G1 Mundo

Vídeo mostra policiais e equipe médica pressionando homem negro contra o chão antes dele morrer nos EUA

today22 de março de 2023 9

Fundo
share close

Irvo Otieno morreu algemado em um hospital psiquiátrico na Virgínia. Os motivos para a sua detenção e internação não foram divulgados.




Vídeo de câmera de vigilância de hospital mostra policiais em cima de paciente nos EUA

Vídeo de câmera de vigilância de hospital mostra policiais em cima de paciente nos EUA

Diversos policiais e funcionários do hospital imobilizaram Irvo Otieno, que estava algemado, pressionando-o no chão por vários minutos, antes de seu corpo ficar mole e começarem um procedimento de ressuscitação, conforme imagens de câmera de segurança obtidas pelo jornal americano “Washington Post” nesta terça-feira (21).

O queniano Irvo Otieno, que imigrou para os EUA quando tinha quatro anos, morreu logo após o incidente no dia 6 de março. Ele estava sendo internado no Hospital Estadual Central, na cidade de Petersburg, Virgínia, de acordo com a procuradora Ann Cabell Baskervill. As autoridades não divulgaram o motivo de sua internação.

Essa é a mais recente morte de uma pessoa negra por violência policial a ganhar destaque nacional nos EUA.

Três ex-funcionários do hospital psiquiátrico e sete delegados do condado de Henrico, na Virgínia, foram presos e acusados de assassinato em segundo grau.

O vídeo mostra cerca de seis policiais carregando Otieno, que está com os braços algemados atrás das costas, para uma sala. Ele parece lutar enquanto é colocado no chão. Vários policiais e funcionários do hospital o seguram enquanto outros observam. Um deles coloca algemas também em suas pernas.

Na sequência, Otieno é visto caído e imóvel sendo virado por oficiais que iniciam compressões torácicas. Mais tarde trouxeram uma máquina desfibriladora e fizeram esforços para revivê-lo.

  • Não ficou claro no vídeo editado por quanto tempo Otieno ficou retido.
  • Um relatório preliminar de médicos legistas disse que Otieno morreu de asfixia.
  • Os promotores dizem que ele foi fisicamente contido durante o processo de admissão porque era “combativo”.
  • As autoridades não disseram por que Otieno foi levado sob custódia ou por que ele estava sendo transferido para uma instalação de saúde mental.
  • Os policiais foram colocados em licença administrativa e o gabinete do xerife está conduzindo uma investigação independente sobre o incidente.

O queniano Irvo Otieno, que mudou com a família para os EUA aos 4 anos, em foto de arquivo pessoal sem data divulgada após sua morte — Foto: Ben Crump Law/Divulgação via Reuters

Deseja receber as notícias mais importantes em tempo real? Ative as notificações do G1!

Você deseja continuar recebendo este tipo de sugestões de matérias?




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

britanica-poe-a-venda-casa-em-que-viveu-por-102-anos-por-quase-mil-vezes-o-valor-pago-pelos-pais

G1 Mundo

Britânica põe à venda casa em que viveu por 102 anos por quase mil vezes o valor pago pelos pais

Nos 102 anos em que Nancy "Joan" Gifford viveu na casa conjugada de três quartos em Somerset, na Inglaterra, o mundo testemunhou a Segunda Guerra Mundial, a invenção da TV e os pousos na Lua. Ela está pedindo £ 169.950 (o equivalente R$ 1,08 milhão) — uma "fortuna" comparada às £ 200 que seus pais pagaram pelo imóvel mais de cem anos atrás. Apesar do tempo transcorrido, grande parte da […]

today22 de março de 2023 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%