G1 Mundo

Ultradireitista impede palestra sobre Holocausto na Polônia

today2 de junho de 2023 5

Fundo
share close

O incidente ocorreu durante uma palestra de Jan Grabowski, um renomado professor polonês-canadense de história e pesquisador do Holocausto.

Apenas alguns minutos após Grabowski ter começado a falar sobre o tópico anunciado, “Os problemas (crescentes) da Polônia com a história do Holocausto”, o parlamentar de extrema direita Grzegorz Braun se levantou, gritou “basta” e invadiu o palco, tomando o microfone do palestrante e batendo com o aparelho várias vezes no púlpito.

O parlamentar, então, arrancou os cabos, derrubou o alto-falante e, dirigindo-se ao público chocado, disse que o evento havia terminado.



Nem o segurança da sala nem os policiais que foram chamados ao local conseguiram retirar Braun e seus apoiadores do recinto. O deputado evocou sua imunidade e alegou que a situação era de emergência.

Quando o diretor do instituto, Milos Reznik, censurou Braun por danificar a propriedade do instituto, o deputado assumiu um tom ainda mais agressivo:

“Um alemão em Varsóvia não vai me dizer que eu não devo danificar alguma coisa. Saia de Varsóvia, agora!”, gritou.

Apesar de ser vaiado pelo público e chamado, entre outras coisas, de “fascista” e “capacho russo”, Braun se recusou a ceder.

“Estou defendendo a nação polonesa contra um ataque provocado à sensibilidade histórica”, disse aos policiais.

Após tentativas sem sucesso dos agentes em acalmar os ânimos, a polícia pediu que os presentes no evento se retirassem da sala.

Somente após o cancelamento do evento é que Braun deixou o prédio, se gabando de sua “vitória”.

Braun pertence à Confederação Liberdade e Independência, um pequeno grupo parlamentar composto por nove deputados e que tem ligações com o partido de extrema direita Alternativa para a Alemanha (AfD).

Protestos provocativos são uma característica de Braun. Nos últimos anos, ele se declarou contra as restrições impostas em razão da covid-19 e ameaçou o ministro da saúde no Parlamento.

Braun também considera a mídia independente como sua inimiga. Em 2012, disse que um em cada 10 jornalistas do periódico Gazeta Wyborcza e do canal de televisão TVN deveria ser baleado.

Oposição antes da palestra

Mesmo antes do evento, a palestra de Grabowski causou revolta entre membros da direita polonesa. Em 25 de maio, Jakub Kumoch, ex-assessor-chefe de política externa do presidente Andrzej Duda, criticou no Twitter o fato de a palestra estar sendo realizada no Instituto Histórico Alemão em Varsóvia. Kumoch é apontado pela mídia como provável próximo embaixador da Polônia na China.

Para ele, os alemães não têm o direito de ensinar nada aos poloneses sobre o Holocausto. Kumoch também acusou o instituto de “provocar um escândalo” para que os jornais alemães tivessem o que escrever.

Regresso à década de 1930?

“Estamos alcançando um novo nível de violência contra os acadêmicos”, disse Grabowski ao portal Wirtualna Polska. Para ele, a situação atual lembra o ocorrido entre 1937-1939, quando acadêmicos foram atacados e tiveram suas palestras interrompidas na Polônia.

A opinião de Grabowski é compartilhada pelo historiador Szymon Rudnicki, autor de numerosas publicações sobre a direita radical polonesa no período entre guerras de 1918 a 1939.

“Sinto como se tivesse sido transportado de volta à década de 1930”, disse à DW.

“O que posso dizer?”, questionou o diretor do Instituto Histórico Alemão em Varsóvia. “A situação fala por si. Vimos quem tem medo do debate sobre importantes problemas atuais”, destacou, prometendo que o instituto retomaria o tema da palestra posteriormente.

Questionado se a decisão de cancelar o evento não teria sido como uma “capitulação”, Reznik respondeu:

“Se o acadêmico disser que não vê como continuar a palestra, temos que aceitar”.

Grabowski leciona na Universidade de Ottawa, no Canadá – e duas publicações o renderam muitos inimigos na Polônia, especialmente dentro do atual governo de direita.

Entre outras coisas, seu livro Noite Sem Fim: o Destino dos Judeus na Polônia Ocupada, publicado pela primeira vez em polonês em 2018 e coescrito por Barbara Engelking, desencadeou uma onda de protestos.

A obra destaca o problema da violência perpetrada por cristãos poloneses contra judeus, em especial após a liquidação dos guetos pelos alemães em 1942, quando os sobreviventes buscaram ajuda de famílias polonesas no país.

A pesquisa foi criticada pelo Instituto de Memória Nacional da Polônia. Mas Grabowski foi apoiado pelo memorial do Holocausto Yad Vashem e pelo Instituto de História da Academia de Ciências da Polônia.

Nos últimos tempos, o governo polonês aumentou sua pressão sobre acadêmicos independentes que investigam aspectos críticos das relações polonesas-judaicas durante a Segunda Guerra Mundial.

“Não financiarei nenhum trabalho de pesquisa que vise difamar o bom nome do Estado polonês”, disse o ministro da Educação e Ciência, Przemyslaw Czarnek, em uma reunião com uma delegação do Parlamento Europeu em Varsóvia, em meados de maio.

A declaração levou a relações tensas com o governo israelense e pesquisadores do Holocausto em todo o mundo.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

israelense-ferida-em-atentado-morre-apos-22-anos-em-coma

G1 Mundo

Israelense ferida em atentado morre após 22 anos em coma

Hannah Nachenberg tinha 31 anos quando foi ferida no ataque suicida que ocorreu em 9 de agosto de 2001. O atentado, reivindicado pela Jihad Islâmica, ocorreu em uma pizzaria em Jerusalém, resultando na morte de 15 pessoas, incluindo oito crianças, e deixando mais de 120 feridos. Imagem de via de Jerusalém em abril de 2023 — Foto: Ronaldo Schemidt/AFP Uma mulher israelense, vítima de um atentado a bomba em Jerusalém […]

today2 de junho de 2023 8

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%