G1 Mundo

Texto redigido por diplomatas do Brasil na ONU sobre guerra entre Israel e Hamas é discutido por delegações

today17 de outubro de 2023 11

Fundo
share close

Na segunda-feira (16) uma proposta escrita pelos diplomatas russos foi rejeitada no Conselho de Segurança.

A resolução elaborada pela comitiva brasileira tem mais chance de ser aprovada, mas ainda não foi colocada em votação. Isso deve acontecer nesta terça-feira (17).

No dia 7 de outubro, o Hamas invadiu o território israelense e matou cerca de 1.400 pessoas. No mesmo dia, Israel declarou guerra ao Hamas e começou a bombardear a Faixa de Gaza, um território que o Hamas controla.



Os bombardeios do Exército israelense lançados em retaliação contra a Faixa de Gaza deixaram pelo menos 2.750 mortos, a maioria civis, e entre eles centenas de crianças, segundo as autoridades locais.

Rejeição da proposta russa

Inicialmente, o Conselho de Segurança iria votar as duas propostas de texto, a do Brasil e a da Rússia, na segunda-feira.

A reunião estava para começar quando a embaixadora dos Emirados Árabes pediu mais tempo para negociar os termos das resoluções a portas fechadas.

Quando os diplomatas voltaram, o texto da Rússia foi colocado em votação e foi rejeitado. Estados Unidos, Reino Unido e França, membros permanentes, votaram contra o texto russo. O resultado final foi o seguinte:

  • Cinco votos a favor;
  • Quatro contra e
  • Seis abstenções.

Texto russo não mencionava o Hamas

A proposta da Rússia não faz nenhuma menção ao Hamas e pede um cessar-fogo humanitário –para os EUA, Israel tem direito de se defender e isso inclui a possibilidade de atacar o Hamas na Faixa de Gaza.

A representante dos EUA afirmou que o texto “dá proteção ao grupo terrorista que brutaliza civis inocentes ao não condenar o Hamas no texto da resolução”.

O representante da Rússia afirmou que pelo menos eles conseguiram colocar algumas pautas em discussão.

As diferenças entre as duas propostas de resolução

  • Uma condenação do Hamas por seus ataques a Israel.
  • Sem mencionar Israel, o texto brasileiro também pede a revogação da ordem israelense para que civis e funcionários da ONU na Faixa de Gaza do Norte se desloquem para o sul de Gaza.
  • A proposta brasileira pede pausas humanitárias para permitir o acesso à ajuda.

A proposta russa não menciona o Hamas e pede um cessar-fogo humanitário —para os EUA, Israel tem direito de se defender e isso inclui a possibilidade de atacar o Hamas na Faixa de Gaza.

Ambas condenam a violência e hostilidades contra civis, bem como todos os atos de terrorismo, e pedem a libertação de reféns.

Para que uma resolução seja aprovada, é preciso ter os votos de pelo menos 9 dos 15 membros do Conselho de Segurança. Além disso, os membros permanentes do Conselho (Reino Unido, China, França, Rússia e Estados Unidos).

Essa é a primeira reunião do Conselho de Segurança, presidido temporariamente pelo Brasil, para discutir abertamente a guerra entre Hamas e Israel.

O documento do Brasil enumera 11 pontos. Entre eles:

  • A condenação “inequívoca dos ataques terroristas hediondos perpetrados pelo Hamas que tiveram lugar em Israel a partir de 7 de outubro de 2023 e a tomada de reféns civis”;
  • O apelo, sem mencionar nomes, à “libertação imediata e incondicional de todos os reféns civis, exigindo a sua segurança, bem-estar e tratamento humano, em conformidade com o direito internacional”;
  • O apelo “ao respeito e à proteção, em conformidade com o direito humanitário internacional, de todo o pessoal médico e do pessoal humanitário exclusivamente envolvido em tarefas médicas, dos seus meios de transporte e equipamento, bem como dos hospitais e outras instalações médicas”;
  • A decisão de “continuar envolvido na questão”.

O texto não menciona medidas concretas – como uma missão de paz ou qualquer tipo de intervenção. Diz apenas apelar “a pausas humanitárias para permitir o acesso humanitário rápido, seguro e sem entraves às agências da ONU…”

'Texto bem sóbrio', diz especialista sobre carta do Brasil no Conselho de Segurança da ONU

‘Texto bem sóbrio’, diz especialista sobre carta do Brasil no Conselho de Segurança da ONU




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

entenda-os-riscos-de-amputar-os-dedos-das-maos-como-o-procedimento-feito-pelo-‘diabao’-de-sp

G1 Santos

Entenda os riscos de amputar os dedos das mãos como o procedimento feito pelo ‘Diabão’ de SP

A nova modificação extrema do tatuador Michel Praddo, conhecido como 'Diabão', que amputou mais dois dedos, restando apenas sete inteiros nas duas mãos, gerou grande repercussão nacional. Por conta disso, o g1 entrou em contato, nesta terça-feira (17), com médicos ortopedistas que explicaram sobre os riscos da amputação de membros para a transformação corporal. O morador de Praia Grande, no litoral de São Paulo, afirmou que as modificações fazem parte […]

today17 de outubro de 2023 107

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%