G1 Mundo

Vila na Suíça escapa por ‘um triz’ de sumir do mapa; entenda

today20 de junho de 2023 5

Fundo
share close

Há semanas, as autoridades locais monitoravam a iminência do desastre. Por essa razão, em 12 de maio, os pouco mais de 80 moradores da vila foram obrigados a deixar suas casas. A defesa civil realizou uma inspeção para garantir o cumprimento da medida.

Na quinta-feira, mais de um mês após a evacuação total, uma grande parte da montanha desabou pouco antes da meia-noite, lançando morro abaixo 1,5 milhão de toneladas de rocha.

No início da manhã de sexta-feira, as autoridades locais inspecionaram os danos e puderam respirar mais aliviadas.



“Não há indicação de danos, com a massa de rochas parando bem em frente à vila”, disseram em comunicado.

Uma parede de terra e rocha de um metro de altura parou bem em frente à escola.

Cerca de 1,5 a 1,9 milhão de metros cúbicos de rocha se soltaram, de acordo com Stefan Schneider, geólogo que chefia o serviço de alerta precoce no cantão de Graubunden, onde fica Brienz.

Segundo ele, as rochas derrubaram árvores “como se fossem palitos de fósforo” e destruíram uma pequena cabana em um campo acima da aldeia.

Agora, porém, não há mais risco de que um grande deslizamento de rochas que possa destruir a vila. No entanto, os moradores de Brienz, que estão em acomodações temporárias, ainda não estão autorizados a voltar para casa.

“A segurança da vila não está garantida”, disse Andreas Huwiler, o geólogo do cantão de Graubunden.

“Temos que monitorar o movimento da massa rochosa colapsada nos próximos dias. Ainda pode mudar, por exemplo, no caso de chuva”, explicou, acrescentando que, há uma “chance muito, muito grande” de todos os habitantes poderem regressar para suas casas.

Essa não é a primeira vez que um deslizamento de terra e rochas ameaça uma vila nos Alpes suíços. Em 2017, um desastre deste tipo obrigou à evacuação de 200 moradores da vila de Bondo, na mesma região. Na ocasião, 3 milhões de metros cúbicos caíram pela encosta causando um prejuízo de mais de 40 milhões de euros à vila.

A pior catástrofe deste tipo no país ocorreu em 1806, quando um deslizamento de 40 milhões de metros cúbicos de terra soterrou 457 pessoas e centenas de cabeças de gado.

Geólogos consideram instável entre 6 e 8% do território suíço. O país, porém, monitora as áreas de risco e organiza evacuações a tempo de evitar tragédias.

Segundo autoridades suíças, as mudanças climáticas estão aumentando os riscos de catástrofes naturais no país, incluindo o aumento da erosão devido ao aumento de temperatura.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

o-desaparecimento-do-submarino-que-ia-explorar-o-titanic:-guardas-costeiras-dos-eua-e-do-canada-buscam-sobreviventes

G1 Mundo

O desaparecimento do submarino que ia explorar o Titanic: guardas costeiras dos EUA e do Canadá buscam sobreviventes

No domingo (18), um submarino turístico chamado Titan, que levava turistas para explorar os destroços do Titanic, perdeu o contato com um barco na superfície, o Polar Prince, cerca de uma hora e 45 minutos após iniciar o mergulho em direção ao local dos destroços. Cinco pessoas estavam dentro da embarcação. Agora, as guardas costeiras dos Estados Unidos e do Canadá fazem buscas e pedem ajuda para tentar localizar o […]

today20 de junho de 2023 31

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%