G1 Mundo

Soldados israelenses publicam imagens ‘brincando’ com calcinhas em casas de famílias palestinas

today29 de março de 2024 12

Fundo
share close

  • Um vídeo de um soldado levando uma calcinha perto do rosto de um colega que finge dormir em um sofá.
  • A foto de um soldado segurando um manequim feminino por trás, com as mãos dele nos seis da boneca.
  • Um soldado posando com a arma fazendo um gesto com o dedão levantado em frente a uma cama onde há roupas íntimas de mulheres.
  • Um soldado manuseando uma boneca infantil seminua.

O YouTube derrubou um vídeo que desrespeitava as normas da plataforma. O Instagram não fez nenhum comentário sobre o caso.

Milhares de visualizações



As imagens em que os soldados israelenses aparecem manuseando roupas íntimas foram vistas milhares de vezes (um dos vídeos tem 500 mil visualizações) após terem sido repostadas por um repórter palestino, Younis Tirawi.

Tirawi publicou as imagens entre os dias 23 de fevereiro e 1º de março. Ele enviou os links das publicações originais de soldados das Forças de Defesa de Israel. A agência de notícias Reuters verificou a autenticidade de oito publicações no Instagram ou no YouTube.

A Reuters enviou as imagens para as Forças de Defesa de Israel, que responderam dizendo que estão investigando os incidentes que desviam das ordens e valores esperados de soldados do país.

“Em casos nos quais há suspeita de um crime e que uma investigação se justifique, a Polícia Militar começa a investigar. Deve ser clarificado que em alguns dos casos examinados conclui-se que o comportamento dos soldados no vídeo não é apropriado, e isso será tratado de acordo com isso”.

As Forças de Defesa de Israel não disseram se algum dos soldados que aparecem nas imagens foi punido.

A agência Reuters identificou alguns dos soldados que aparecem nas imagens, mas eles não responderam os pedidos de entrevista.

Israelenses publicaram vídeos deles mesmos em redes sociais — Foto: Reprodução

A campanha militar de Israel na Faixa de Gaza começou como uma resposta ao ataque do grupo terrorista Hamas ao território israelense em 7 de outubro, no qual cerca de 1.200 pessoas foram assassinadas e 253 foram sequestradas.

O grupo terrorista Hamas e também as forças de Israel estão sendo acusados de crimes de guerra. Uma equipe de especialistas das Nações Unidas (ONU) publicou um relatório neste mês no qual se afirma que há motivos para acreditar que houve violência sexual, inclusive estupros e estupros coletivos, no ataque do Hamas a Israel em 7 de outubro.

Os especialistas também dizem que há informações convincentes que algumas das pessoas sequestradas pelo Hamas e levadas para a Faixa de Gaza foram vítimas de violência sexual e que isso ainda pode estar acontecendo.

No relatório também se afirma que há relatos de violência sexual cometida por integrantes das forças de Israel contra palestinos.

Os dois lados negam as acusações de violência sexual.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

metal-retorcido,-destrocos-e-barris-jogados:-imagens-revelam-interior-do-navio-que-bateu-em-ponte-nos-eua;-video

G1 Mundo

Metal retorcido, destroços e barris jogados: imagens revelam interior do navio que bateu em ponte nos EUA; VÍDEO

As imagens são de uma inspeção do Conselho Nacional de Segurança dos Transportes dos EUA (NTSB, na sigla em inglês). O órgão enviou inspetores de materiais tóxicos e engenheiros para uma vistoria na embarcação. É possível ver pedaços retorcidos da ponte que despencou depois da batida do Dali. Há também chapas de metal que se desprenderam, e partes desfiguradas do casco. Também há barris espalhados pelo convés do Dali. Esse […]

today29 de março de 2024 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%