G1 Santos

Sem cama e água potável, trabalhadores são resgatados em condições análogas à escravidão em plantação de banana; FOTOS

today25 de março de 2024 14

Fundo
share close

Sete homens foram resgatados em uma plantação de banana em Eldorado, no interior de São Paulo. Segundo apurado pelo g1 junto ao Ministério Público do Trabalho (MPT), eles eram mantidos em condições análogas à escravidão e, por este motivo, o empregador terá que pagar R$ 160 mil em verbas rescisórias e dano moral.

De acordo com o MPT, os trabalhadores foram contratados para realizar o plantio de banana e ficavam alojados próximo à lavoura em condições degradantes e desumanas. Eles também não tinham acesso a água potável, por este motivo, tomavam o líquido de um córrego.

O alojamento não tinha cama e chuveiro em um dos banheiros. Portanto, os trabalhadores tomavam banho de água fria por um cano que saía da parede e eram obrigados a dormir no chão. O MPT ressaltou ainda que a higiene do local era extremamente precária (confira na galeria de fotos abaixo).



Durante o trabalho, os homens borrifavam agrotóxicos sem equipamento de proteção, como máscara, luvas e óculos. Segundo o MPT, esta ação traz prejuízos diretos à saúde.

Confira as condições em que trabalhadores viviam e trabalhavam em Eldorado (SP)

1/8

Homens borrifavam agrotóxicos sem equipamento de proteção em Eldorado (SP) — Foto: Divulgação/MPT

2/8

Trabalhadores bebiam água de córrego em Eldorado (SP) — Foto: Divulgação/MPT

3/8

Trabalhadores dormiam no chão em Eldorado (SP) — Foto: Divulgação/MPT

4/8

Banheiro não tinha chuveiro para trabalhadores tomarem banho em Eldorado (SP) — Foto: Divulgação/MPT

5/8

Trabalhadores foram resgatados em condições análogas à escravidão em Eldorado (SP) — Foto: Divulgação/MPT

6/8

Condições eram degradantes em alojamento em Eldorado (SP) — Foto: Divulgação/MPT

7/8

Plantação de banana em que homens trabalhavam em condições análogas à escravidão — Foto: Divulgação/MPT

8/8

Homens eram obrigados a morar em um alojamento em Eldorado (SP) — Foto: Divulgação/MPT

O procurador Gustavo Rizzo Ricardo, que recebeu a denúncia e iniciou a operação junto ao Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest) de Registro (SP) e da Polícia Rodoviária Federal (PRF), afirmou que a dignidade dos trabalhadores foi restaurada.

“É inaceitável em uma região com uma grande quantidade de produtores de banana que este tipo de situação ainda ocorra. O trabalhador tem que ter registro, equipamento de proteção, dormir em uma cama e em condições de higiene adequadas para habitar a propriedade e desenvolver o trabalho”, destacou o procurador do MPT.

O que acontece com o empregador?

Os R$ 160 mil, que estão sendo pagos pelo empregador, serão divididos entre os trabalhadores, de acordo com o tempo e condição em que eles viveram no local, sendo que apenas um possuía registro em carteira de trabalho.

De acordo com o MPT, dois deles trabalhavam há cinco meses, quatro estavam há um mês e um tinha chego há apenas um dia. Não há informações, porém, de quanto eles recebiam pelo trabalho e o valor exato que cada um receberá.

O empregador se comprometeu a regularizar a conduta trabalhista sob pena desta multa. Mas, o MPT enviará o caso ao Ministério Público Federal (MPF). O órgão deve investigar e apresentar a denúncia à Justiça. É possível que o homem seja julgado, já que manter pessoas em situação análogas à escravidão é um crime.

VÍDEOS: g1 em 1 minuto Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

justica-obriga-dudu,-do-palmeiras,-a-dividir-patrimonio-com-a-ex-mulher;-entenda

G1 Santos

Justiça obriga Dudu, do Palmeiras, a dividir patrimônio com a ex-mulher; entenda

O Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) decidiu que o jogador de futebol Dudu, do Palmeiras, deve partilhar o patrimônio adquirido entre 2009 e 2020 com a ex-companheira Mallu Ohana, com quem tinha relacionamento na época. Segundo apurado pelo g1 nesta segunda-feira (25), os bens acumulados ao longo dos 11 anos devem chegar ao valor de R$ 70 milhões. Com dois filhos em comum, o casal manteve […]

today25 de março de 2024 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%