G1 Mundo

Venezuela: saiba quem é María Corina Machado, escolhida para desafiar Maduro em 2024 mas que não pode concorrer

today23 de outubro de 2023 9

Fundo
share close

“Está fora do ranking para discutir comigo (…) Águias não caçam moscas”, acrescentou o já falecido presidente.

No domingo, 12 anos após a famosa resposta de Chávez, Machado venceu por ampla margem as eleições primárias da oposição venezuelana tornando-se pela primeira vez líder do movimento de oposição ao chavismo, liderado por Nicolás Maduro desde 2013.



EUA anunciam suspensão temporária das sanções ao petróleo, gás e ouro da Venezuela

EUA anunciam suspensão temporária das sanções ao petróleo, gás e ouro da Venezuela

Os primeiros resultados deram-lhe uma enorme vantagem de 93% com pouco mais de um quarto dos votos analisados.

Dezenas de milhares de venezuelanos que vivem no exterior, que por anos ficaram excluídos do processo eleitoral, desta vez participaram das primárias da oposição. E a participação de quase um milhão e meio de eleitores superou as expectativas.

As eleições foram realizadas sem apoio estatal, com censura aos meios de comunicação locais e obstáculos logísticos, técnicos e orçamentários. O anúncio do resultado atrasou devido a um “bloqueio” na conexão, e uma parte da oposição chegou a pedir que as eleições fossem canceladas ou ignoradas.

Os organizadores consideraram as eleições um “sucesso”, no entanto, pois mostraram a vitalidade do eleitorado de oposição e a vontade de muitos venezuelanos de participar de um processo democrático.

A questão, no entanto, é que Machado está impossibilitada de concorrer a cargos públicos, a unidade da oposição é frágil e a vontade do governo de Nicolás Maduro – e das Forças Armadas – continua a ser a mais importante variável na equação política venezuelana.

A participação de cerca de um milhão e meio de pessoas superou expectativas. — Foto: EPA/Via BBC

As primárias acontecem num momento crucial, e não por acaso: na semana passada, negociações entre a oposição e o chavismo levaram à libertação de cinco presos políticos e no estabelecimento de um calendário eleitoral para as eleições presidenciais de 2024.

Em troca, foram levantadas algumas sanções financeiras que impediam o governo venezuelano de receber receitas provenientes da venda de petróleo, principal fonte de recursos do país.

O acordo assinado em Barbados na semana passada é válido por seis meses, mas pode ser desfeito a qualquer momento. A luta pela liderança e a estratégia a seguir dentro da oposição promete, entretanto, gerar atritos e desafios.

A vitória de Machado é, assim, apenas o primeiro avanço num processo que, como sempre na política venezuelana, promete ser, como diz o coloquialismo venezuelano, “pelúo”, ou seja, difícil de resolver.

María Corina Machado Parisca tem 56 anos e três filhos. Ela é a mais velha de quatro irmãs em uma família liderada por um renomado empresário do setor metalúrgico que teve suas empresas expropriadas por Chávez. Sua mãe é uma renomada psicóloga e tenista.

Engenheira industrial com especialização em finanças, Machado trabalhou em diversas empresas do setor industrial antes de passar a atuar em organizações de combate à pobreza e de fiscalização eleitoral.

Machado tornou-se uma das lideranças mais radicais da oposição. — Foto: Getty Images/Via BBC

Aproximou-se do Partido Republicano dos Estados Unidos, ligação que a levou à Casa Branca, onde se encontrou com o presidente George W. Bush para falar sobre a situação venezuelana, que despertava crescente interesse na época devido à proximidade de Chávez com Fidel Castro.

Pelo chavismo, sempre foi vista como colaboradora do “golpe imperialista”. Ela foi acusada de receber ilegalmente dinheiro de fundações americanas, o que lhe rendeu a proibição de sair do país por três anos.

Em 2010, no entanto, ela chegou à Assembleia Nacional como deputada independente e com um discurso anticomunista e crítico às expropriações.

Foi nesse período, em 2012, que disputou as primárias da oposição, perdendo por ampla margem para Henrique Capriles, que concorreu, mas se retirou do pleito na última hora.

Em 2014, junto com Leopoldo López, Machado promoveu um movimento de protesto para retirar Maduro do poder, o que lhe custou o cargo na Assembleia por acusação de conspiração golpista.

De lá pra cá, Machado tornou-se uma das lideranças mais radicais da oposição: promoveu protestos em 2017 e 2019, passou a classificar o governo como uma ditadura, rejeitou todas as tentativas de negociação com o chavismo, defendeu o uso da força para destituir Maduro e se opôs aos principais partidos da oposição, que acusou de serem “colaboradores”.

As eleições foram realizadas em apoio estatal. — Foto: EPA/Via BBC

Quando muitos viam sua liderança diminuir, ela manteve-se firme nas suas posições e ações, costurando uma base de apoio e recusando-se a deixar o país, opção que muitos opositores acabaram por escolher.

Sua trajetória política somada provavelmente à tradição metalúrgica de sua família, rendeu-lhe o apelido de “dama de ferro”.

E à medida que as lideranças de Capriles, López e Juan Guaidó foram se desgastando, ela surgiu como a opção mais óbvia para enfrentar Maduro.

Durante a campanha, Machado apresentou propostas como a abertura da economia aos investimentos internacionais, a privatização de algumas empresas de um Estado que espera encolher, a ida aos bancos de desenvolvimento em busca de empréstimos e a promoção da exploração privada das reservas de petróleo, consideradas as maiores do mundo.

Machado realizou uma campanha meteórica por todo o país sob o lema “até o fim”, apesar das perseguições e das diversas agressões que sofreu – chegaram a atirar sangue animal contra ela.

Essa resiliência talvez teimosa, que não é nova nem incomum nos políticos venezuelanos, finalmente deu frutos a Machado no domingo.

Mas há um problema: a candidata está inelegível por causa das diferentes acusações de que é alvo, mas que ela nega — corrupção e formação de quadrilha.

A resiliência de Machado finalmente rendeu frutos. — Foto: Getty Images/Via BBC

Com o capital político que conquistou nas primárias, Machado terá espaço para influenciar a estratégia de uma oposição cujo desafio continua ser manter a unidade.

Embora um dos pontos do acordo assinado em Barbados proponha “um caminho para que os inelegíveis e os partidos recuperem os seus direitos políticos”, especialistas não esperam que isso aconteça no caso de Machado, que segundo as pesquisas de intenção de voto derrotaria Maduro.

A candidata ainda não deu pistas sobre como espera dar continuidade ao processo, mas Luis Vicente León, um dos mais influentes especialistas em pesquisas de opinião e analistas políticos do país, projeta três cenários além da improvável autorização das autoridades para que ela possa ocupar cargo político.

“Um é que Machado exija que o povo defenda-a nas ruas e isso gere novos conflitos e deslegitimação eleitoral; a outra é que Machado sinta-se com o direito de escolher quem será o candidato, com o perigo de que os outros não aceitem, o que gerará outra fratura; e um terceiro cenário é que a oposição tenha que escolher um candidato substituto, o que nos levaria ao ponto inicial, mas com uma Machado fortalecida”, afirma o diretor da empresa de pesquisas Datanalisis.

O que quer que venha a acontecer na definição do candidato impactará na mesa de negociações do chavismo e da oposição, onde os Estados Unidos são, na prática, uma das partes envolvidas devido à questão das sanções.

Machado critica há anos esses processos de diálogo com um governo que considera “ilegítimo” e “criminoso”.

A questão é se agora, como líder, ela irá moderar a sua postura. O mundo, e especialmente a Casa Branca, estará de olho.

O acordo assinado entre a oposição e o governo influenciará os rumos políticos da Venezuela. — Foto: Reuters/Via BBC




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

piloto-de-folga-tenta-desligar-motores-de-aviao-em-voo-nos-eua

G1 Mundo

Piloto de folga tenta desligar motores de avião em voo nos EUA

O piloto que estava de folga usou o sistema de prevenção de incêndio da aeronave para tentar desligar os motores. Imagem de avião da Alaska Airlines — Foto: Ben Nelms/Reuters Um voo da Alaska Airlines que ia para a cidade de San Francisco, nos Estados Unidos, foi desviado para outra cidade americana, Portland, porque um piloto de folga que estava na aeronave tentou desligar os motores. O suspeito tem 44 […]

today23 de outubro de 2023 4

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%