G1 Mundo

Trump paga multa de US$ 175 milhões por fraudar balanço financeiro

today2 de abril de 2024 4

Fundo
share close

No dia 25 de março, a Justiça aceitou uma apelação da defesa do ex-presidente para reduzir a multa em 60%. O valor original estipulado era de US$ 454 milhões (R$ 2,3 bilhões). Após a decisão, Trump recebeu o prazo de 10 dias para pagar a multa.

Em fevereiro, Donald Trump foi condenado em primeira instância por ter fraudado balanços de uma de suas empresas, a Trump Organization, que atua no setor imobiliário. O objetivo da fraude, segundo a acusação, seria conseguir empréstimos e fazer negócios em melhores condições.

O ex-presidente negou as irregularidades e afirmou que a ação é um caça às bruxas com motivação política.



O pagamento da multa impede que o ex-presidente tenha bens confiscados pela Justiça como forma de execução da multa de condenação.

Balanço inflado ajuda a conseguir negócios

A procuradora-geral de Nova York, Letitia James, processou Trump e a Organização Trump em setembro de 2022. Ela acusou o ex-presidente e a empresa de mentirem durante uma década sobre valores de ativos para obter melhores condições em empréstimos bancários e seguros.

Letitia também afirmou que o ex-presidente dos EUA inflou o patrimônio líquido dele em até U$ 2,23 bilhões nas demonstrações financeiras anuais fornecidas a bancos e seguradoras.

A procuradora disse ainda que os ativos cujos valores foram inflacionados incluíam a propriedade de Trump em Mar-a-Lago, na Flórida, seu apartamento de cobertura na Trump Tower, em Manhattan, e vários edifícios de escritórios e campos de golfe.

O ex-presidente argumentou que não manipulou os balanços contábeis de suas empresas. Os advogados dele recorreram da decisão – ou seja, vão tentar reverter o resultado em uma instância superior da Justiça.

Além disso, os advogados afirmaram que o ex-presidente não tinha o montante e propuseram depositar um valor menor, de US$ 100 milhões (R$ 501 milhões), ou a suspensão da cobrança, que eles consideraram ser excessiva.

Os advogados também procuraram por 30 empresas que emprestam dinheiro para pagamento de fianças, além de quatro corretores, para tentar fechar um contrato pelo qual uma companhia ficaria responsável pelo depósito.

O ex-presidente americano contratou Gary Giulietti, um executivo especializado em seguros, para tentar conseguir um contrato com uma empresa do tipo.

Na prática, se Trump perder o recurso em uma instância superior da Justiça, esse contrato garante que a empresa de pagamentos de fiança quite o valor.

No entanto, Giulietti afirmou por escrito que conseguir um levantamento de US$ 454 milhões “é impossível nas atuais circunstâncias”, e que muitas empresas de pagamentos não emitem títulos de mais de US$ 100 milhões.

O executivo disse ainda que, nesses casos, as empresas não aceitam imóveis como garantias. Grande parte do patrimônio de Trump está em propriedades.

Ainda nesta segunda-feira, a Justiça de Nova York determinou que Trump pare de atacar a família do juiz que está analisando um outro caso ao qual o ex-presidente é acusado — envolvendo atriz pornô Stormy Daniels.

No dia 28 de março, em uma rede social, o ex-presidente chamou a filha do juiz Juan Merchan de “odiadora raivosa de Trump” e pediu para que ele seja removido do caso.

Diante da publicação, procuradores alegaram que Trump estava tentando assustar possíveis testemunhas do caso.

VÍDEOS: mais assistidos do g1




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

ira-diz-a-onu-que-tem-direito-de-revidar-ataque-de-israel-a-embaixada-na-siria-que-matou-comandantes-da-guarda-revolucionaria

G1 Mundo

Irã diz à ONU que tem direito de revidar ataque de Israel à embaixada na Síria que matou comandantes da Guarda Revolucionária

Em comunicado ao Conselho de Segurança, a missão permanente do Irã na ONU repreendeu o ataque israelense que chamou de terrorista e disse que foi uma "flagrante violação das normas e dos princípios fundamentais do direito internacional" e da inviolabilidade das instalações diplomáticas e consulares. Além disso, o país disse que "se reserva seu legítimo e inerente direito sob a lei internacional e a Carta das Nações Unidas a tomar […]

today2 de abril de 2024 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%