportar, no último ano, 32 milhões de toneladas de grãos por meio de um corredor humanitário no Mar Negro. Mediado pela ONU e pela Turquia, o pacto expiraria nesta segunda-feira (17), quando o Kremlin anunciou que interromperá a sua participação, desferindo um duro golpe em agricultores ucranianos e também em países que lutam contra a fome.

Era esperado que a Rússia pularia fora do acordo, apesar dos apelos sistemáticos da ONU e agências de ajuda humanitária. O presidente Vladimir Putin vinha dando sinais de que não via benefícios no acordo e reivindicava que o banco agrícola estatal da Rússia – o Rosselkhozbank – fosse readmitido no sistema de pagamentos SWIFT. O secretário-geral da ONU, António Guterres, enviou uma proposta contemplando uma subsidiária do banco, mas não recebeu resposta.

As sanções ocidentais, conforme alegou o presidente russo, impediam as exportações de alimentos e fertilizantes. Além disso, segundo ele, os grãos não chegavam aos países pobres. “Basta!”, reclamou Putin em uma entrevista na semana passada, num indício de que interromperia o pacto.



A ONU rechaça tais argumentos e assegura que o acordo atendeu a ambas as partes e reduziu globalmente os preços dos alimentos em mais de 20%. Partiu da Holanda uma análise básica da decisão anunciada pelo Kremlin. “É totalmente imoral que a Rússia continue a usar alimentos como armas”, resumiu o chanceler Wopke Hoekstra.

A consequência mais imediata é que os preços dos grãos voltarão a disparar, como ocorreu no início da invasão russa à Ucrânia, quando seus navios de guerra bloquearam os portos, impedindo a passagem de 20 milhões de toneladas de produtos.

Dados da ONU mostram que o acordo ajudou a fornecer grãos para 45 países em três continentes: 46% para a Ásia, 40% para a Europa Ocidental, 12% para a África e 1% para a Europa Oriental. Países como Afeganistão, Sudão, Djibouti, Etiópia, Quênia, Somália e Iêmen, castigados pela insegurança alimentar, foram beneficiados com 725 mil toneladas de trigo ucraniano, por meio do Programa Mundial de Alimentos.

A premissa básica do acordo firmado há um ano e renovado três vezes pela Rússia era de que os navios ucranianos que trafegassem por este corredor marítimo não seriam atacados. Nos dois últimos meses, o número de embarques caiu, e a Ucrânia, considerada o celeiro do mundo, acusou a Rússia de atrasar as inspeções. A decisão anunciada pelo Kremlin nesta segunda-feira confirmou o fim da linha para o pacto de grãos no Mar Negro.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

velejador-e-cadela-sao-encontrados-apos-2-meses-a-deriva-no-pacifico

G1 Mundo

Velejador e cadela são encontrados após 2 meses à deriva no Pacífico

O australiano Tim Shaddock, de 51 anos, e a cachorra Bella saíram do México em direção à Polinésia Francesa em abril, mas a embarcação em que eles estavam foi danificada por uma tempestade várias semanas depois. A dupla foi resgatada por um barco de pesca depois que um helicóptero a avistou em alto mar. O médico a bordo da embarcação de resgate disse ao canal 9News, da Austrália, que o […]

today17 de julho de 2023 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%