G1 Mundo

Talibã proíbe mulheres de trabalhar para ONGs no Afeganistão

today24 de dezembro de 2022 12

Fundo
share close

“Houve denúncias graves sobre o descumprimento do uso do hijab islâmico e outras regras e regulamentos relacionados ao trabalho feminino em organizações nacionais e internacionais”, afirma uma notificação enviada pelo regime a todas as ONGs. “Em caso de descumprimento da diretriz (…) a licença da organização que foi emitida por este ministério será cancelada”, especifica a notificação.

Duas ONGs internacionais contatadas pela agência de notícias AFP confirmaram ter recebido o comunicado do governo afegão.

A partir de domingo, suspendemos todas as nossas atividades”, declarou, sob anonimato, o funcionário de uma organização internacional que organiza ações humanitárias em áreas remotas do país. “Em breve teremos uma reunião dos diretores de todas as ONGs para decidir como lidar com a questão”, acrescentou.



Dezenas de ONGs nacionais e internacionais trabalham em vários setores em áreas remotas do Afeganistão, com várias mulheres como funcionárias.

O anúncio ocorre apenas quatro dias depois que o governo talibã decidiu proibir por tempo indeterminado as mulheres afegãs de frequentar universidades públicas e particulares no país.

O ministro do Ensino Superior, Neda Mohammad Nadeem, explicou em uma entrevista televisiva que tomou esta decisão porque as “estudantes que iam para a universidade (…) não respeitaram as instruções do hijab”.

“O hijab é obrigatório no Islã”, insistiu, referindo-se ao fato de que as mulheres no Afeganistão devem cobrir o rosto e o corpo inteiro. Segundo o ministro, as meninas que estudaram em uma província longe de casa “também não viajavam com um ‘mahram’, um acompanhante masculino adulto”.

No sábado, quase 400 estudantes de Kandahar, berço do movimento islamita fundamentalista, boicotaram uma prova em solidariedade às alunas e organizaram uma manifestação, dispersada pelas forças talibãs, que atiraram para o alto, contou à AFP um professor da Universidade Mirwais Neeka.

Professora recolhe livros em sala de aula destinada a mulheres em universidade no Afeganistão, após Talibã proibir acesso de universitárias às aulas. — Foto: Ebrahim Noroozi/ AP

O novo ataque aos direitos das mulheres prejudica muitas meninas afegãs, que já haviam sido excluídas do Ensino Médio, e provocou muitas críticas da comunidade internacional.

Apesar das promessas de maior flexibilidade, os talibãs retomaram sua interpretação rigorosa do Islã, que marcou sua primeira passagem pelo poder, entre 1996 e 2001.

Desde sua volta ao poder em agosto de 2021, multiplicaram-se as medidas contra as liberdades, principalmente das mulheres, que foram progressivamente excluídas da vida pública e dos centros educacionais.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

megatempestade-de-inverno-nos-eua-e-canada-afeta-250-milhoes-e-gera-caos

G1 Mundo

Megatempestade de inverno nos EUA e Canadá afeta 250 milhões e gera caos

A onda de frio pode fazer deste Natal o mais gelado em décadas, preveem meteorologistas. O Serviço Nacional de Meteorologia dos Estados Unidos (NWS, na sigla em inglês) informou que as temperaturas podem cair para -45 °C e -56 °C em algumas partes do país. E alertou que, mesmo nas principais áreas metropolitanas, como a cidade de Des Moines, no estado de Iowa, o frostbite (congelamento de tecido do corpo) será um […]

today24 de dezembro de 2022 45

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%