G1 Santos

Sem ponte e sinuoso: saiba como é ‘manobrar’ navios no maior Porto da América do Sul

today28 de março de 2024 4

Fundo
share close

Diferentemente do Porto de Baltimore, nos EUA, onde um cargueiro bateu na coluna de uma ponte e a fez colapsar, matando duas pessoas e deixando quatro desaparecidas (veja ao final). Em Santos, não há estruturas semelhantes no trajeto navegado pelas embarcações.

“Mais uma vez se comprova o acerto da decisão em favor do túnel e contra a ponte. Ponte é sempre um obstáculo, é sempre um perigo, porque nem sempre os navios vão estar funcionando normalmente”, disse Carlo Alberto Alberto de Souza Filho, que é prático [auxilia nas manobras dos navios] e comandante da reserva da Marinha de Guerra.

Vista de Vicente de Carvalho, distrito de Guarujá (SP), que está na margem esquerda do Porto de Santos — Foto: A Tribuna Jornal



Souza Filho ressaltou que o Porto de Santos não só é estreito e cheio de curvas, como tem grande movimentação de navios e embarcações menores, o que eleva a atenção do comandante da embarcação e dos práticos.

“Temos uma média de 35 manobras por dia e o nosso recorde é 61 manobras em 24h. É um porto muito movimentado e requer um gerenciamento de risco e uma coordenação de manobras muito grande”, disse.

No cais santista, todas as manobras de embarcações devem contar com o trabalho do prático, que já conhece o canal, as variações marítimas e auxilia na navegação das embarcações, seja na atracação ou partida dos navios.

De acordo com Souza Filho, no complexo portuário Santista, a Marinha estabelece que os navios sejam acompanhados de rebocadores durante o trajeto. Essas embarcações de menor porte, mas, segundo ele, com muita força, ajudam a corrigir rotas, nas manobras e em eventuais falhas, empurrando e puxando os navios.

Rebocadores amarelos aparecem ao lado de um navio no cais santista — Foto: Santos Port Authority

Souza Filho contou que essas embarcações são contratadas pelas armadoras dos navios [empresas responsáveis], mas, uma vez no complexo portuário santista, é o prático quem dá as orientações aos pilotos delas para os ajustes na rota.

Ele contou que no caso de Baltimore, nos EUA, rebocadores também foram usados, mas para manobrar o navio do ponto onde estava atracado e deixá-lo em uma linha reta. Perto da ponte foi que ele perdeu o propulsor, o controle e acabou batendo na coluna.

Em Santos, as embarcações navegam tendo a companhia de comunidades e terminais nas margens esquerda (lado de Guarujá) e direita (Santos). As maiores ultrapassam 300 metros de comprimento e 40 de largura. O complexo portuário já recebeu navio de 366 metros por 48, o que eleva o nível de dificuldade.

Comunidades ficam tão perto do canal do Porto de Santos que, em alguns momentos, os navios parecem invadir as cidades — Foto: Katia Tomimoto

Durante todo o trajeto no canal vão acompanhadas do rebocador, que só deixa os navios passando o Forte da Barra. Ele citou que as medidas visam garantir a segurança, seja evitando o danos graves ou minimizar os riscos, uma vez que problemas acontecem.

“É mais comum do que se imagina a gente ter falha de máquina (nas embarcações). Aqui em Santos, os quase acidentes acontecem a toda hora. É que só aparece quando viram acidente. Aqueles que a gente consegue evitar, aqueles que a gente contorna não aparecem, não são notícia”, disse ele, que já teve que lidar com duas falhas de máquinas no canal do porto e administrou a situação.

Hoje, segundo Souza Filho, a navegação no Porto de Santos é bem cuidada. “As medidas de segurança, as exigências de nível de treinamento dos práticos, as exigências de qualidade dos rebocadores, elas são adequadas a manter um nível de risco controlado no Porto de Santos”.

“O risco existe, o nível de dificuldade é grande, mas as medidas preventivas determinadas pela Marinha, assim como os treinamentos e procedimentos dos práticos, são adequados para manter esse nível de risco controlado”, reforçou.

Navio começou a desviar dois minutos antes de impacto

Navio começou a desviar dois minutos antes de impacto

A tripulação do porta-contêiner Dali, que colidiu contra uma ponte em Baltimore, nos EUA, na terça-feira (26), avisou as autoridades portuárias que havia perdido o controle do navio e que os propulsores não estavam funcionando, segundo o governador de Maryland, Wes Moore. O navio com bandeira de Singapura havia acabado de sair do porto de Baltimore e iria ao Sri Lanka.

Com a batida, a ponte Francis Scott Key foi derrubada. Segundo o governador, a tripulação teve tempo de emitir um alerta de “Mayday”, que indica emergência, antes do acidente, dando tempo às autoridades de bloquear parcialmente o tráfego na ponte. Duas pessoas morreram em quatro estão desaparecidas.

Ponte desmorona após ser atingida por navio nos EUA

Ponte desmorona após ser atingida por navio nos EUA

O navio cargueiro Dali passou por “manutenção de rotina do motor” no porto de Baltimore antes de bater na ponte, disse a Guarda Costeira dos EUA na quarta-feira (27). Minutos antes do choque com a ponte, o comandante do navio reportou às autoridades que havia perdido o controle do navio.

O cargueiro que bateu na ponte, o Dali, tinha 23 pessoas no momento do acidente. O navio tinha 56 contêineres de materiais tóxicos, e uma parte vazou depois da queda da ponte.

Imagens de satélite da ponte destruída em Baltimore, nos EUA

1/9

Imagem de satélite mostra o cargueiro Dali e a ponte destruída em Baltimore, nos EUA, em 26 de março de 2024 — Foto: Maxar Technologies/Via Reuters

2/9

Imagem de satélite mostra cargueiro Dali ao lado de ponte que foi destruída em Baltimore, nos EUA, em 26 de março de 2024 — Foto: Maxar Technologies/Reuters

3/9

Imagem de satélite mostra o navio cargueiro Dali perto da ponte destruída em Baltimore, nos EUA, em 26 de março de 2024 — Foto: Maxar Technologies/Via Reuters

4/9

Ponte Francis Scott Key Bridge em novembro de 2023, meses antes de ser destruída — Foto: Planet Labs PBC/Via Reuters

5/9

Cargueiro Dali após se chocar e derrubar ponte em Baltimore, nos EUA — Foto: REUTERS/Julia Nikhinson

6/9

Ponte Francis Scott Key colapsada com estrutura de porto ao fundo, em 26 de março de 2024. — Foto: Kaitlin Newman/The Baltimore Banner via AP

7/9

Navio ficou preso às estruturas da ponte após desabamento, em Baltimore, nos EUA, em 26 de março de 2024. — Foto: WJLA via AP

8/9

Ponte de Baltimore, nos EUA, destruída após cargueiro se chocar contra a construção, em 26 de março de 2024. — Foto: WJLA via AP

9/9

Câmera flagrou ponte desmoronando após ser atingida por navio nos Estados Unidos — Foto: Reprodução

Inaugurada em 1977, a ponte tinha quase 3 quilômetros de extensão e quatro pistas, que ficavam cerca de 55 metros acima das águas. A estrutura também contava com uma ponte elevadiça que dava acesso ao porto de Baltimore.

A ponte foi batizada com o nome do autor do poema que deu origem ao hino dos Estados Unidos. Segundo estudiosos, Francis Scott Key escreveu os versos após presenciar o bombardeio do Forte McHenry, em 1814, na região de Baltimore.

Mapa mostra a localização da ponte Francis Scott Key, em Baltimore — Foto: Editoria de arte/g1




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

reuniao-de-lula-e-macron-deve-abordar-acordo-com-mercosul,-russia-e-outras-divergencias

G1 Mundo

Reunião de Lula e Macron deve abordar acordo com Mercosul, Rússia e outras divergências

Os chefes de Estado de Brasil e França se encontrarão no Palácio do Planalto, em Brasília, no terceiro dia de viagem pelo país do presidente francês, após Macron passar por Pará, Rio de Janeiro e São Paulo. Lula e Macron discutem preservação ambiental e se se reúnem com lideranças indígenas em Belém As dificuldades para concluir acordo entre o Mercosul e a União Europeia – negociado há mais de 20 […]

today28 de março de 2024 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%