G1 Mundo

Rússia perdeu capacidade ofensiva, aponta relatório do Reino Unido

today16 de maio de 2023 5

Fundo
share close

O Ministério da Defesa britânico estima que as forças russas na Ucrânia, mesmo conservando o número de efetivos e a estrutura, viram sua capacidade e eficácia diminuir consideravelmente desde o início da guerra, em fevereiro de 2022.

Segundo um relatório divulgado no domingo (14/05), os britânicos avaliam que o contingente militar russo na Ucrânia transformou-se, em grande parte, em grupos de reservistas incapazes de desenvolverem operações complexas.

O Ministério da Defesa britânico também considera que, apesar de o chamado Agrupamento de Forças Combinadas da Rússia — o conjunto de forças russas ou CGF — manter aproximadamente a mesma quantidade de pessoal no campo de batalha do que há um ano – 200.000 efetivos divididos em 70 regimentos – já não é composto por soldados profissionais ou “veículos razoavelmente modernos”.



“Agora a força está composta na sua maioria por reservistas mobilizados mal treinados e cada vez mais dependentes de equipamentos antiquados”, aponta a avaliação.

Agrupamento russo reduzido a “operações muito simples”

Ainda segundo os britânicos, a Rússia só é capaz agora de efetuar “operações muito simples, com base na infantaria”, em comparação com as “operações conjuntas complexas” regulares realizadas pelos militares no início da guerra.

“E mais importante, é pouco provável que tenha conseguido gerar uma reserva móvel, capaz de responder aos desafios operativos emergentes”, apontou o ministério britânico.

O ministério ainda acrescentou: “É improvável que [o Agrupamento Russo] seja uma organização coesa que efetivamente tenha um efeito militar em larga escala ao longo da linha de frente de 1.200 km sob pressão”.

Especialistas já haviam apontado anteriormente que a Rússia perdeu muito de seus militares mais experientes nas primeiras semanas e meses da guerra, acabando por preencher suas unidades com pessoal menos experiente e mobilizado à medida que o esforço de invasão se arrastava.

Em setembro de 2022, o governo russo anunciou uma “mobilização parcial” de 300.000 reservistas.

Recrutamento de condenados

Mais recentemente, militares da Rússia passaram a intensificar esforços para recrutar condenados diretamente das prisões para lutar na Ucrânia. Nesta semana, o Ministério da Defesa do Reino Unido estimou que só em abril os russos recrutaram 10.000 condenados. A tática que usar prisioneiros para lutar já vinha sendo usada pelo Grupo Wagner, uma organização de mercenários ligada ao Kremlin. Em março, especialistas das Nações Unidas á haviam criticado a estratégia.

“Estamos profundamente incomodados com relatos de visitas de membros do chamado Grupo Wagner a instalações correcionais em várias regiões da Rússia, oferecendo indultos a prisioneiros que se juntarem ao grupo e participarem da guerra na Ucrânia, bem como um pagamento mensal a seus parentes”, disseram os especialistas.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

no-g7,-lula-deve-discutir-impacto-da-guerra-na-ucrania-na-seguranca-alimentar,-diz-itamaraty

G1 Mundo

No G7, Lula deve discutir impacto da guerra na Ucrânia na segurança alimentar, diz Itamaraty

Diplomacia brasileira negocia declaração sobre consequências da guerra com termos compatíveis à posição do país. Lula já disse que Ucrânia tinha responsabilidade pelo conflito, mas recuou. O presidente Lula na rampa do Palácio do Planalto em imagem da semana passada — Foto: Adriano Machado/Reuters A diplomacia brasileira negocia com os participantes da cúpula do G7 o uso de uma "linguagem compatível" com a posição do país sobre a guerra na […]

today16 de maio de 2023 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%