G1 Mundo

Situação de Putin ainda é delicada mesmo após recuo de mercenários, dizem analistas

today24 de junho de 2023 10

Fundo
share close

Desde a invasão russa na Ucrânia, há um ano e quatro meses, a imagem que Vladimir Putin procura transmitir é a de homem forte e senhor da guerra.

Em rede nacional o presidente russo prometeu liquidar a rebelião mas acusou o golpe, a punhalada amiga que levou nas costas.

Segundo Oliver Stuenkel, professor de relações internacionais da Fundação Getúlio Vargas, essa é a mais grave afronta sofrida desde que Putin assumiu o poder em 1999.



“A Rússia é um país muito centralizado, o presidente decide tudo. Em função disso, é um desafio inédito ao presidente Putin, que precisa agora também lidar com dezenas de homens armados que chegaram a invadir a própria Rússia e iniciaram uma marcha contra Moscou. Ele está sendo desafiado, a sua autoridade está sendo desafiada; e ele, independentemente do que vai acontecer nos próximos dias, está muito mais fragilizado do que era até os eventos mais recentes”, afirma o professor.

Analistas apontam que a saída de mercenários da região do Donbass em direção a Moscou pode ter deixado o território ocupado pelos russos mais vulnerável, facilitando uma retomada pelas forças ucranianas, mas isso não significa necessariamente um fim mais rápido para a guerra.

Tropas do grupo de mercenários Wagner voltam para suas bases no sul da Rússia após acordo que encerrou motim — Foto: Stringer/Reuters

“Não se sabe ainda se o grupo mercenário voltará a atuar na guerra na Ucrânia. Se não houver uma presença contínua dos mercenários do grupo Wagner na Ucrânia, claramente é como se você tira uma das unidades, as melhores unidades do exército russo, e, ao mesmo tempo, a Ucrânia vem recebendo armamentos mais modernos por parte do Ocidente”, diz Oliver.

Para Daniela Vieira Secches, professora de direito interacional da PUC de Minas Gerais, que há 15 anos estuda a Rússia, mesmo antes do acordo que pôs fim à rebelião, o cenário de um golpe contra Putin parecia pouco provável.

“Da parte de Putin, muitos analistas especulam que a iniciativa dele de incentivar esse grupo paramilitar é uma manobra para tentar demandar mais efetividade das forças oficiais do Ministério da Defesa, no sentido de criar ali uma contraparte que, sendo bem-sucedida, poderia pressionar por mais êxitos as forças oficiais, as forças militares”, afirma a professora.

Vladimir Putin falou em punhalada nas costas, mas o conflito com o grupo Wagner mostra mais uma vez ao mundo que o uso de mercenários em guerras e conflitos pode ser um tiro no pé. A falta de registros e contratos oficiais e de controle por parte do governo revelou o perigo do grupo paramilitar. O momento é ruim para Putin e preocupante para líderes mundiais que acompanham a crise.

“É uma ameaça, pelo menos dentro da ordem internacional como está posta, né? Se ela não se modificar e criar mecanismos para lidar com esse tipo de instituição, sem dúvidas nós teremos um ambiente internacional mais inseguro”, diz Daniela.

Oliver Stunkel também lembrou que, apesar de ter liderado a invasão à Ucrânia, as potências internacionais ainda preferem lidar com Putin a lidar com um mercenário:

“Uma pessoa que teve envolvimento em crimes de guerra em vários países diferentes e que pode ser alguém ainda mais perigoso, ou menos previsível que o atual presidente. A Rússia é um estado com armas nucleares, com a maior quantidade de bombas atômicas do mundo, então me parece que vários países de repente comparando Vladimir Putin com Prigozhin, vão preferir o status quo, que representa algum perigo – sobretudo para a Ucrânia – mas que pelo menos é um ator um pouco mais conhecido do que o lider do grupo mercenário Wagner”.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

relembre-as-24-horas-da-rebeliao-que-desafiou-poder-de-putin

G1 Mundo

Relembre as 24 horas da rebelião que desafiou poder de Putin

Em cerca de 24 horas, o Grupo Wagner - uma organização russa de mercenários que luta na guerra da Ucrânia ao lado das tropas de Moscou - disse ter sido bombardeado por mísseis russos, organizou uma rebelião, tomou o controle de uma cidade e esteve a ponto provocar um conflito em Moscou. As tensões entre o Grupo Wagner e o Kremlin não são novas - desde o ano passado, Prigozhin […]

today24 de junho de 2023 5

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%