G1 Mundo

Terremoto na Turquia: entenda as chances de sobrevivência de bebês e crianças

today7 de fevereiro de 2023 25

Fundo
share close

Segundo especialistas ouvidos pelo g1, em razão do seu tamanho, eles têm mais chances de serem encontrados com vida nos escombros, mas NÃO podem passar muito tempo sem água ou comida.

Em entrevista ao g1, Léo Farah, especialista em Redução de Risco de Desastres, explica que as primeiras horas durante um resgate são muito importantes, independentemente da idade das vítimas.

Segundo ele, com o passar do tempo, as chances de um resgate com vida vão diminuindo e, até 7 dias após um desastre, a possibilidade de encontrar um sobrevivente cai para em torno de 5%.



Mas esse intervalo de tempo varia muito. No [terremoto de 2010 do] Haiti, por exemplo, encontraram pessoas vivas 12 dias depois, porque se formam os bolsões que chamamos de ‘espaço vital isolado’, onde a pessoa consegue sobreviver.

— Léo Farah, especialista em Redução de Risco de Desastres

Porém, no caso dos pequenos, Farah explica que, além do tempo, o principal fator que influencia, em parte, a possibilidade de um resgate com vida é o fato de crianças e bebês serem menores que os adultos e, assim, se acomodarem nesses pequenos espaços de ar.

Terremoto na Turquia e na Síria: resgates emocionantes

Terremoto na Turquia e na Síria: resgates emocionantes

Ainda de acordo com o especialista, apesar disso, nada impede que outras pessoas consigam sobreviver nesses casos.

“É lógico que, se a gente estiver falando de um adulto extremamente preparado, que consegue ter um raciocínio e um instinto de sobrevivência maior, ele vai ter uma chance natural maior”, diz Farah.

No entanto, ele afirma que a possibilidade de um adulto ficar preso é maior.

“Um adulto, por exemplo, tem uma possibilidade maior de ficar preso nos escombros que uma criança. Além disso, justamente por causa do seu tamanho, o resgate de uma criança ou bebê é mais fácil. Isso porque podemos retirar a criança em um espaço menor e com mais facilidade. A criança tem uma maior maleabilidade e, por isso, os resgates nessas situações são mais rápidos”, detalha.

Resgate de vítimas do terremoto em Iskenderun, na Turquia, na noite desta segunda-feira (6). — Foto: Umit Bektas/Reuters

Bebês e crianças NÃO podem ficar muito tempo sem água ou comida

Nós não vivemos sem oxigênio, água ou alimentos. Quando um destes falta ou fica escasso, a sobrevivência fica seriamente ameaçada, independentemente da idade.

Segundo Carlos Eduardo Pompilio, clínico geral do Hospital das Clínicas de São Paulo, o nosso corpo consegue até sobreviver um tempo sem comida, mas isso só vai acontecer se tivermos água. Ele explica que a quantidade de dias que conseguimos ficar sem água depende de fatores como peso, idade, doenças preexistentes e condições do ambiente.

Você precisa de água para fazer funcionar o metabolismo basal. Nossa produção de energia deixa ‘lixo metabólico’, resíduos que são ácidos e tóxicos e que precisam ser excretados. E como isso acontece? À medida que você dilui esses resíduos em água. Se não tem essa água para fazer essa diluição, você acaba tendo um acúmulo e entrando em insuficiência renal.

— Carlos Eduardo Pompilio, clínico geral do Hospital das Clínicas de São Paulo

A água é vital para a circulação e funcionamento de todos os órgãos. Além disso, ela fornece nutrientes, regula a temperatura e também lubrifica olhos e articulações.

A falta de água, ou desidratação, provoca efeitos graves no corpo, até que ele pare de funcionar.

A desidratação pode levar à hipertermia, que leva a reações enzimáticas e podem provocar a paralisação completa dos órgãos. A perda de enzimas também pode causar uma coagulação do sangue nos vasos sanguíneos, impedindo a circulação.

Por isso, conforme explica Lívia Aguiar, pediatra da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, no caso dos bebês e, principalmente recém-nascidos, uma situação de privação de água e ou alimentos é muito mais difícil.

Impacto das condições climáticas

No caso da hidratação, o calor é um aspecto que influencia negativamente, visto que é mais difícil manter a conservação de água no corpo. Isso porque, nessas situações, perdemos água mais rápido e sem perceber – seja pelo suor ou pela respiração. A água evapora para tentar manter a temperatura do corpo nos 37ºC e a concentração de sódio aumenta muito.

Como as regiões mais atingidas pelo tremor, no sul da Turquia e no norte da Síria, vêm registrando temperaturas baixas desde segunda-feira, esse é menos um problema a ser levado em conta.

“De qualquer maneira, as crianças não estão ingerindo líquido. Então, elas vão desidratando mais lentamente do que em um lugar quente. Porém, precisamos também lembrar que a hipotermia, ou seja, a queda da temperatura do corpo, também leva à morte”, ressalta Aguiar.

Por que a água é tão importante para a saúde?

Por que a água é tão importante para a saúde?

Alimentos garantem energia para o corpo

Para funcionar bem, o nosso corpo também precisa de nutrientes. São eles que garantem a energia essencial para o funcionamento das células. Esta energia é fundamentalmente convertida em glicose, nutriente do cérebro. Quando falta glicose, o cérebro consegue funcionar com outra forma de energia, que são os corpos cetônicos.

O corpo “estoca” a energia basicamente em três lugares: fígado, músculos e tecido adiposo (gordura).

Em uma situação de privação de alimentos, os primeiros estoques que acabam são os do fígado, que manda toda a glicose para a circulação. Em seguida, o corpo começa a retirar a energia das gorduras para produzir os corpos cetônicos que, depois de 2 semanas, passam a abastecer o cérebro. Paralelamente, as proteínas são retiradas dos músculos e transformadas em glicose.

Com isso, o corpo vai se autoconsumindo para garantir a energia que o cérebro precisa para manter as funções vitais. Ocorrem perda de peso, perda de massa muscular, fraqueza, anemia, inchaço, maior chance de infecções, alteração do humor, mau hálito e maior possibilidade de transtornos psicoemocionais.

No caso das crianças e bebês, a situação é mais delicada ainda porque eles possuem uma menor reserva energética e um gasto energético maior.

Além disso, conforme explica Lívia Aguiar, pediatra da BP, o estômago de um recém-nascido ou de um bebê é bem menor que o de um adulto e, consequentemente, o volume de comida que ele pode estocar é bem menor.

No caso dos recém-nascidos, em específico, a especialista ressalta ainda que outro complicador é o fato de que a digestão do leite materno é feita de forma mais rápida.

Segundo o CDC, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças, no início da vida, justamente por causa disso, os bebês precisam comer a cada 2 a 4 horas para ajudá-los a obter nutrição suficiente e crescer.

“E a gente precisa lembrar que, quanto menor a criança, como bebês até um ano e recém-nascidos, temos um baixo estoque de glicogênio [a principal reserva de energia nas células animais]. E à medida que ele vai caindo, vai gerando mais estresse na criança”, diz Aguiar.

“A alimentação é muito importante. Ela faz com que você tenha substrato energético para poder viver, reproduzir suas células, contrair seus músculos. O combustível do organismo é a glicose e nós temos essa reserva, tiramos energia de vários meios. Conseguimos nos virar em condições sem alimentos, mas sem a água não conseguimos isso“, acrescenta Pompilio.

4 pontos sobre o terremoto na Turquia: onde aconteceu e quais as causas e consequências

4 pontos sobre o terremoto na Turquia: onde aconteceu e quais as causas e consequências




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

foto-de-pai-segurando-a-mao-de-filha-morta-no-terremoto-mostra-desespero-de-moradores-que-aguardam-resgate-na-turquia

G1 Mundo

Foto de pai segurando a mão de filha morta no terremoto mostra desespero de moradores que aguardam resgate na Turquia

Na cidade turca de Kahramanmaras, uma das que foram afetadas pelo terremoto de magnitude de 7,8 que atingiu o país, a dor e o desespero se misturam, em meio à falta de ajuda às vítimas do terremoto que deixou milhares de mortos. Até esta terça (7), nenhuma ajuda, ou suprimentos, havia chegado a esta cidade de mais de 1 milhão de habitantes, situada no sul da região da Capadócia. Com […]

today7 de fevereiro de 2023 77

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%