G1 Mundo

Xi Jinping se reúne com Putin esta semana em Moscou para discutir ‘cooperação estratégica’; entenda como será visita

today19 de março de 2023 13

Fundo
share close

O líder chinês estará na Rússia de segunda-feira a quarta-feira, anunciaram nesta sexta-feira (17) o ministério das Relações Exteriores da China e o Kremlin.

Xi visitou a Rússia pela última vez em 2019. Putin compareceu no ano passado à cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno em Pequim. Os dois chefes de Estado também se encontraram em uma reunião regional de segurança em setembro do ano passado, no Uzbequistão.

O Kremlin anunciou que o presidente russo convidou Xi para um almoço individual na segunda-feira, antes de conversas mais formais no dia seguinte.



Na segunda-feira, “será uma conversa individual, haverá um almoço informal. E a partir de (terça-feira) 21 de março haverá um dia de negociações”, disse o porta-voz presidencial russo Dmitry Peskov, questionado sobre a agenda do encontro entre Putin e Xi.

O ministério das Relações Exteriores da China disse que a visita de Xi é uma “visita pela paz” destinada a “praticar o multilateralismo (…) melhorar a governança global e contribuir para o desenvolvimento e progresso do mundo”.

“A China enfatizará sua posição justa e objetiva sobre a crise ucraniana e desempenhará um papel construtivo na promoção das negociações de paz”, afirmou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, em entrevista coletiva.

O Kremlin disse, por sua vez, que os dois presidentes conversarão sobre como aprofundar sua “cooperação estratégica”.

Xi e Putin discutirão “o aprofundamento da parceria abrangente e da cooperação estratégica entre Rússia e China”, especialmente “no cenário internacional”, explicou o Kremlin em nota, acrescentando que “importantes documentos bilaterais serão assinados”.

A visita de Xi ocorre quase 13 meses após o início da invasão russa da Ucrânia, que isolou Moscou internacionalmente.

A China não condenou a invasão e tentou se apresentar como um Estado neutro na disputa. Sua posição foi criticada por líderes ocidentais, que acreditam que a potência asiática fornece cobertura diplomática a Moscou.

Os Estados Unidos acusaram a China de considerar a entrega de armas à Rússia, o que Pequim negou veementemente.

Em um documento de 12 pontos divulgado no mês passado sobre a guerra na Ucrânia, a China pediu diálogo e respeito pela integridade territorial de todos os países.

Na quinta-feira, o ministro das Relações Exteriores chinês, Qin Gang, insistiu numa conversa telefônica com o chefe da diplomacia ucraniana, Dmytro Kuleba, que Kiev e Moscou devem iniciar negociações de paz “o mais rápido possível”.

Kuleba disse que nessa conversa abordaram “a importância do princípio da integridade territorial”, mas não deu mais detalhes.

Vladimir Putin conversa com o presidente chinês Xi Jinping durante desfile do Dia da Vitória, em Moscou, na Rússia, em 2015 — Foto: Alexander Zemlianichenko/Pool/AFP

China e Rússia têm reforçado a sua colaboração nos últimos anos a nível econômico, militar e político, numa relação, dizem, “sem limites”.

De qualquer forma, o apelo chinês à paz parece longe de se concretizar. O Kremlin prometeu na sexta-feira que os caças MiG-29 que a Polônia e a Eslováquia entregarão à Ucrânia serão “destruídos” e denunciou o “envolvimento crescente” dos países da Otan no conflito com Kiev.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

o-que-se-sabe-sobre-terremoto-que-deixou-ao-menos-13-mortos-e-mais-de-120-feridos-no-equador

G1 Mundo

O que se sabe sobre terremoto que deixou ao menos 13 mortos e mais de 120 feridos no Equador

Um terremoto de magnitude 6,8 foi registrado neste sábado (18) no Equador e deixou, ao menos, 13 pessoas mortas e mais de 120 feridas, segundo informações de autoridades do país. O sismo foi registrado por volta das 12h12, horário local (14h12 horário de Brasília), e teve o seu epicentro nas proximidades do município de Balao, província de Guayas, próximo à fronteira com o Peru, a uma profundidade de 66 quilômetros, […]

today19 de março de 2023 8

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%