G1 Mundo

Ucrânia considera insuficiente teto de fixado para o preço do petróleo russo

today4 de dezembro de 2022 7

Fundo
share close

A medida está programada para entrar em vigor nesta segunda-feira (5), juntamente com um embargo da UE ao petróleo russo, em uma nova reviravolta nas sanções aplicadas desde que o presidente russo, Vladimir Putin, ordenou que suas tropas invadissem a Ucrânia, em fevereiro.

O custo atual de um barril de petróleo russo (bruto dos Urais) é de cerca de US$ 65. Diante disso, fixar o preço em um máximo de US$ teria impacto limitado.

“Não é uma decisão séria estabelecer esse limite para o preço do petróleo russo, já que é confortável para o orçamento do Estado terrorista [Rússia]”, criticou Zelensky, segundo o gabinete da presidência.



“O lógico teria sido estabelecer um preço máximo para o barril de petróleo russo de US$ 30, como proposto pela Polônia e pelos países bálticos”, acrescentou Zelensky.

Os 27 países da UE, o G7 (Estados Unidos, Canadá, Alemanha, França, Reino Unido, Itália e Japão) e a Austrália firmaram um acordo nesta sexta-feira (2) para impor um teto de US$ 60 ao barril de petróleo da Rússia, o segundo maior exportador mundial de combustíveis.

As autoridades ucranianas haviam se mostrado mais otimistas na manhã deste sábado em relação às repercussões dessa medida.

“Sempre alcançamos nosso objetivo e a economia da Rússia será destruída. A Rússia terá de assumir a responsabilidade por todos os seus crimes”, afirmou o chefe de gabinete da Presidência ucraniana, Andriy Yermak.

No entanto, Yermak já havia reconhecido que o teto “deveria ter caído para US$ 30 para destruir [a economia russa] mais rapidamente”.

“É apenas uma questão de tempo até nos equiparmos com ferramentas mais fortes”, disse o presidente ucraniano. “É uma pena o tempo que estamos perdendo”, acrescentou.

O G7 afirmou que pretende “evitar que a Rússia lucre com sua guerra agressiva contra a Ucrânia e apoiar a estabilidade nos mercados mundiais de energia”.

A Rússia, porém, rejeitou de maneira veemente as limitações.

“Não aceitaremos esse teto”, declarou o porta-voz da presidência russa, Dmitri Peskov, antes de acrescentar que Moscou está “analisando” a medida.

Os bombardeios russos das últimas semanas contra as infraestruturas do setor de energia da Ucrânia deixaram milhões de famílias sem luz, água e calefação, em um momento de temperaturas baixas com a aproximação do inverno do hemisfério norte.

“Temos que aguentar”, afirmou no Telegram o governador da região Mykolaiv, Vitaliy Kim.

Em Kherson, “as redes elétricas, que não funcionavam por causa dos bombardeios inimigos, voltaram a estar conectadas” e “cerca de 75% da cidade voltou a ter energia”, informou o responsável pela administração regional, Yaroslav Yanushevych.

Putin voltou a reclamar, em uma conversa com o chefe de Governo da Alemanha, Olaf Scholz, do apoio financeiro e militar que permitiram à Ucrânia infligir derrotas humilhantes à Rússia no maior conflito no continente europeu desde o fim da Segunda Guerra Mundial.

Mas a contraofensiva ucraniana, aparentemente, deixou de avançar com a mesma velocidade.

Os combates são particularmente “duros” no leste do país, porque “os russos tiveram tempo de preparação” após os reveses dos últimos meses, afirmou o governador da região de Lugansk, Serguei Gaidai.

A situação também é “difícil” perto de Bakhmut, na região leste de Donetsk, afirma um comunicado do Exército ucraniano. Os russos tentam conquistar esta localidade há vários meses e assumir seu controle seria uma vitória para Moscou após as derrotas recentes.

Donetsk é parte da bacia do Donbass, que a Rússia anunciou ter anexado no início de outubro, embora até agora não tenha conseguido conquistá-la por completo.

Putin pretende fazer uma visita a Donetsk “no momento oportuno”, disse Peskov neste sábado, insistindo que para Moscou esta é “uma região da Federação da Rússia”.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse na quinta-feira que estava “disposto a conversar” com Putin, mas apenas se o presidente russo buscasse “uma forma de acabar com a guerra” e retirasse suas tropas do país. Peskov respondeu que a Rússia rejeita as condições.

Já o governo ucraniano rejeita qualquer negociação com Putin se ele não respeitar sua integridade territorial, o que inclui a península da Crimeia, anexada por Moscou em 2014.

O presidente da França, Emmanuel Macron, informou neste sábado que conversará por telefone com Putin “em breve” sobre a segurança das infraestruturas “nucleares civis” na Ucrânia. Também falará neste domingo com o diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), o argentino Rafael Grossi.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

china:-governo-rastreia-celulares-para-perseguir-manifestantes-contra-covid-zero

G1 Mundo

China: governo rastreia celulares para perseguir manifestantes contra Covid Zero

Depois de 20 minutos de espera no frio, ela surge de bicicleta, com o sorriso aberto e óculos vintage. A conversa aconteceu perto de um pequeno canal cercado de árvores, onde há poucas chances de ter câmeras de vigilância. Mianhua, 35 anos, moradora de Pequim, participou de um protesto na noite de domingo (27) para exigir o fim das restrições sanitárias. É a primeira vez em mais de três décadas que a […]

today4 de dezembro de 2022 13

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%