G1 Mundo

Turquia anistiou prédios que não cumpriam normas de segurança contra terremotos

today9 de fevereiro de 2023 20

Fundo
share close

A BBC News encontrou casos de edifícios recém-construídos que desabaram durante os terremotos.

Um deles fica na cidade de Malatya, no sudoeste da Turquia. O prédio foi concluído no ano passado.

Imagens capturadas por moradores mostram um anúncio publicitário sobre o edifício na internet. A peça afirma que ele foi “concluído de acordo com os mais recentes regulamentos antissísmicos”.



O texto afirmava que os materiais e a mão de obra utilizados eram de “primeira qualidade”.

Não há mais vestígios desse anúncio na internet, mas várias pessoas tiraram fotos e vídeos e os postaram na internet.

A propaganda segue o estilo de outros similares no site da empresa que construiu o edifício.

Outro prédio residencial recentemente construído na cidade portuária de Iskenderun, no litoral turco, também foi fotografado em grande parte destruído.

Antes e depois: prédio recém-construído em Iskanderun — Foto: BBC

A construtora deste edifício publicou uma imagem mostrando que ele havia sido concluído em 2019.

A BBC confirmou que a imagem do prédio destruído (à direita) corresponde à localização da foto publicitária da empresa do quarteirão (à esquerda).

Outro prédio inaugurado em Antakya em 2019 também pode ser visto destruído em uma imagem confirmada pela BBC.

O complexo Guclu Bahce de Antakya foi seriamente danificado pelos terremotos — Foto: Reprodução

A reportagem encontrou um vídeo da cerimônia de inauguração do conjunto habitacional, de novembro de 2019, no qual o proprietário de uma construtora envolvida na obra afirma que “o projeto é especial em relação a outros por sua localização e qualidade de construção”.

Embora os terremotos tenham sido fortes, os especialistas dizem que os prédios construídos adequadamente deveriam ter resistido.

“O pico de intensidade deste terremoto foi violento, mas não o suficiente para derrubar prédios bem construídos”, disse David Alexander, professor de planejamento e gerenciamento de emergências da University College London.

“Na maioria dos lugares, o nível de tremor foi menor do que o pico registrado, então podemos concluir que, dos milhares de prédios que desabaram, quase todos não atenderam a nenhum código de construção antiterremoto de maneira razoável.”

Violação dos regulamentos de construção

Os regulamentos de construção foram reforçados na Turquia após desastres anteriores, incluindo o mais recente, em 2018.

Regulamentos de segurança mais rígidos também foram introduzidos após o terremoto de 1999 na cidade de Izmit, no noroeste do país. Na ocasião, 17 mil pessoas morreram.

As normas mais recentes exigem que estruturas em regiões sísmicas usem concreto de alta qualidade reforçado com aço.

As colunas e vigas também devem ser distribuídas de forma que absorvam efetivamente o impacto dos terremotos.

Mais de 50% dos edifícios na Turquia foram construídos em violação dos regulamentos de construção — Foto: GETTY IMAGES

No entanto, essas leis foram mal aplicadas.

“Parte do problema é que há muito pouca adaptação de edifícios antigos, mas também há muito pouca aplicação dos regulamentos de construção em novas obras”, explica Alexander.

O governo turco também concedeu “anistias de construção” periódicas — na verdade, isenções legais mediante o pagamento de uma taxa — a estruturas construídas sem os certificados de segurança exigidos. Eles foram aprovados desde a década de 1960 (o último em 2018).

Os críticos há muito alertam que tais anistias representam um risco catastrófico no caso de um grande terremoto.

Até 75 mil edifícios na área afetada pelo terremoto no sul da Turquia receberam anistias de construção, de acordo com Pelin Pınar Giritlioğlu, chefe da Câmara de Urbanistas de Istambul do Sindicato das Câmaras de Engenheiros e Arquitetos da Turquia.

Poucos dias antes do último desastre, a imprensa local informou que um projeto de lei que concederia uma nova anistia para as recentes obras estava pendente de aprovação parlamentar.

No início deste ano, o geólogo Celal Sengor declarou que aprovar esse tipo de anistia para construção em um país cortado por falhas geológicas equivale a um “crime”.

Depois que um terremoto atingiu a província ocidental de Izmir em 2020, uma reportagem do serviço turco da BBC revelou que 672 mil edificações em Izmir se beneficiaram da última anistia.

A reportagem citou que o Ministério do Meio Ambiente e Planejamento Urbano havia declarado em 2018 que mais de 50% dos edifícios na Turquia — o que equivale a quase 13 milhões de prédios — foram construídos em violação dos regulamentos.

A BBC News questionou a pasta sobre os regulamentos de construção na Turquia após os terremotos mais recentes.

“Nenhum edifício construído por nossa administração desabou. Os estudos de avaliação de danos continuam rapidamente no local”, respondeu o ministério.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

milhares-se-oferecem-para-adotar-bebe-retirada-de-escombros-apos-terremoto-na-siria

G1 Mundo

Milhares se oferecem para adotar bebê retirada de escombros após terremoto na Síria

Quando foi resgatada, a bebê Aya — nome que significa milagre em árabe — ainda estava ligada à mãe pelo cordão umbilical. A mãe conseguiu dar à luz, mas não sobreviveu. Em meio à tragédia, imagens de salvamentos de crianças e animais dão esperança O pai e todos os quatro irmãos da recém-nascida também morreram depois que o terremoto atingiu a cidade de Jindayris. Vídeos do resgate de Aya viralizaram […]

today9 de fevereiro de 2023 23

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%